Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



parece-me que hoje

por Maria Araújo, em 19.01.18

foi o dia de ver coisas caricatas.

De manhã, no ginásio, foi isto.

Depois do ginásio, passei pelo Lidl para  fazer algumas pequenas compras habituais de artigos de limpeza.

Passei pelo pão, e deparo-me com uma boa quantidade de sacos e luvas caídos no chão.

Não consigo perceber como é que as pessoas tiram os sacos sem que venham uns quantos juntos e caiam no chão, que não os apanhem e os deixem de lado, quiçá, entreguem ao funcionário desta secção.

Ok! A pessoa tem de se baixar para os tirar, mas se estivessem à mão, a coisa seria igual.

O que faço para tirar um? Baixo-me, com uma mão amparo os sacos e com a outra tiro o que está em cima. E com as luvas faço a mesma coisa. 

 

Hoje de tarde, passei pelo cemitério, e de seguida voltar ao  Ikea para comprar o outro candeeiro de mesa de cabeceira, que escrevi nestes post.

A caminho deste, com um sol tão bonito, antes de entrar na loja, subi ao terraço do centro comercial para tirar umas fotos ao pôr-do-sol.

Depois disto, entrei no Ikea e fui lanchar. Vou para a fila, peguei num tabuleiro. Mais à frente, estavam os pratos de seobremesa, peguei num, escolhi um rolinho de canela. Na caixa pediria um pingo ( 0,50 €  por um bolo e um pingo ????). 

Ora estava eu na pequena fila para escolher o bolo, vejo uma rapariga que teria 30 e poucos anos que vem do lado contrário à fila, mete-se à  frente do casal que estava à minha frente, com a mão pega em algo que me parecia  ser um pão com chouriço, vira costas e vai para a caixa  pagar.

Olhei para ela, estupefacta. Pego nas pinças para tirar o bolo que escolhi, eis que a vejo, agora à minha frente, põe o dito alimento no sítio, comenta qualquer coisa para si própria, passa por trás de mim, presumo que para escolher um croissant.

Vou para a caixa, o funcionário estava a atender o casal, pediu-me que esperasse um pouco. De repente,  a menina  aparece do outro lado da caixa, fica atrás do casal( presumi que fosse familiar do casal, mas não era)  trazia na mão, o que me parecia ser o pão com chouriço. Caramba, tinha pousado o pão no tabuleiro e voltou de novo com ele na mão?

Quando me preparo para pagar, ela saca do dinheiro, paga e vai embora.

Não fiquei minimamente chateada por ter passado à minha frente. O que não gostei foi de a ver pegar o que escolhera, com a mão.

E eu fiquei parva porque acho que ela não atingiu nada do que fez. Ou esqueceu-se que há tabuleiros, pratos, guardanapos de papel, para se servir.

 

 

 

 

Início

Autoria e outros dados (tags, etc)

"Ai, que mãos tão geladas!"

por Maria Araújo, em 29.11.17

Fui visitar a minha amiga Alice.

Durante o Verão, prometera a mim mesma visitá-la, mas o calor, com o qual não me dou, fazia-me ficar em casa, adiava constantemente.

Quando abriram a porta surge ela,  rosto sorridente. Estava, hoje, nos dias normais.

Uma das nossas amigas dissera-me que um dos dias que a visitou ela estava muito abatida, nem parecia a Alice que estamos costumadas ver.

Abracei-a e dei-lhe um beijo. Perguntei-lhe quem era eu. Nenhuma das vezes que o fiz ela disse o meu nome. Hoje, era o da minha irmã que ela tinha na mente.

Descemos os corredores daquela Casa de Saúde. A minha intenção era darmos um passeio pelos jardins, apesar do frio que fazia, mas agasalhadas que estavamos, superaríamos, pensei... e mal.

Há um café  na Casa de Saúde. É hábito os familiares levarem os "doentes" para um lanche. Havia-o feito com a Alice a primeira vez que lá fui, e porque apareceram mais duas amigas juntamo-nos e lanchamos com ela.

Das outras vezes, ela dissera-me que tinha lanchado, não queria nada ( sempre que lá vou, ofereço uns chocolates ou biscoitos).  Descíamos, então, os corredores até que junto à porta do café, ela a meu lado , mete-se à minha frente para entrarmos.

