Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Cantinho da Casa

Cantinho da Casa

coisas do meu dia

Maria Araújo, 17.01.19

Tudo preparado para sair de casa, logo de manhã e mais cedo  para não perder a reserva da aula, ouço os nós dos dedos de alguém que batia à minha porta.

A Sofia tem esse hábito, sei quando é ela porque a maioria das vezes vem almoçar comigo, mas como está no Porto a estudar e nesta  época anda em exames, não poderia ser ela.

Perguntei de dentro quem era, respondeu-me uma voz rouca de homem. Não percebi nada do que disse.

Espreitei pelo monóculo, vi o homem que teria mais de sessenta anos, voltei a perguntar o que desejava. A voz era indistinguível, quando voltei a perguntar o que desejava, respondeu-me que estaria enganado, e subiu as escadas para o terceiro andar.

Tenho estacionamento pago no parque do ginásio, costumo tirar o cartão da carteira em casa,  ponho-o no tablier do carro, o lugar mais acessível para, à chegada ao parque, passá-lo na máquina e não perder tempo a  procurá-lo.

Entretanto, quando saí de casa, o homem estava no andar de cima, ouvia-se a voz do filho do casal a falar de dentro, continuei a não endentender nada do que dizia, até que o som do intercomunidar da porta do prédio fez-se ouvir várias vezes.

Saí de casa, não sei o que se passou.

Quando chego ao parque do ginásio, lembrei-me que não pusera o cartão no carro, fui à mala onde levo a minha roupa, procuro no bolso de fora, não sinto a carteira.

Estavam o telemóvel e porta-moedas, mas a carteira não. Abri a porta do carro, saí, tirei a mala para fora, tirei tudo do bolso. Nada.

O que me veio à mente: quando o homem batera à porta, eu tinha a carteira na mão pronta para tirar o cartão, mas pusera-a em cima do móvel e nunca mais me lembrara dela.

Ora, na carteira, tenho todos os documentos de identificação e os do carro.

Se por algum motivo tivesse de apresentar os documentos ( que raramente acontece), não os tinha comigo.

Estacionei o carro no parque exterior, fui à recepção levantar a senha. Para a levantar, tenho de ter o cartão do ginásio, o mesmo que me dá acesso a entrar no parque.

Disse ao recepcionista que me esquecera do cartão em casa. 

Conhecendo-me muito bem por ser cumpridora e  não abusar de nada, entregou-me a senha ( a aula estava reservada), voltei ao carro para ter a certeza de que não a tinha lá.

Fiz a aula, regressei a casa, lá estava ela no móvel da entrada.

Felizmente, nada aconteceu, como aqui, nem apanhei a polícia que, de quando em vez, está parada nas rotundas por onde passo nas minhas idas e vindas para/do ginásio.

E por falar em aqui, tenho algo para contar sobre este assunto.

 

simpatias que me fazem sorrir

Maria Araújo, 14.05.18

images.jpg

 

Uma semana sem ir ao ginásio,  vim de Lisboa muito cansada, sábado fui à aula de Pilates.

Costumo levar uma mala com tudo o que preciso, uns dias mais pesada que outros, habituei-me a ela.

Depois da aula,  mala na mão, dirigia-me para as escadas que dão acesso à recepção. Ao lado delas há o estúdio de bike.

A mala tem rodas. Como é costume quando saio dos balneários, puxo-a até às escadas, páro junto destas, pego nela e subo-as.

Ora no sábado fiz este gesto habitual, estava a decorrer a aula de bike, parei, olhei para um dos colegas de Pilates para lhe adeus, como sempre o faço também, quando escuto uma voz de homem que me diz: " quer que leve a mala? está pesada?"

Olho para trás, vejo um jovem que não teria mais de 30 anos, lindo, barba de poucos dias, uma voz bonita.

Respondo que não, que não é preciso, que a mala não está pesada, que é hábito meu parar nas escadas para pegar nela.

Comenta: "mas eu levo-lhe a mala"

E fiquei sem jeito. Nunca naquele ginásio, alguém, velho ou novo, se ofereceu para levar a mala. E há dias que vai mais pesada, é verdade.

Agradeci, de novo, disse que estava habituada, que desta vez nem estava muito pesada.

Fiquei para trás, não queria que visse o sorriso que me fez vir ao rosto e porque queria apreciar melhor o jovem. 

Ter a simpatia de um homem lindo, que podia ser meu filho,  oferecer-se para levar a minha mala, não acontece com frequência, e com maduras como eu ( estava de costas  quando se ofereceu para levar a mala, certamente não estava à espera  que veria uma mulher madura com corpo de menina, ahahah!).

 

 

o que não é roubado, aparece

Maria Araújo, 10.02.17

Uma semana depois de dar falta do meu relógio, de ter revirado, sacudido, apalpado tudo o que tenho na mala que levo para o ginásio; depois de ter procurado nos cacifos; depois de ter perguntado várias vezes se alguém entregara um relógio x; depois de no domingo passado comprar  outro relógio; depois de todos estes dias, em casa,  fazer exactamente as mesmas coisas: tirar da mala a roupa para lavar, os ténis para arejar, o creme do corpo, a carteira e o telemóvel, eis que, há pouco, cheguei do ginásio, tiro tudo...e vejo o meu relógio.

" Incrível!. O meu relógio apareceu! Onde ele se meteu!"

IMG_20170210_131442.jpg

Vejam onde ele estava preso.

E voltei a lembrar-me das palavras da mãe de uma minha amiga: " o que não é roubado, aparece".