Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Cantinho da Casa

Cantinho da Casa

Dia Internacional da Dança

Maria Araújo, 29.04.20

porque adoro dançar, porque  dança é cultura, é sentimento, é arte, é magia, é alegria, é liberdade.

Adoro danças latinas, como o tango e o flamenco,escolhi um vído de flamenco para comemorar este dia.

Durante três anos,frequentei  aulas de flamenco/ sevilhanas. A  professora  vinha todos os sábados de Vigo para nos dar as aulas, deixou de vir por motivos de saúde.

E nunca mais procurei outro estúdio, nem sei se os há por cá.

Fui a duas  Ferias de Vigo dançar sevilhanas.

Uma foto de alguns alunos do grupo,em Vigo.

IMG_5981 (2).JPG

as minhas roupas:

collagemaker_2020429173827770.jpg

 

"é preciso uma aldeia inteira para educar uma criança"

Maria Araújo, 09.10.19

dizem, " até que essa criança tenha necessidades especiais. Esse é o limite"

No fim de semana passado, pediram-me para ver o vídeo abaixo.

Quando li o título, fiquei de coração apertado, sabia que escutaria um discurso muito, muito sensível e que nem todos os pais querem ouvir e aceitar.

Sei de pais e mães que ignoram que o seu filho seja uma criança especial.

Também conheço eles, os homens pais, que fazem tudo pelos seus filhos, que se sacrificam para lhes dar a qualidade de vida que merecem, independentemente de as suas crianças terem um síndrome,  atraso de desenvolvimento, ou simplesmente porque são apáticas, ou hiperactivas, procuram ajuda e informação para que  as terapias necessárias as preparem para o futuro, limitado ou não, e que este seja risonho e igual ao das outras crianças "normais".

Mas também sei, e conheço, eles, os homens pais, que minorizam ou ignoram as dificudades das suas crianças, saem de cena quando percebem que elas são especiais, que precisam de terapias, paciência, resiliência, atenção e muito, muito carinho.

E deixam-nas  a elas, as mulheres, sozinhas.

Há algum tempo, uma amiga minha, que vive no Brasil, contou-me que o marido de uma sua amiga a deixou quando foi diagnosticado ao filho um PEA ( Perturbação do Espectro Austista).

Sozinha, viu-se confrontada com um eterno problema, que nunca imaginaria fosse ter, entregou-se ao filho com todo o amor, procurando ajuda e as pessoas competentes para aprender a interagir com o seu filho.

Há muitas crianças com doenças raras que, desde cedo, têm as terapias necessárias para que possam crescer e desenvolver a autonomia, interagir com as outras crianças; nas creches, nos jardins de infância, mais tarde na escola. Outras há que não têm acesso a nada, por desconhecimento dos pais (ou porque estes não querem aceitar /ver que a sua criança é especial), ou por questões económicas que não lhes permitem recorrer às clínicas privadas, estas capazes de responder às necessidades das crianças e que os hospitais públicos não conseguem, por vezes, por falta de técnicos, e sobretudo porque não aproveitam a logística que têm à sua disposição, raramente usada, porque o tempo para cada criança é limitado.

É esta a solidão das mães especiais.

 

 

começou às 18h00

Maria Araújo, 25.04.19

55506932_2416750535022786_5031980780595707904_n.jp

o concerto de sinos de várias igrejas desta cidade  em que, à semelhança do "espectáculo do final da Noite Branca de 2016",  várias pessoas de diferentes idades estão lá em cima nas torres a tocar manualmente os sinos numa sinfonia, ora a solo, ora em conjunto.

São 50 minutos de concerto que comemora os 45 Anos da Revolução do Dia 25 de Abril de 1974.

Como vivo a poucos metros do centro, o frio é muito, às 18h00 fui para a janela, gravei alguns minutos desta sinfonia que foi noticiada aqui.

O meu vídeo