Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Cantinho da Casa

Cantinho da Casa

# fique em casa 12

Maria Araújo, 27.03.20

publicado no post anterior, desafio dos pássaros, a meio da tarde  recebi uma chamada de um número que não faz parte dos meus contactos. Não costumo atender,mas como recentemente o telemóvel desligava-se e foi de novo formatado, perdi alguns contactos,  resolvi atender.

A pessoa foi directa a dizer o meu nome,não reconheci a voz, perguntei quem falava.

Ela estranhou a minha pergunta, até que a voz soou a alguém que não ouvia há muito,muito tempo.

Gostei de a ouvir? Sim.

Gostei de alimentar a conversa ?Não.

Por que a ouvi durante 1h20m? Porque já foi uma amiga e não é mais há uns anos. Mas por algum  respeito que ainda tenho por ela,ouvi-a.

E porque tão cedo não volto a ouvi-la...espero eu.

 

 

 

não há paciência!

Maria Araújo, 05.12.19

21149136_j6Erg.jpeg

Estamos vários utentes na sala de espera do hospital, para exames, uma mulher fala muito alto ao telemóvel com o alta voz ligado.

Ouve-se a pessoa do outro lado que  até um f°&@ -se ouvimos.

Porque o  vestido fica bem com os sapatos, porque isto e aquilo, sempre a repetir as mesma coisas, até que diz:

"Olha estou aqui no hospital à espera de entrar para fazer o exame. Estão muitas pessoas à espera.

Olha perdi uma nota de cinco euros. Não sei onde caiu. Já viste, perder uma nota? Uma vez perdi dinheiro, andamos eu (...) por toda a cidade à procura do dinheiro."

Uma jovem que estava a meu lado, viu-me estender a cabeça para ver quem era a pessoinha que falava tão alto.

E sorriu.

Apeteceu-me chamar a mulher a atenção que devia falar mais baixo, estava num hospital, onde devemos falar num tom de voz baixo.

Mas poderia receber uma resposta mal educada, fiquei na minha a escrever este post. 

Incomodava-me, e penso que a quem estava ali. 

Volta à carga com os cinco euros:

" Já viste, perder cinco euros?! Eu paguei os exames, tinha o dinheiro. Estava embrulhado com umas notas de dez,   deve ter caído quando o guardei no porta-moedas. Olha, pelo menos que fosse um pobre a encontrar o dinheiro"

E repetia " que fosse um pobre a encontrar o dinheiro".

Fui chamada para fazer o exame, não ouvi mais nada.

 

 

chamadas "sem nome"

Maria Araújo, 05.12.19

image004_1.jpg

Ontem, fui buscar o sobrinho neto ao colégio, e como o tempo é de sol, levei o carro de bebé. Também queria levá-lo a ver a iluminação de Natal.

Seguia tranquilamente o meu caminho, uma senhora pôs-se ao meu lado, acompanhando o meu passo, comentou comigo:

- Chamadas sem nome, que nervos!

Olhei para ela, não disse nada. Não era comigo, estaria a resmungar alto e para si própria.

E continuou:

- Chamadas sem nome, apetece deitar o telemóvel para o chão. Havia de ser proibido fazer chamadas sem nome.

Sorri sem nada dizer. Acho que esperava um comentário meu, que não aconteceu.

- Porque fazem chamadas sem nome? Devia ser proibido. 

Estuguei o passo, não era nada comigo, atravessei a rua, não fiz qualquer comentário.

Ficou para trás.

Ouvi-a resmungar.

 

telemóvel avariado!

Maria Araújo, 22.03.19

Marcara, para hoje, uma massagem reafirmante que recebera de presente no outono passado (as Termas fecham entre Dezembro e Fevereiro), saí de manhã cedo em direcção às Termas de Cadelas.

Da cercival até aos dedos das mãos e dos pés, costas e ventre, foram 40 minutos deliciosos, que vou repetir, muito em breve.

No regresso, passei pelo Ikea, fiz o meu passeio pela loja, comprei umas coisas que precisava (há outras que já tenho em mente comprar, mas alguém tem de ajudar-me a carregar, também porque vou pintar o escritório, depois da Páscoa, vai ser tudo a seu tempo), enquanto via as novidades, o telemóvel tocou , um familiar precisava falar comigo. A conversa foi rápida.

Compras feitas, pego no telemóvel para ver mensagens de whatsapp e espreitar o Sapo blogs, a imagem desaparecia.

Após várias tentativas, guardei-o na mala.

Quando já almoçava, tentando novamente ir à internat, o telemóvel não dava sinal de si. Nem sequer ligava.

Trouxe as compras a casa.

Com a garantia do aparelho, fui à loja.

Atendeu-me uma miúda muito simpática mas que não gostei de a ver com a chiquelete na boa. É feio.  E

O telemóvel vai para a marca.

Embora soubesse a resposta que a funcionária ia dar, perguntei se não tinha um de susbtituição: " Não temos telemóveis para emprestar".

Comentei que deviam estar preparados para isto, ela repetiu que não têm telemóveis, ao que respondi que " deviam ter telemóveis para emprestar ao cliente, este pagaria uma caução que seria devolvida se o aparelho fosse entregue em boas condições, quando o procedesse ao levantamento do seu telemóvel".

E vim para casa sem nada, tenho um velhinho que já não sei como funciona.

Vou buscar o meu sobrinho neto bebé ao colégio, e acabar a tarde com um passeio pelo centro da cidade, com ele e a mãe, que está prestes a sair do trabalho.

Rendeu bem este dia quente de Primavera. Com estas temperaturas, já apetece fazer praia.

Bom fim-de-semana.