Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

cantinho da casa

cantinho da casa

comprei uma máquina de lavar roupa

A minha máquina teria 10 anos, ou mais, estava a fazer um ruído forte durante a centrifugação, decidi não mandar arranjá-la.

Ficaria sem máquina sei lá por quanto tempo, certamente não viria a funcionar em condições, na quinta-feira, fui à Loja Euronics Cidadela Electrónica, e depois de ver todas as máquinas com eficiência energética A, com a ajuda e opinião da vendedora, optei por uma com capacidade de 9kg da marca Haier . 

Feito o pagamento, fomos dar uma volta pela loja, ficamos apaixonadas ( a mana foi comigo) pela cozinha e electrodomésticos SMEG, e pelas  placas  HAIER.

Máquina em casa, espero pelas 22h para pôr a roupa a lavar.

 

Acho que vou ficar satisfeita com a compra que fiz.

 

 

 

 

 

telefonemas que valem a pena atender

Devido à COVID 19, há dois anos que deixou de haver massagem de rosto nas termas onde costumo fazer tratamentos  bem-estar.

Há um mês, voltei aqui para uma massagem, perguntei se já faziam o tratamento de rosto,  a resposta foi que não.

Ontem, ligaram-me de uma perfumaria neste centro comercial, ( só passo lá quando vou à loja Ikea) porque além de ter um vale de presente de aniversário, ofereciam uma massagem de rosto da Shiseido (os produtos que uso desde 2019).

Óbvio que aceitei.

E ainda bem que fui.

Fez-me a limpeza do rosto, uma massagem facial com uns dedos maravilhosos  ( se fosse rica,contratava-a para vir todas as semanas fazer este serviço), massagem cujas mãos delicadamente passaram pela cabeça e ombros.

Depois, aplicou o creme de rosto.

A minha pele estava linda! 

Como  fui com intenção de trazer o creme, ainda abri mais um pouco a carteira e trouxe algo mais.

Não estava à espera de gastar uns quantos euros, mas tendo em vista que estes cremes duram bastante nas minhas mãos, decidi investir também no sérum.

Antes de pagar, lembrou-se de passar uma sombra com brilho, nos olhos, e a máscara de pestanas ( sempre usei).

Então, olhei o espelho e comentei que estava preparada para a noite, mas devia ter sido para amanhã, uma vez que vou jantar fora e a este concerto ( ainda não recebi confirmação das meninas com quem vou ).

E saí da perfumaria directamente para o carro, não entrei na loja Ikea, não fosse gastar dinheiro em coisinhas que gosto.

Entretanto, com a tarde bonita que está, vou dar um passeio com a mana, a filha da mana, e a mamã do sobrinho neto.

 

 

 

 

 

 

 

coisas que me tiram do sério

saco-papel-14x9x39-asa-retorcida.jpg

o meu irmão, que tem pouco tempo para andar nas compras,  pediu-me um favor: comprar sacos de papel para garrafas de vinho.

fui, ontem, à loja do chineses, trouxe 20 sacos.

antes, peguei num e mostrei ao funcionário, que estava ao balcão, e perguntei o preço.

percebi que disse 0,65 a unidade.

comprei mais umas pequenas coisas para mim, paguei, e vim para casa.

raramente tenho o hábito de verificar os talões, mas peço-os e guardo.

então, já em casa, tirei as minhas coisas, deixei as do meu irmão dentro do saco que eu levara e, de repente, verifiquei o talão e reparei que os sacos foram debitados a 0,95 a unidade.

não foi possível lá voltar, fui hoje, depois do almoço, também para comprar uns envelopes, e levei o talão de compra de ontem.

peguei num saco, dirigi-me ao balcão e perguntei à funcionária qual o valor deste. respondeu-me que era 0,75.

então mostrei o talão e disse que o colega debitou mais 0,20 em cada um, e queria desfazer o engano.

resposta dela: " não posso resolver isso, o colega não está, só vem na 5ª feira, tem de ser com ele".

reclamei, disse que em qualquer loja que vá, se tenho uma reclamação a fazer qualquer funcionário pode ver o que se passa, ou então, chama o responsável da loja, ou o dono, pois não vou esperar dois dias para resolver uma coisa que qualquer funcionário pode resolver.

ela disse que provavelmente ele registou pelos sacos de Natal, só ele pode resolver.

a colega, que estava ao lado, comentou que na quinta-feira o colega pode não se lembrar disto, que não iam devolver o dinheiro, são regras da loja, é com o funcionário que tenho de falar.

pedi para falar com a dona.

