Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Cantinho da Casa

Cantinho da Casa

Fuego, o espectáculo.

Maria Araújo, 18.03.09

E fui eu no passado Sábado para a capital ver o "Fuego".

Cheguei a Lisboa por volta das 12h20. Esperei pela minha sobrinha que chegou logo a seguir.

Fomos pôr no carro o que eu havia levado.

O dia estava quente. Muito agradável para ir até à praia, pois todo o ar cheirava a Verão e as pessoas vestiam roupas frescas e apelativas aos olhares masculinos.

Fomos dar um passeio pela beira do rio. Almoçámos no Parque da Nações.

Como o espectáculo estava marcado para as 17h00, ainda fomos ver as modas pelas lojas do Centro Comercial Vasco da Gama.

Entrámos para o Casino de Lisboa, 15 minutos antes do espectáculo.

Muitos casais meia idade estavam comodamente sentados nos sofás à espera, como nós, de entrar para a sala.

Ficámos na quarta fila junto ao palco.

A sala estava repleta.

O espectáculo começou ás 17h00 em ponto.

A música era gravada, o que despertou algum cepticismo na minha sobrinha.. Com uma combinação de dança moderna, a primeira parte foi boa. Os bailarinos eram muito bons.

 

 

A segunda parte começa com um cantor  vestido de preto, como é tradição,  no canto direito do palco, sem luz. Do lado esquerdo, a cantora, com uma saia preta e a mantilha branca esperava a sua vez...

De repente, abre-se a cortina. Comento com a minha companhia " Era impossível  este grupo dançar apenas flamenco modeno

Os passos,os fatos coloridos dos bailarinos, a intensidade das luzes, o som das palmas, dos tacões dos sapatos e dos acordes da guitarra espanhola, a sensualidade dos homens e das mulheres, o desafio da dança...

Foi fabuloso! As cantores, os dançarinos, as guitarras!

Surpreendente.

No final, o desafio do canto entre os dois cantores, com a dança pelo meio, extasiou o público.

Do meu lado direito estava uma senhora, que teria 60 tas, que delirava com o seus"bravo", levantando-se da cadeira e aplaudindo o grupo.

O espectáculo acabou e eis que no centro do casino,  vê-se uma malabarista que se contorcia no seu pano branco ao som de uma  uma música de Andrea Bocceli.

 

 Malabarismo por você.

 

Gostei.

Quem sabe não irei ver o " Cirque du soleil" já em Maio?