Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

cantinho da casa

cantinho da casa

partilha palavras de sabedoria que alguém te disse um dia

do desafio da Abelha

talvez tivesse alguma coisa a dizer sobre o tema, mas na verdade não me lembro de nada.

Mas pego no ditado " quem não sente não é filho de boa gente" pelo facto de que há pessoas que trabalham em certos lugares apenas porque é um emprego, sobretudo quando este tem a ver crianças. 

E há os pais que se revoltam no seu intímo, e calam-se, porque não só não querem estragar a vida de ninguém, como precisam dessas pessoas.

 

 

músicas que te fazem dançar

do desafio da Ana, exceptuando hip-hop, quase todas, e à minha maneira.

Tenho saudades de dançar, mas fora de casa, e recordar o tempo das discotecas, as "saturday night fever", e, mais recente, as festas do vinil.

Em casa, se me apetecer, vai de tudo um pouco. Basta ligar o spotify e ouvir o que me apetece, no momento: valsa, samba, salsa, flamenco, tango, cha cha cha.

Glenn Miller foi dos compositores  que mais me despertou para a dança e que ainda hoje vibro quando a escuto: " In the Mood".

 

e algumas do vinil

 

 

 

Há muito mais.

Fico por aqui.

animal favorito

deste desafio

Gazela ( embora nunca visse no seu habitat), pela sua  graça, beleza, elegância, velocidade, e resistência ao calor.

Gazela-2.jpg

imagem da internet

Também adoro felinos, e como tal,  apesar de ser mazinha quando alguém vem cá a casa, adoro a minha gata.

IMG_20220718_181126.jpg

E já agora, o cão da minha sobrinha, um rafeiro muito especial.

IMG_20220718_181146.jpg

 

 

 

 

escreve sobre algo que alguém disse sobre ti que nunca esqueceste

do desafio da abelha

 

Há uns quantos anos, num e-mail que enviei para uma colega de trabalho ( ela era muitas vezes criticada por trás, embora eu nunca me apercebesse de nada porque eu dava-me bem com todas as pessoas, e nem sempre dava ouvidos ao que se dizia e só muito mais tarde soube de algumas histórias que me deixaram estupefacta, mantive a minha posição porque gostava dela ), elogiei-a por ser uma pessoa prática e dominar bem o discurso.
Na resposta ao mesmo, escreveu isto:
"Obrigada, é bondade tua. Dizem k "os elogios são carinhos na alma" por isso é sempre bom ouvi-los, mas acredita amiga k a tua serenidade, bom senso e generosidade ganham-me aos pontos, logo... kem me dera ser como tu.
Atenção k os objectivos k te enviei são fruto do trabalho de grupo de todas as colegas de ...

"A César o k é de César".

 

 

 

o que sentes quando escreves?

dos desafios da abelha

post.jpg

 

Sinto que nunca sei como começar.  Ou o que escrevo vai resultar em alguma coisa sem interesse.
Contudo, pensando nos desafios de escrita que participei nesta blogosfera, que foram um bom exemplo de como a escrita funciona como motivação para manter o cérebro activo, sinto que vale a pena escrever, mesmo que sejam as pequenas coisas da minha vida.

Embora não esteja predisposta a escrever frequentemente neste cantinho,  não deixa de ser o meu diário.

 

objectivos para o futuro

Objectivos para o futuro?
Deixar para os meus sobrinhos netos a herança de viverem num mundo sereno, solidário, de respeito pela diferença, e pela inclusão, protegerem a natureza, e  saberem o que siginifica a paz.
Compete a nós, adultos, a palavra de boa fé e trabalharmos neste sentido.