-não está-, respondeu.

perguntei se podia lá levar os sacos para verificarem o que comprei.

ao mesmo tempo que eu apresentava a minha reclamação, percebi que uma cliente, ao meu lado,comentava qualquer coisa entre dentes. eu estava na minha vez, pois coloquei-me na fila para a funcionária me ouvir, só que um dado momento ela "desligou" , tratou de atender esta cliente.

quando tal, pôs-se a "bufar" para o lado.

chamei-a a atenção de que escusava de bufar para o lado, sou cliente há muitos anos, nunca aconteceu nada disto, e tenho o direito de desfazer o engano, que ia pedir o livro de reclamações.

foi então que disse que têm de ver na câmara qual foi o produto que o colega vendeu, que não adiantava nada ir lá com os sacos.

quis saber quando está a dona, respondeu que, provavelmente, amanhã, senão só na quinta-feira  com o colega.

vim embora chateada.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

em tempo de COVID

sair à rua de manhã para compras, é tranquilo, as lojas estão praticamente vazias, mais facilmente  podemos escolher o que queremos. Foi o que fiz hoje.

Na loja online Bordallo Pinheiro, vi umas peças que queria comprar, uma delas estava esgotada. A minha intenção não era comprar online, mas selecionar o que me interessava e procurar na loja cá da cidade.

Entrei na loja, que só permite duas pessoas, a cliente que estava a ser atendida saiu uns minutos depois de eu entrar.

Expus à funcionária que procurara na loja online mas uma das peças estava esgotada, gostaria de saber se tinha lá. Sim, tinha, e apontou para a prateleira mais alta da loja, trouxe-a para o balcão.

Seguiram-se outras peças que não as tinha lá, mas no armazém, foi buscá-las.

Era a única cliente, estava acompanhada da senhora da limpeza que comentou comigo que há peças lindíssimas e que a colecção de Natal tem um senão, que é usá-las uma vez por ano. 

Das cores das peças que trouxe do armazém, estava indecisa quais escolher, entretanto, entrou uma mulher que dirigiu-se a ela e disse " venho buscar as peças x".

A funcionária embrulhava a primeira  peça que pedi, mas porque eu ia escolher mais, disse que atendesse a mulher,uma vez que, presumi eu, estavam encomendadas e só ia buscá-las..

A funcionária foi buscar as peças x, à vista numa das prateleiras, mas a mulher começou a dizer que queria mais peças daquelas para pôr  num canto do móvel da cozinha. Tirou o telemóvel da carteira e mostrou à funcionária uma foto. Como não tinha mais peças na loja nem no armazém, eu convicta que a mulher ia pagar e sair da loja, tratou de escolher mais coisas, que a funciontária  ia buscar às prateleiras. Sinceramente, não vi o que a mulher comprou.

Era mais isto e aquilo, encomendou outras peças, passaram cerca de trinta minutos.

Já estava a ferver, fui para a porta para não me chatear

Quando pegou no cartão para pagar, a máquina não estabalecia a ligação, tentaram uma, duas, três, quatro vezes, e nada.

Entretanto, a mulher recebe uma chamada e dizia: " estou a chegar ao carro"  mas o carro estava longe da loja (comentara com a funcionária), por isso não podia levar tudo o que queria.E ela não saía  da loja, e eu à espera.

Ora, na altura do pagamento,  a funcionária disse-me que já ia atender-me, olhando-me com ar de quem não gostou do que a mulher fez.

