Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

cantinho da casa

cantinho da casa

o "Refúgio"

e continuo com as minhas fotos de Domingo.

IMG_20210103_140449.jpg

Passei há dias na Capela de Nossa Senhora de Guadalupe, sita na rua onde vivi, era eu criança.

Subii e descia as escadas da rua de Guadalupe. O muro que separava as pequenas casas das escadas, inclinado que era, servia de escorrega, muitas cuecas rasguei a descê-lo.

Nas noite quentes de Maio, íamos à novena, criança que era, por vezes levava aquela celebração para a risota,a minha mãe castigava-me, e nos dias que se seguiam estava quieta a ouvir rezar o terço, ai se algum gesto fizesse!

Tenho boas recordações daquele lugar.

Tinha visitado a capela em  2017,. Soube que, recentemente, por trás da capela, foi erguida uma construção a partir de resíduos industriais, o metal, e no interior, a vermelho, o têxtil.

Deram-lhe o nome de "Refúgio" .

Da autoria do artista Lorenzo Bordonaro, a forma  da estrutura, base e tecto, tem a leitura de dois ícones da cidade: o Mosteiro de Tibães e os Escadórios do Bom Jesus.

IMG_20210103_140834.jpg

IMG_20210103_140528.jpg

IMG_20210103_140553.jpg

IMG_20210103_140604.jpg

IMG_20210103_140619.jpg

IMG_20210103_140659.jpg

IMG_20210103_140723.jpg

IMG_20210103_140734.jpg

IMG_20210103_140746.jpg

IMG_20210103_140759.jpg

IMG_20210103_140820.jpg

IMG_20210103_140904.jpg

A capela  está fechada à semana, abre ao Domingo para a celebração da Missa, é o seu exterior um espaço de arte e de lazer para os dias mais quentes.

 

 

leituras

Tenho uma admiração especial por Rodrigo Guedes de Carvalho.

No ano passado, na Feira do Livro de Lisboa, comprei um livro de sua autoria.

Gosto da história, cria algum suspense.

Mas habituada que estou a ver as notícias deste simpático homem, ler palavrões deixa-me surpresa.

Óbvio que na sua obra temos o escritor, não o jornalista.                                             

IMG_20200220_115723.jpg

 

                                                                                        

estás no cabeleireiro

tentas concentrar-te na leitura, uma cliente (nova no cabeleireiro) fala demais, tem um vozeirão que te incomoda.

Pousas o livro para conseguires arranjar concentração,  e ele cai ao chão...

Pegas nele, voltas à leitura, há um pequeno momento de silêncio.

O vozeirão volta, pegas no telemóvel e escreves este texto sem importância, mas que te faz arranjar coragem para voltares à leitura deste delicioso livro.

E o vozeirão continua...

IMG_20180526_091726.jpg

 

Obrigada

19179660_ZOJee.jpeg

 

à MJ pelo 1º desafio de leitura que lançou há dois anos," O Livro Secreto" que com sucesso e sem percalços de maior, e com novos leitores interessados, seguimos para a 2ª e longa edição.

No início de 2017, o número leitores duplicou, novos e bons livros viajam neste 2º desafio.

É com muito orgulho que faço parte deste 2º Grupo de leitores que se esforçam por cumprir a leitura do livro que chega às suas mãos, cada um com histórias que nos fazem rir, chorar, detestar, e que nos enchem a mente de conhecimento, de reflexões, de exemplos de vida.

Quero agradecer de forma especial a esta blogger, pela escolha do seu livro, cuja história me tocou de uma forma tão intensa, tão fundo no coração e na mente, tão cruel e verdadeira, tão cheia de luta e sofrimento, tão cheia de esperança.

Hoje, chorei. Chorei a cada queda, a cada viagem, a cada sofrimento, a cada vingança.

Hoje, chorei ao reencontro.

"A Outra Metade de Mim" é, sem duvida alguma, Brutalmente Belo, a frase de Publishers Weekly, que acompanha a capa deste livro da autora  Affinity Konar, publicação da Bertrand Editora.

Fevereiro, um novo mês, um novo livo, uma nova história.

Obrigada.

o livro do desafio

da MJ, que recebi este mês é o clássico português "Os Fidalgos da Casa Mourisca".

Ando a lê-lo, quero cumprir a leitura para o livro seguir outro destino, mas acontece que sempre que pego nele, e porque tenho dormido poucas horas nesta última semana, adormeço.

Esta noite deitei-me às 2h, tem sido a hora normal, porque me sento no sofá a ver um pouco de televisão, estaja ou não a dar programa que me agrade, adormeço. Acordo, entretanto, preparo-me para ler na cama, leio cinco, seis páginas e adormeço.

Há dias, procurei nas minhas prateleiras se tinha o livro, para o caso de não conseguir lê-lo até à data de envio. Tinha a certeza que constava das obras dos meus autores portugueses.

Procurei e não encontrei. De quando em vez, nas minhas arrumações, desfaço-me de alguns livros que não vejo grande interesse. Mas sei que não iria desfazer-me dos nossos autores. O mais provável é que tivesse emprestado e ficado sem ele, como os da colecção completa de Eça de Queirós, que me faltam três. Felizmente, em conversa com a Sofia, descobri que tinha levado para casa dois, mas com a minha autorização. E eu esquecera. Que alívio!

