Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

cantinho da casa

cantinho da casa

Pantanal

Gosto de ver a novela da SIC, embora passe um pouco tarde, deixo a gravar quando tenho de me levantar cedo no dia seguinte.

Ora, a propósito de uma fotografia e dos vários vídeos que recebi da sobrinha que anda a viajar com o marido e os  filhos por Mato Grosso, agora pelo Pantanal, pensei que aquela onça que aparece na novela fosse alguma montagem, e que este felino estivesse em extinção. Mas estava enganada, não estão em extinção e viram várias. E soube que são as maiores do mundo.

Estavam fascinados com as onças, e eu vi-as no vídeo.

E como seria de esperar, a fotografia de uma delas.

Fiquei encantada.

 

IMG_20220704_194711.jpg

 

 

a moeda de um euro

Saí do ginásio, segui metade do percurso na direção contrária ao habitual, precisava de ir a uma loja de reparações de electrodomésticos.

A minha máquina  de lavar roupa faz um ruído estrondoso durante a centrifugação, precisava de saber o que fazer.

Estacionei o carro a poucos metros da loja, descia pelo passeio, estava uma jovem estudante da Escola Secundária daquela zona, e uma senhora que teria no máximo 70 anos, paradas.

A senhora viu-me e disse qualquer coisa que não entendi.

A jovem olhava para mim sem dizer nada.

Perguntei à senhora o que queria, respondeu ela: "arranje-me um euro, preciso muito de dinheiro, não tenho que comer".

Fiquei sem saber o que dizer, ela voltou a insistir, e eu disse que não tinha um euro para lhe dar.

Continuava a insistir que queria um euro, que não tinha nada para comer, se arranjasse cinco euros, comprava muita comida.

Achei que ela estava a tentar enganar-me, voltei a dizer que não tinha um euro ( na verdade, tinha tomado café no bar do ginásio e como paguei com a única moeda de euro, recebi o troco, mas sabia que tinha mais umas moedas que não chegavam à quantia que  ela queria).

A senhora estava a ser chata, disse a jovem para mim: " Eu já lhe dei um euro".

Tirei o porta-moedas, ao mesmo tempo que afirmava que não tinha um euro para lhe dar. As moedas que juntei paea lhe dar, foram  duas de vinte cêntimos, dei-lhe os  quarenta cêntimos.

Diz ela muito depressa " Isto não é um euro!"

Respondi que eram as moedas que tinha.

Às tantas, perguntei se ela não tinha pensão de reforma ou algum subsídio.

Não respondeu à pergunta, mas disse, com a voz de choro, sem  chorar: "Eu não tenho dinheiro e só recebo no próximo dia dez de Abril".

Virei as costas, a jovem também, que, entretanto, reparei que estava com o telemóvel na mão, o altifalante ligado, falava com alguém.

Quando vinha para casa, lembrei-me que hoje são dezasseis, pelo que, se recebeu no dia dez e disse que não tem dinheiro, estava a tentar mesmo levar-nos na conversa? 

Não quero julgar, sabe-se lá as dificuldades que na verdade pode ter, mas seria mais  humilde da sua parte aceitar o que lhe dão e não insistir que queria um euro.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

estou preocupada

Tinha pensado ir pé até ao Bom Jesus, subir e descer os escadórios, preciso de exercício físico  que, à excepção do fim de semana,  não há oportunidade para  fazer as aulas que gosto.

A minha irmã mais nova e a filha vieram ter comigo ( chegaram tarde, desistimos do Bom Jesus), mantivemos a distância necessária, e quando as pessoas se cruzavam connosco, fazíamos uma fila para não haver aproximação.

Ora, quando chegamos à zona do Parque da Rodovia, ficamos estupefactas. Aliás,eu até já estava a contar com o que vimos: muita gente, famílias com os filhos, grupos enormes que passeavam por lá, que se cruzavam sem qualquer distância. Desistimos de atravessar o parque, metemos por zonas de vivendas que ninguém escolhe para caminhar.

E assim fomos descansadas. Quando chegamos à zona do Leroy Merlim, a coisa descambou, não pelo número de pessoas que por lá caminhava,  mas porque a circulação de viaturas era demais.