Diriji-me perto do balcão e disse às duas: " cedi a minha vez à senhora porque disse que só vinha buscar as peças,mas afinal escolheu outras, se eu soubesse que ia fazer isso, não lhe dava a vez"

A funcionária não disse nada, a mulher ouviu, ignorou-me, não pediu desculpa. Cerca de dez minutos depois,conseguiu a ligação,  pagou e saiu sem me dizer um "obrigada, desculpe fazê-la esperar, afinal cedeu-me a vez".

Quando finalnemte a funcionária me dirigiu a palavra, falei que ela não tinha culpa, eu é que cedera a vez, mas a senhora foi incorrecta porque devia ter dito que não ia buscar somente as peças, mas escolher outras, e teria que esperar pela vez.

Uma dada altura, quando tentava pagar, disse a mulher: " prontos", isto fica pago, depois venho buscar as peças que encomendei"
Este "prontos",disse-me tudo.

Odeio gente mal agradecida.

o regresso

ontem, não tive tempo para blog, não li/vi notícias, foi um dia ocupado.

o sobrinho neto regressou à creche, soube que ficou bem ( ele gosta de conviver, é uma criança feliz), fui de manhã fazer umas compras à Sephora, a loja de rua e do centro comercial só abriram ontem,  entrei, estava o alarme de uma das portas avariado o ruído incomodava, uma senhora via um batom, a colaboradora perguntava à colega que me atendia como fazer para a senhora o experimentar. não é fácil mudar os hábitos, sobretudo quando se trata de experimentar os testers.

não demorei muito tempo,comprei  o que queria, quando recebi o saco com as compras,disse-me a colaboradora: "obrigada por confiarem em nós, obrigada por procurarem a nossa loja, as senhoras são as primeiras clientes que atendemos neste primeiro dia de abertura".

fiquei contente com este comentário,senti que foi sincero e que somos o impulso para que a economia dê frutos.

segui para a Massimo Dutti,  na mesma avenida, precisava comprar um presente de aniversário para a minha amiga M, merece muito, precisa de consolo, de ânimo,.

vi umas camisas giras, mas como está de luto, fiquei indecisa na cor, os modelos que vi não tinha na cor preto, optei por um cheque-prenda ( a primeira vez que comprei), não tinha ideias para nada, não queria dar bijuteria ( tem muita,mas muita, mesmo,e falo por mim que tenho de mais e nem sempre a uso),nem perfumes.

à tarde, fui buscar o sobrinho neto à creche.

uma mesa do lado de fora da entrada, um cesto com os sacos onde os pais deixam o calçado que levam, e calçam o que fica para usar lá dentro.

a funcionária estava com o menino no colo,ele sorria, eu fiquei um pouco atrapalhada porque não sabia o que tinha de fazer, disse-me para pegar nele,sentá-lo em cima da mesa e calçar os sapatos que estavam no saco.

tive de mexer em dois sacos, não sabia qual era o dele

sem que tivesse perguntado como foi o dia, ela informou-me que tinha corrido muito bem, que ele portou-se muito bem

a educadora viu-me, perguntou-me como estava eu, e confirmou que o menino portou-se muito bem neste primeiro dia de creche. e senti que elas estavam felizes com os meninos. 

trouxe-o a pé,por vezes ele queria colo,mas pesado que está,andei poucos metros com ele, todo o percurso foi de mão dada e a bater no balão do dia da criança, que eu segurava.

ao fim da tarde, ainda fui à Maia.

vejo dois capítulos da série que sigo, desligo o pc  tarde, deito-me cansada, durmo mal, acordo cedo.

hoje,fui à feira semanal, comprei coisas fixes: t-shirt, blusa,vestido,camisola, dois lençóis capa e um lençol de cima,com um folho, lindooo, tipo zara home.

já lavei tudo

vou buscar o menino à creche, a mãe está em teletrabalho.