Há pessoas que têm um memória incrível, lembram-se de histórias passadas, contam-nas com orgulho como se as vivessem agora. Eu não tenho. Se há histórias que vivi que ficaram para sempre, outras há que não me lembro de nada.

Hoje de manhã acordei com frio, não conseguia adormecer, voltas e mais voltas na cama, o meu pensamento foi para o livro.  Li os clássicos todos, tinha a certeza que " Os Fidalgos da Casa Mourisca" existe na minha prateleira dos meus livros e do meu pai.  E veio-me à memória um livro velho,  cor-de-rosa, que quase garantia a mim mesma que era este.

Durante a manhã esqueci o assunto. Há pouco, vendo o livro do desafio, lembrei-me de o procurar de novo. Nos livros de colecção não estava, já tinha procurado antes, não tenho nada de Júlio Dinis. Numa das prateleiras onde estão os velhinhos dicionários de Português, de Latim, de Francês, que eram da minha irmã mais velha, lembrei-me que poderia estar juntos destes.

Lá estava ele. Sorri. A lombada rasgada e descolada.  Na primeira página está escrito o meu nome e morada ( algo que raramente registo). Talvez naquela altura tivesse mais cuidado em saber a quem emprestava os livros.

A edição não tem data, mas registado está : Nova Edição, conforme a segunda, actualizada na grafia. Trabalho do Dr. Egídio Guimarães, Bibliotecário-Arquivista. Livraria Cruz, Braga.

Não cumprindo o prazo na leitura deste livro do desafio da MJ, tenho o meu velhinho livro " Os Fidalgos da Casa Mourisca"  já na mesa de cabeceira para continuar a minha leitura.

IMG_20170630_145400_1CS.jpg

 

 

 

 

 

livro secreto - 2º desafio

O 1º Desafio de Leitura  do Livro Secreto que em 2015 a MJ lançou no seu blog e agora? sei lá!, correu bem. Tão  bem, que se aventurou na organização do 2º desafio e convidou-nos para mais uma aventura  do mundo fascinante da leitura. E ainda tão bem, que o número de participantes, treze no 1º desafio, passou para vinte e sete, neste ( vejam a lista abaixo).

O primeiro livro que recebi, do 2º desafio, «As Gémeas de Gelo» chegou há 15 dias. Uma história emocionante,  li-o à noite em poucos dias. Acabada a leitura, está pronto a seguir viagem para outro destino.

A MJ fez a lista dos livros deste desafio ( o trabalho é todo seu)  sugeriu, entretanto, isto:

«...quem quiser este mês escrever nos seus blogs por que motivo escolheu enviar aquele livro em especifico sinta-se à vontade...»

 

17039228_380453452324468_1598724884017587535_o.jpg

 

Vinte e sete livros que vão andar de casa em casa dois anos e três meses. Muito tempo!  Uma viagem que vai correr bem, com certeza.

Tinha três livros na mira, todos de autores portugueses.

Nos dias que correm, fala-se muito de animais, do abandono e maus tratos que sofrem dos seus donos, da protecção que lhes devemos, de fazerem parte da nossa família.

Nunca pensei adoptar um animal. Há seis anos, adoptei a Kat. Tinha um mês de vida.

Desde então, a minha dedicação e preocupação têm sido intensas.  Gosto de a ver feliz. Gosto de a ver correr pela casa. Gosto que ela me acorde para lhe dar de comer, de manhã cedo. E falo com ela. E fico contente quando vem esperar-me à porta, quando entro em casa. E quando ela quer sentar-se na mesa para receber o sol que entra pela sala.

E fico preocupada quando vou de viagem. E ligo a saber como ela está. Se comeu. Se está triste. 

Então, na procura de livros de autores portugueses, encontrei um que  lera há pouco mais de um ano. E lembrei-me que seria um excelente livro para dar a conhecer, ou relembrar, o maravilhoso conto de histórias do mundo dos animais com o mundo humano. Animais que compartilham com  os homens a desgraça: o sofrimento, as injustiças, a traição; e a esperança: os desejos e ambições. Animais que pensam e falam como seres humanos.

«Bichos» de Miguel Torga, foi o livro que escolhi para esta viagem de dois anos.

 

bichos 1-tile.jpg

 

os livros do 2º desafio de leitura

da MJ, já andam de casa em casa e desta vez o número de bloggers participantes é maior.

Metade das páginas do primeiro livro deste 2º desafio está lido. 

Uma história cativante, que eu não vou contar porque não gosto, mas  deixo dois pequenos fragmentos ...

 

« Caminhamos de mão dada pela rua. O Angus aperta com força a minha mão.

  Este ano, pegou-me muitas vezes na mão: pegou na minha mão quando eu estava na cama a chorar, infindavelmente e sem uma só palavra, noite após noite; pegou na minha mão desde o princípio até ao fim do aterrador funeral da Lydia, desde o Eu sou a ressurreição e a vida até Que estejas connosco eternamente.

Ámen.»

 

« Faço um esforço, mas não consigo lembrar-me. O ano passado foi uma névoa de dor: mudou tanta coisa que pouca atenção prestei ao Beany. Portanto, o que é que aconteceu? É possível que o cão esteja de algum modo em sofrimento? Um animal pode sentir fazer o luto? Ou é outra coisa, algo pior? »

 

Sem Título.png

 

Leio à noite até o sono chegar. 

Mas a vontade de o ler até ao fim, é demais.