E no Leroy Merlim, que eu pensei que estava fechado, o parque estava cheio e havia fila para entrar.

Fizemos o caminho com segurança, eu conheço esta zona, cruzámo-nos com  poucas pessoas.

Há minutos, no Instagram do Sapo, que eu procuro para ver o quadro de infectados COVID19, fiquei de boca aberta:

há algum tempo que o Norte tinha um baixo número de infectados, Lisboa e Vale doTejo tinha substancialmente o dobro, hoje, inverteram-se os números.

Não são muitos, mas o suficiente para, com o que vi hoje nos arredores da cidade, os casos aumentarem.

Já perto de casa, passou o meu vizinho do andar de cima, que nesta pandemia vai fazer a sua corrida matinal, parou por segundos e disse: "Impossível andar nos arredores. Há gente a mais na rua".

Estou desolada.

Espero enganar-me, mas com estes comportamentos, tão cedo não desconfinamos.

 

 

Acabei de ler que vai haver Conselho de Ministros para aprovar as novas regras, mas as escolas só abrirão depois da Páscoa. Mas as lojas poderão abrir no dia 17.

Urge as crianças em idade pediátrica voltarem às creches.O meu sobrinho neto precisa muito de ir para o Colégio.

Aguardemos o que por aí vem.

ontem, foi assim

o tempo voa, mais um aniversário,  convidei a sobrinha para almoçar comigo.

depois do almoço, ela foi para casa trabalhar.

estava a sair de casa, recebo uma chamada de uma amiga,pediu-me que esperasse um pouco, estava perto da minha casa.

ela veio por trás de mim e abraçou-me pelas costas, a filha deu-me  a"cotovelada", ficamos um tempo a conversar. a minha amiga vai ser avó da  única filha que tem, muito feliz está a grávida, também.

na despedida, combinamos um jantar, quando for seguro, e pôr a conversa em dia.

e recebi este ramo de flores.

IMG_20210222_164343.jpg

precisava de comprar ração e areia para a gata na loja de pets ( estava aberta, pensei que teria de comprar outra marca no hipermercado), antes, fui lavar o carro.

na estrada para o Bom Jesus, eram muitas as pessoas que caminhavam em direcção aos escadórios.

queria subi-los, teria de deixar o carro no parque junto ao funicular, o regresso seria pelo funicular. mas este estava fechado,desisti. também queria ver o pôr-do-sol no Sameiro, segui de carro até lá cima.

nunca pensei ver os escadórios e os jardins com avós e crianças, de jovens que treinavam no recinto, de casais de namorados que desfrutavam do sol e da paisagem, de animais de estimação que passeavam com os seus donos.

e nesta época o Bom Jesus é mágico!

foram imensas as fotografias que tirei.

IMG_20210222_164538.jpg

IMG_20210222_164638.jpg

IMG_20210222_164648.jpg

IMG_20210222_165011.jpg

IMG_20210222_165247.jpg

IMG_20210222_170038.jpg

IMG_20210222_170145.jpg

IMG_20210222_170155.jpg

IMG_20210222_170357.jpg

IMG_20210222_170405.jpg

IMG_20210222_170910.jpg

IMG_20210222_171304.jpg

IMG_20210222_171358.jpg

IMG_20210222_171323.jpg

IMG_20210222_171248.jpg

IMG_20210222_171734.jpg

IMG_20210222_171645.jpg

IMG_20210222_171656.jpg

IMG_20210222_172045.jpg

IMG_20210222_173338.jpg

IMG_20210222_173401.jpg

a seguir, o Sameiro

 

 

 

 

 

 

mais um!

No ano passado, andei por aqui  .

IMG_5685.JPG

Em Fevereiro, em Itália, o coronavírus dava sinal à Europa que vinha para nos atazanar o corpo e a alma.

E não imaginava que, um ano depois, e mais velha, estaria confinada.

Felizmente, apesar do que estamos a passar, estou grata pela saúde que tenho, e da família, que está bem.

E está um dia de sol lindo!

IMG_20210222_092211.jpg

Feliz Aniversário, Maria Araújo.