Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

cantinho da casa

cantinho da casa

Ter | 27.08.19

a trovoada de domingo

Maria Araújo
Que me lembre, a trovoada mais fantástica que vi(vi), era eu adolescente, foi  também em Agosto, na praia de Apúlia. Na casa  que os meus pais alugaram, havia um grande quintal,não fomos à praia,  estava o grupo de amigos que todos os anos se juntava nesta praia, nessa tarde, o céu demasiado escuro ameaçava trovoada, mas nunca imagináramos que seria um espectáculo de luz e som que jamais me esqueceria.  Veio em carga e de vários pontos da praia. Mas quando começou a ser mais (...)
Qui | 22.11.18

o estrondo

Maria Araújo
5:45h da manhã, acordei com um estrondo tão forte, que demorou uns quantos segundos, que pensei ter havido uma explosão algures na cidade. Depois de passar o ruído, levantei-me.  Poderia ser trovoada, não houve nada de mais, entretanto.  Voltei para a cama, Uns minutos depois, o som  menos intenso ouviu-se, era da trovoada. Passou, não ouvi mais nada. Acordei com o despertador, dormia eu muito bem, a vontade de me levantar era pouca. Fui à fisioterapia, falou-se no (...)
Sab | 02.06.18

trovoada, um espectáculo!

Maria Araújo
Na minha adolescência, de férias  com a família, na praia, no mês de Agosto, vi pela primeira vez, em várias frentes,  um espectáculo de relâmpagos que caíam no mar. O meu irmão mais velho tinha pavor ao vento forte, mas gostava da beleza da trovoada, fomos  para o grande quintal da casa da praia ver este belo espectáculo que ia aumentando de instensidade ao mesmo tempo que as nuvens ficavam mais carregadas e a escuridão aumentava também, até que me apercebo que estava (...)
Qua | 14.03.18

queríamos a chuva

Maria Araújo
Em Novembro passara na ponte sobre o rio Cávado, o caudal metia dó, era escassa água que no verão delicia os habitantes da zona. Ontem, passei lá. As águas do rio corriam em quantidade e força em direcção à foz, não se via o arvoredo e a terra seca do verão passado.  Hoje, a trovoada tem andado por aqui, a chuva é abundante, o granizo bate nas vidraças das janelas. Já não podemos queixar-nos que a água não chega para as pastagens, a agricultura, subir o caudal dos rios. (...)