 

dois meses e meio depois

fui ao centro da cidade.

saíde manhã para ir à loja Via Verde, está fechada neste tempo de coronavírus, foi hoje o dia de me aventurar ir ao centro da cidade.

a esplanada da Brasileira estava composta,  entrei numa sapataria para comprar umas sandálias para usar na condução quando vou à praia, passei na Mango, queria ver vestidos, também para praia, mas não vi nada que me interessasse,.

depois passei na Zara,não havia fila ( acho que quando abriu, a fila era  grande demais) dei várias voltas à loja, vi alguns vestidos que gostei,mas não trouxe nenhum, comprei t-shirts

adorei a nova forma como adaptaram os suportes decabides e as mesas das roupas à decoração da loja que fazem as peças ficarem mais visíveis, deixa de haver a confusão de sempre

verifiquei que muitas pessoas fazem o que eu faço:  observam e /ou tocam  na peça e tiram se for para levar paras os provadores

espero que este conceito se mantenha para sempre,odeio ver uma loja cheia de peças empilhadas, e também desarrumadas porque o clientte assim as deixou.

senti que as pessoas estão mais organizadas

 

 

 

o kit de limpeza

IMG_5449.jpg

Passei numa loja de artigos de desporto, ( numa troca de comentários com a Sara, pedi informação, sugeriu que perguntar numa loja) essencialmente da marca Adidas, perguntei se há alguma forma, ou produto, de/ para limpar o nubuck das sapatilhas, no caso, as minhas cor-de-rosa Stan Smith.

Foi-me mostrado um kit de viagem, todo xpto.

A menina abriu a embalagem, explicou como devia fazer, que as sapatilhas ficam perfeitas, que é caro mas compensa .

E trouxe.

Segui as intruções ... Contava que ficassem mais limpas.

Acho que vou ter de repetir o processo.

IMG_5446.JPG

antes

IMG_5455.jpg

depois

 

 

 

sem querer, poupei mais

Fui ao Continente comprar areia para a gata, e na loja Zu, alimento seco.

Tenho dois cupões de desconto, um para compras Continente, o outro para a loja Modalfa.

Encontrei nesta uma camisola às riscas,100% algodão, para os dias temperados desta estação.

Passei na peixaria, fui atendida com pouco tempo de espera, deram-me um aparelho que dá sinal para levantar o produto quando estivesse pronto. E esperei cerca de  trinta minutos. Já estava farta de esperar, não tinha mais compras para fazer enquanto o peixe era amanhado, no lugar de muitas pessoas deixava-o " esquecido", mas eu não faço isso, pacientemente, esperei.

Ainda questionei a funcionária que me explicou que o número que tinha no aparelho não tem nada a ver com a ordem de atendimento.

Uns minutos depois, lá senti o aparelho a dar sinal que podia levantá-lo.

Fui buscar a areia, e segui para a fila.

Já na caixa,mostro à funcionária o talão de desconto da Modalfa, diz-me ela:

- Este cupão só é utilizável nas lojas Modalfa.

Comentário meu:

- Mas a peça é da Modalfa.

- Sim, é. Mas não é válido aqui no hipermercado. Para ter o desconto, tem de ir a uma loja física, fora do hipermercado.

Óbvio que observei que era injusto porque na cidade não há loja, que para usufruir dele tenho de fazer vários quilómetros, não se justifica.

Muito simpática, perguntou-me se levava a peça. Trouxe-a porque gostei dela e está com um desconto ( mesmo que não estivesse, trazia-a).

Comentei que tenho de estar atenta aos cupões para que não volte a repetir o erro, pois já acontecera com uma peça Zippy para o meu sobrinho neto e não a trouxe porque o desconto era na loja.

Pensando no assunto, se as peças são da marca e vendidas no hipermercado, por que temos de ir à loja se o produto é o mesmo?!

Já em casa, fiz as contas.

Comprei a camisola com promoção, tive 3,90 de desconto. Se tivesse comprado na loja com desconto no cupão de 25% ,  seria de 3,25 euros.

Afinal, sem querer, poupei mais na compra da mesma peça, no hipermercado.

 

 

perdi os meus óculos de sol

que teriam 4 anos-

Há 2 anos que dizia que precisava de mudar ( tenho uns quantos há mais de 15 anos e todos de marca, porque não posso usar uns quaisquer óculos de sol das lojas de bijuteria)  mas gostava deles e eram intemporais, para mim, deixava para o ano seguinte mudar.

