Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

cantinho da casa

cantinho da casa

Qua | 22.04.20

Dia da Terra ( e das recordações)

Maria Araújo
hoje é  o Dia Mundial a Terra, o dia que nunca esquecerei o último dia de vida do meu cunhado, pai da Sofia, no ano de 2002. Estava um dia quente, saí do trabalho por volta das cinco, estacionei o carro, fui vê-lo ao hospital, na altura aqui perto de casa. Estava tranquilo, olhar perdido na parede branca do quarto, a minha irmã e a irmã dele calçavam-lhe as meias nos pés que elas diziam estarem frios. Estava afasta da dele,observava-as, e a ele. A minha visita fora rápida e (...)
Seg | 16.10.17

o furacão transformou-se em chamas

Maria Araújo
Ofélia, o furacão que se prevera afectar os Açores, veio para o Continente. Os Açorianos bateram palmas de alívio. Vento e chuva foi o que resultou, nada que não estejam habituados nestas ilhas do nosso Atlântico. Nós, por cá, corríamos contra o vento, contra os incêncios que mataram pessoas, que mataram florestas, que incapacitaram os bombeiros de fazer mais e melhor pela nossa floresta. Tenho vergonha do que se está a passar neste país, tenho vergonha de constatar a (...)
Sex | 25.04.14

Há 40 anos

Maria Araújo
estava a trabalhar quando veio a notícia do golpe de estado. nas escolas, mandaram os alunos para casa, havia medo de que houvesse retaliação, a TV ligada todo o dia, lágrimas que corriam rosto abaixo ainda sem acreditar que era verdade. depois, foi a saída para a rua  festejar o que fora impensável e acreditar que o irmão mais velho viria embora, para sempre, da Guiné. hoje, esquecera-me que é dia 25 de abril. hoje, a igreja enche-se de jovens que choram a morte do (...)
Dom | 26.01.14

10 anos voam!!!

Maria Araújo
Ginásio ao domingo, sossegado, fui andar no tapete antes da aula de bodybalance, às 11:30h. Escolhi um tapete em frente ao ecrã da TV, sempre na SIC notícias, para controlar as horas. Os 15 minutos que caminhei, foi a ver a reportagem que passava sobre o 10º aniversário da morte, em pleno campo do Vitória de Guimarães, de Miklós Féher. Ha dias recordara-me que foi em janeiro,  mas não me (...)