Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Cantinho da Casa

Cantinho da Casa

ninguém dá ponto sem nó

Maria Araújo, 09.02.18

Quando mudei de ginásio, fiz uma avaliação física e mais tarde uma consulta de nutrição cujo resutado vai no sentido de os sócios terem uma orientação nutricional com consultas mensais, pagas à parte.

Não estava nos meus planos pagar mais do que a mensalidade, informei o nutricionista que não estava interessada.

Passados mais de dois anos, recebo uma chamada de uma nutricionista a informar-me que estava na hora de fazer uma avaliação, a que tinha direito.

Aceitei, ao mesmo tempo que comentava para os meus botões " Vem aí coisa. Mais dinheiro? Não! Já basta a mensalidade que pago".

Hora marcada, uma jovem simpática,dá-me um beijinho,fomos para o gabinete.

Faz-se uma ficha, perguntas disto e daquilo, vou para a balança digital, para medir o peso ( que continua baixo) , a altura, o indíce de massa corporal, etc.

Quando ela analisa o IMC, 18,5, sugere-me que tenha uma orientação mensal para recuperar o peso perdido.

Ri-me cá por dentro e comentei para o meu decote: "Pronto, já está! Esta gente não dá ponto sem nó".

E lá vêm as condições:  mês, pack e... Não deixei acabar.

Educadamente disse que não estava interessada em gastar mais dinheiro do que aquilo que pago mensalmente (ginásio, mais aulas particulares de pequeno grupo, pagas à parte).

Então, ficou acordado uma avaliação trimestral, sem pagar nada visto que fica incluído na mensalidade.

Deu-me algumas orientações para  a alimentação a fazer, aumentar o número de refeições que são necessárias à recuperação de peso.

Ora bem, se uma pessoa é obesa, precisa de orientação nutricional, se é magra precisa de orientação, se tem peso normal, arranjam sempre um senão para fazerem dinheiro.

E são estas e outras novidades, que por várias vezes cedi e comprei, as boas estratégias de marketing.

 

Sem Título.png

 

 

 

 

Ela sabe o que faz

Maria Araújo, 05.01.15

Para começar o ano em forma e por que estive três meses e meio quase inactiva devido à fractura do pulso, tendo a permissão do ortopedista para fazer todo o tipo de exercícios, fui na passada sexta-feira fazer alguns exercícios de cárdio (fiquei com uma dor de pernas, mas passou), ontem fui caminhar cerca de 8 km e hoje, dia de o professor que fez o meu plano, estar no ginásio, decidi substituir a aula de Pilates pela de cárdio,  pois queria que ele me indicasse todos os exercícios de abdominais a fazer.

Fiz os exercícios nas máquinas, que já conheço, com o peso que ele marcava e eu reclamava que era demasiado alto e não aguentava, mantinha-se vigilante à minna performance. "Devagar, chego lá", dizia eu.

Depois disto,lá consegui fazer os abdominais ( custa, mas chego lá), marcou-me mais dez minutos de passadeira, dez de bicicleta e dez de step ( e eu com horas para fazer o almoço).

Estava eu no step quando veio perguntar-me se queria fazer 15 minutos de FLEX.

Já tinha feito ABS, mas FLEX, não. E fui.

Custa esticar as pernas! No body balance trabalhamos todas as partes do corpo e o equilíbrio e quando o professor aproxima-se de mim e puxa-me as pernas e dou um "ai, professor!", cheguei à conclusão que com os quatro meses sem o body balance, perdi flexibilidade.

Entretanto, já havíamos começado o FLEX, uma senhora com cerca de 65 anos, uma habitué do ginásio, cheia de genica, muito exercício, um corpo magro, perfeito, sai da aula de Pilates e entra no ginásio pega no tapete, estende a toalha em cima e acompanha-nos.

Num dos exercícios que tinhamos de esticar a perna com a toalha na ponta do pé e agarrada pelas mãos,  puxá-la e levar o pé o mais possível ao ombro, ouço o professor dizer "não é preciso tanto, isso é batota", olho para o meu lado direito e vejo a senhora com a perna completamente esticada e o pé juntinho ao ombro.
"Bolas!" comentei. E os cavalheiros riam-se e "ficavam cheios de inveja" porque, como eu, não chegavam lá.

Excelente desempenho, o da senhora.

Acabados os 15 minutos de FLEX, comentei com a senhora e o professor "a senhora tem uma flexibilidade fantástica!"

E diz o professor : "são muitas horas de ginásio, muito treino. Um intervalo, come uma banana, volta ao ginásio, faz outro intervalo, come um iogurte. Ela sabe o que faz" (na verdade, cumpre as regras da nutrição, pois a senhora leva um bom lanche para o ginásio e vai comendo, como eu devia fazer, regras da nutricionoista, e hoje esqueci-me de o levar) e continuou: "E tu, uma hora no ginásio, todos os dias, vais ver como ficas como ela". (ahahahaha,)

Lá fui fazer mais 6 minutos de bicicleta, o tempo urgia para vir fazer o almoço e lá estava ele, o professor, a controlar-me : "Vá, vai embora, por hoje é tudo".

Mas que gostei, gostei. Nem dou conta de o tempo passar (tenho de começar a levantar-me mais, se possível  para ir a pé e enquanto o tempo estiver de sol,  para o ginásio).