Na quarta-feira passara pelo centro comerial, queria ver nos saldos os  tops de biquinis para conjugar com uma cueca que comprei no ano passado e na altura não havia o top igual.

Os que experimentei estavam um pouco largos, saí da loja, passei noutras lojas, que não tinham a cor que queria, fui à Primark.

Muita confusão, peças que caíam ao chão que as pessoas não apanhavam, contrariamente ao que eu faço, encontrei a cor que queria, fui ver mais umas peças de praia, quando reparo que não tenho os óculos de sol ( detesto pô-los na cabeça, costumo prendê-los ao decote do vestido ou da camisola, sinto-os mais seguros), volto à secção dos biquinis, procuro, não  os encontro.

Perto deste sector estavam duas funcionárias, comuniquei o que aconteceu e perguntei qual o balcão ou serviço onde me dirigir, no caso de  alguém os entregar. 

Antes e depois de ir aos provadores, passei no balcão, não estavam lá, pediram-me para passar mais tarde. Perguntei se podia telefonar no dia seguinte, o que fiz, mas a resposta foi a mesma " ninguém entregou os óculos".

Decidi passar pela primeira loja que entrara ( lembro-me de ter pegado neles) não fosse estar enganada e tê-los deixado lá, mas também não estavam.

Óculos perdidos,há que comprar outos, não passo sem eles.

Ontem, passei numa óptica com artigos de fábrica, e bons preços,  experimentei 3 ou 4, não comprei nada sem ter a opinião da Sofia ( cliente desta loja).

No final da tarde, passamos pela loja. Depois de experimentar modelos diferentes (não tenho um rosto que quaisquer óculos fiquem bem, ponho defeitos em tudo, habituei-me a usar o mesmo modelo) fiquei na dúvida entres dois, e com a opinião da técnica, também a ajudar,  trouxe um modelo trendy, como os da imagem, com armação em castanho.

gafas-de-sol-ray-ban-137522193.jpg

 

Finalmente, saio da zona de conforto, comprei uns óculos de sol diferentes.

 

coisas do meu dia

IMG_20180507_190200.jpg

 

Há três anos, uma amiga ofereceu-me, no aniversário, um fio com pendente da árvore da vida com brilhantes. 

Decidi mudar o fio deste, passei na ourivesaria para o substituir por um fio dourado para fazer conjunto com o fio com pendente cruz ( na imagem) que recebi no Natal passado.

Fui atendida por um dos donos, presumo que irmão do senhor que habitualmente me atende,  um senhor que andará pelos 70 anos, que não me lembro de o ver por ali.

Não havia fios finos dourados que servissem no pendente, estivemos a ver a medida que eu pretendia.

Ora,  nos cerca de 10 minutos que estive na loja, o diabo do homem, que eu não conheço, tratou-me sempre por tu.

- Ah, e tal, vê a medida deste, experimenta o que tenho aqui, olha esse serve-te, eu mando vir o que quiseres, quinta-feira já tens o fio, deixa ficar o pendente que trato disso, queres estas bolinhas no fio...

Eu, lixada, para não dizer fº*#ª@, farta da conversa dele, desta modernice de nas redes sociais as pessoas tratarem-se por tu, pensava para mim mesma "é preciso ter lata! o homem não enxerga que está a atender uma cliente que não conhece? e mesmo que conhecesse, se o trato de senhor tinha obrigação de o fazer da mesma forma"

O sócio (irmão???) e o filho, que sempre me atenderam  com simpatia e nunca me trataram desta forma, na outra ponta do balcão, ouviam a conversa e, certamente, não estariam a  gostar desta forma de tratamento.

Repito, eu não me lembro de ver aquela pessoa pela loja, e se não fosse por que me pareceu andar pelos 70 anos, reagia.

Sou apologista deste tipo de tratamento quando há confiança, respeito e empatia, doutra forma, não admito, nem eu altero o meu comportamento.

Fui educada desta forma, nada há a fazer.