Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Cantinho da Casa

Cantinho da Casa

Cabeça entre as mãos

Maria Araújo, 16.12.13

foi o meu gesto, quando abri a carta (agora sim, antes de receber a pensão) e verifiquei que vou receber menos que no mês passado. De outubro a dezembro, tem vindo a descer.

Então temos : ADSE, ADSE-Subsído de Natal; Quotas CT;  Quotas CT SOB (apetece-me mandá-los todos para aquele sítio); IRS - Continente; IRS - sobretaxa; ISR -Continente, Subsídio de Natal; IRS - sobretaxa - Subsídio de Natal (nem metade do duodécimo do subsídio recebo).

Se tinha algumas dúvidas sobre o que aqui escrevi, agora sim, confirmo que "NUNCA MAIS VOU RECEBER O MESMO" .

A brutalidade dos descontos fazem-me perceber que estou a perder qualidade de vida (que nunca foi de excessos). Contas sempre equilibradas, caminhadas lentas e seguras.

Fiquei desanimada, revoltada, "lixada".

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Sacanagem

Maria Araújo, 06.08.13

24 de maio, de 2013

(...)Não tenho capacidade para desmentir o nível de desinformação que vai grassando no debate público. Não há nenhum corte previsto de 10% nos reformados e pensionistas. O que está previsto é a convergência das pensões da Caixa Geral de Aposentações para o regime geral da Segurança Social”, afirmou o chefe do Governo.

 

 

6 de agosto de 2013

 

"As pensões de aposentação, de reforma e de invalidez dos ex-funcionários públicos acima de 600 euros ilíquidos vão sofrer um corte até 10%, afirmou esta terça-feira o secretário de Estado Hélder Rosalino.
A medida abrange as pensões que já estão a ser pagas, ainda que haja nuances quanto à fórmula a aplicar. Quanto às futuras pensões, vão sofrer uma alteração das regras de cálculo, para que sejam ajustadas ao que o Governo agora pretende adoptar.

Quem estiver inscrito na Caixa Geral de Aposentações (CGA) e tenha uma pensão ilíquida superior a 600 euros atribuída até ao final de 2005, vai sofrer um corte de 10% na totalidade do valor que recebe."

 

{#emotions_dlg.meeting}

 

Em 2012, o governo garantiu que todos os funcionários públicos que tivessem 55 anos de idade e trinta anos de serviço podiam pedir a aposentação.  A penalização seria a correspondente ao tempo em que completaria a idade da reforma, 63 anos, em 2012.

Muitos ponderaram os prós, mais que os contras, desta proposta e pediram a aposentação antecipada.

Eu fui uma delas.

Com 15 anos de descontos para a Segurança Social e cerca de 23 anos para a CGA, ponderei, tomei a responsabilidade do meu acto (todas os amigos e familiares a quem falei da minha decisão, abstiveram-se de opinar) e, 3 dias antes do natal, apresentei o meu pedido.

A partir desse dia, não quis pensar mais no assunto. 

Desde então,  todos me "invejavam" e congratulavam pela decisão que tomara.

Mas algo me dizia que isto "cheirava mal". Sentia que aquilo que estavam a dar, seria retirado de alguma forma.

Quando há meses atrás li que o governo estava a pensar cortar 10% nas reformas, temi.

Hoje, confirmo: "o que dão com uma mão, tiram com a outra".

Não estou arrependida, de forma alguma. Mas vai pesar muito na minha vida, nos meus compromissos,  no meu dia-a-dia.

Sacanas!