Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

cantinho da casa

cantinho da casa

coisas minhas

IMG_20220511_165932.jpg

 

Ontem, vi as canções de Ucrânia e da Lituânia. A cantora que representa este país, que gostei de ouvir, fez-me ir lá atrás no tempo e recordar Mireile Mathieu, pelo corte de cabelo.

Quando chegou a vez de Maro cantar,  que não foi surpresa, esteve bem, não gostei, contudo, de ver duas das jovens do coro de costas para o público. 

Se em Portugal estavam sentadas de frente para o público, se não era intenção repetirem a cena, na minha opinião, as duas jovens deviam estar ao lado das outras duas companheiras mesmo que ligeiramente viradas para Maro. 

Parecia uma cena de jardim de infância em que  Maro era a educadora que ensinava a canção às suas crianças que tinham de estar em frente a ela para aprenderem a canção.

Não foi bonito. Não gostei.

 

 

 

 

europeu, hoje

Imaginável ver os cafés por onde passei, há minutos, apinhado de estudantes da escola secundária, uns com máscara,a maioria sem ela. 

Cheguei a casa, liguei o televisor.

Inimaginável, na minha cabeça, neste jogo Hungria-Portugal, ver o estádio Puskás Arena completamente  cheio.

Parece-me que lá não há Covid.... ou nós, portugueses, levamos tudo muito a sério.

 

Dia de Camões, de Portugal

e das Comunidades de Língua Portuguesa

 

O dia há de nascer
Rasgar a escuridão
Fazer o sonho amanhecer
Ao som da canção


E então
O amor há de vencer
A alma libertar
Mil fogos ardem sem se ver
Na luz do nosso olhar
Na luz do nosso olhar

Um dia há de se ouvir
O cântico final
Porque afinal falta cumprir
O amor a Portugal
O amor a Portugal!

 

 

Camões do Portugal Contemporâneo

L1 (2).jpg

não tenho o meu velhinho "Os Lusíadas"(certamente emprestei-o aos sobrinhos para usarem nas aulas, nunca mais regressaram, seria uma relíquia tê-lo comigo).

há cerca de 16 anos, comprei esta edição do Jornal Expresso.

com ilustrações lindíssimas de Predo Proença,cada um destes autores (  Manuel Alegre, José Eduardo Agualusa, Lídia Jorge, Fernando Campos, Pepetela, Mário de Carvalho, Jacinto Lucas Pires, Luísa Costa Gomes, Vasco Graça Moura e Nélida Piñonconta um canto, com os comentários manuscritos de José Hermano Saraiva na margem.

L9.jpg

no canto VIII, escrita por Luísa Costa Gomes, abri numa das páginas, 

L2.jpg

fica neste cantinho um pequeno símbolo do Dia de Portugal,de Camões e das Comunidades:

L7.jpg

 

L5 (2).jpg

 

A Sofia já conduz!

A Sofia tem a carta de condução há cerca de um mês.

A quem pede ela o carro? 

À tia, como é óbvio.

A primeira vez que mo pediu, dei-lhe a chave.

Ficou indignada, queria que eu fosse com ela. Eu recusei-me, fizesse ela as asneiras, não estava lá para ver.

E não aceitou ir sozinha, não conduziu.

Um dos fins de semana que fomos para Ofir, saímos as duas, levou o carro.

Correu bem.

Na semana seguinte, pediu-me o carro, dei-lhe a chave.

Tirou-o da garagem, foi à sua vida, levava um amigo com ela.

Hoje, voltou a perdi-me. De novo, sozinha tirou-o da garagem, desta vez demorou mais tempo, para quem não está habituado a tirá~lo, não é fácil ( e eu já fiz algumas asneiras, quando acordo virada do avesso e as manobras não são as mesmas de sempre).

Na rua oposta à minha o trânsito estava intenso e muito lento. Havendo obras na escola e com os camiões que entram e saem em sentido contrário para facilitar a manobra destes, o trânsito na rua pára por minutos.

Por volta das 12:15h, já nem me lembrava que tinha emprestado o carro, liga-me a dizer que apanhara um trânsito caótico chegaria a casa depois das 13h.

Uns minutos depois, liguei-lhe para lhe dizer que estacionasse o carro na rua dela, eu iria buscá-lo mais tarde.

Ela não atendeu, presumi que estaria no meio do trânsito. 

Eu tinha acabado de ler nas notícias que recebo no telemóvel que a etapa da Volta a Portugal termina em Braga, na Avenida da Liberdade, a poucos metros da minha rua.

Percebi o porquê da lentidão e buzinadelas na rua.

Liguei a televisão, está , agora, o José Amaro a cantar na Avenida Central.