Sem Título.jpg

imagem daqui

o futuro no desafio da abelha

o que é amar alguém

do desafio da abelha

Para amar alguém começo por mim própria.
Tenho de gostar de mim, não de forma egoísta, e respeitar-me, para poder dar amor aos outros.
Acho que tenho conseguido ser fiel ao que penso sobre o amor, sobretudo com as pessoas que me rodeiam. E não estou a falar de amor por um homem, ou pelo companheiro, mas pelas que fazem parte da minha vida e do meu dia-a-dia.
Por exemplo, sei que às vezes sou chata, mas não porque estou a atazanar os outros, mas porque preocupo-me com as pessoas, ajudando-as a resolver alguns dos seus problemas e preocupações, mostrar  confiança,  às vezes "calçando os seus sapatos" de molde a não fazer-lhes o que não quero para mim; tentar compreender as suas dificuldades e minorar o seu sofrimento.  
Sei que esta forma de amar alguém tem um retorno.
E este, que não exijo de ninguém, é o que gosto de receber: a gratidão e o respeito.

amar.jpg

 

alguém que te inspira

do desafio da abelha

 

A minha mãe tinha dois anos quando a sua faleceu. Não a conheceu, portanto.
Foi criada, mais os quatro irmãos que tinha, pela mulher com quem o meu avô casaria. Vieram mais três irmãos.
A minha mãe, severa na educação que deu aos filhos, e porque o meu pai estava meses ausente a trabalhar em Angola e Moçambique, era pai, também.
Para que nada nos faltasse, arranjou emprego dentro de casa: comprou uma máquina de tricotar e passou a fazer camisolas para fora.
Tinha quatro filhos, mais tarde vieram mais dois. Com seis filhos, mais um dInheirinho que entrasse em casa, e para que tivéssemos roupa, calçado, livros, e um belo mês de férias na praia, eu e a minha irmã éramos as sua ajudantes nas tarefas domésticas. Mas era eu que mais a apoiava na sua "profissão", porque ia entregar as encomendas a casa das clientes.
Os anos passaram, os dois irmãos mais velhos casaram, tiveram filhos, eu trabalhava, ela deixou a máquina de tricotar, passou a viver para os netos.
Veio a doença, e deixou-nos.
Foi ela a minha inspiração na vida. O modelo que segui para que a minha vida fosse de luta pela família, sobretudo os irmãos mais novos, que precisavam dela, ela não estava mais connosco, procuravam o meu apoio, mesmo depois de casados; nos meus sobrinhos que por aqui passavam.Tomava contas deles, dava-lhes de almoçar no tempos da escola; e agora os sobrinhos netos a quem dou o que posso, sobretudo àquele que está mais perto de mim, o rapazinho de quatro anos e meio que nasceu na capital e veio viver para esta cidade.
Todos os outros têm tudo de mim, sempre que estão por cá. Nesta altura, e com muito orgulho, tenho sete sobrinhos netos, vem mais um menino ( os rapazes estão em maioria) para Agosto.
Dou muito valor ao que a minha mãe nos deixou. E falo muitas vezes nela.
Os seis filhos que teve foram, e são, dignos dos valores que receberam. Vejo pelos meus sobrinhos, todos adultos, homens e mulheres educados, que se respeitam, que se dão muito bem.
E eu fico feliz quando estamos todos juntos e vejo que os filhos deles adoram as brincadeiras que têm com os tios e tias dos pais.
Aminha mãe inspirou-me muito, e, como escrevi aqui  "a minha mãe "olhou" muito por mim", corrijo e acrescento: "Acho que ela está a olhar por mim...pelos filhos e pelos e netos."

 

 

o teu percurso académico

bee.jpg

Para a menina dos desafios da abelha.

Fui trabalhadora-estudante.

Tinha uma casa para cuidar, dois irmãos adolescentes, que ficaram sem a mãe, nesse mesmo ano que entrei para a universidade.

Algumas tristezas, e cansaços à mistura, tive colegas maravilhosas que estudavam cá em casa comigo, ou traziam alguns apontamentos das aulas que eu não podia ir; também tive dias fantásticos, dias de discoteca, à 4ªfeira de tarde, após uma prova, e com declaração do professor para apresentar no trabalho.

Momentos que quase desisti, mas não queria trabalhar por muito tempo para a família ( e foram 15 anos) .

Apesar de tudo, senti-me uma pessoa realizada.

Acho que a minha mãe "olhou" muito por mim.

E o tempo passou tão depressa!