Percebi que queria comer. Escolhemos uma mesa, perguntei-lhe se queria lanchar.

Nunca disse que sim. O sim dela era encolher os ombros, emitir algumas palavras inacabadas.

Eu dizia leite, sumo, bolo, ao mesmo tempo que apontava para o balcão onde se viam os sumos.

Um prato com um bolo de laranja, caseiro, em cima do balcão, destacava-se dos bolos de pastelaria menos apetitosos e convidativos.

Ela quis uma fatia de bolo e um sumo.

Enquanto a funcionária preparava o lanche, eu, de pé, tentava que ela falasse alguma coisa, até que  afago-lhe o rosto e : " Ai, que mãos tão geladas!". Foi a única frase completa que saiu da sua boca.

Veio o lanche. Ia comendo de uma forma que me pareceu inquieta. Partia pedaços grandes da fatia de bolo, mãos um pouco trémulas,  metia-o à boca, comia sem proferir uma palavra. Deixei-a comer sossegada.

Pegava no pacote de sumo, que segurava mal, percebi que tinha alguma dificuldade em levar a palheta à boca. Perguntei-lhe se queira um copo, dizia que não. De repente, ela agita o pacote e percebe que ainda tem sumo, mas não consegue sorvê-lo. Delicadamente, tirei-o da mão e reparei que com as trémulas mãos tirara a palheta e metera-a ao contrário: a parte mais comprida fora do pacote. Pus direita. Bebeu o sumo todo.

Pensei para os meus botões " Será que também tem Parkinson?"

De quando em vez, perguntava quais as actividades que fazia. Se pintava,  se desenhava.  Vendo as suas unhas pintadas, perguntei se fora ela que as pintara. Ou dizia que não, ou não conseguia completar as frases.

Às tantas, aponta para a minha camisola, com um tira em malha na gola, perguntei se gostava dela e se era bonita.

Respondeu que sim.  E comento eu de imediato: " Eu também sou bonita".

Em uníssono, saiu-nos uma gargalhada. Fez-me bem esta sua gargalhada.

Decide levantar-se. Estava a parecer-me de novo inquieta.

Fomos até ao jardim. O vento era muito frio. Subimos os fechos dos nossos casacos.

Ela não estava a aguená-lo, tosse um pouco e diz " Tenho tosse!" Está frio".

Fomos  para o corredor onde fica a sala dela, sentámo-nos a ver e ouvir as senhoras  que por lá andam, também.

A funcionária veio ter connosco, entreguei-lho os biscoitos . E soube que a Alice lanchara antes de eu chegar.
"Lanchou duas vezes", comenta a funcionária. E pergunta-lhe: 

" Esta senhora é irmã?"

A Alice olhou para mim. Não soube responder.

Respondi que era  uma amiga. 

Ela repetiu a palavra "amiga" e quando a funcionária lhe perguntou o meu nome, voltou a olhar-me e disse o nome da minha irmã.

Ela vai dizendo alguns nomes das amigas ou família que se lembra no momento, nada mais que isto.

A funcionária comentou que a minha amiga é muito educada, limpa, boa pessoa. Por vezes anda deprimida, vai-se abaixo, não consegue comunicar com as outras pessoas. Assusta-se com tudo e tem medo.

A grande amiga da Alice, mais que uma irmã de sangue, telefonou para a Casa de Saúde a pedir que, amanhã, a vistam bem porque vai buscá-la para sair.

Além da família, esta amiga é a única pessoa que tem autorização para levar a Alice a almoçar ou passear.

17horas, despedi-me. Ela ria-se.

E prometi voltar dentro de 15 dias.

 

Início

Autoria e outros dados (tags, etc)

enquanto eles estiverem cá

por Maria Araújo, em 14.01.17

não me canso de falar deles.

IMG_20170114_173331.jpg

Fomos lanchar. Os meninos, nas suas trotinetes, não dão trabalho porque não estamos constantemente a dizer " vem António! olha que cais, Francis", ou o " é por aqui" e eles dizem " não quero!"

Com as trotinetes só temos de estar atentas ao piso, porque eles têm um "pedal" para andar nelas! E com alguma velocidade.

E com o pequeno, destemido que é, não há mãos que o detenham.

IMG_20170114_173420.jpg

Tenho pena que a sobrinha neta luso-irandesa estivesse cá por pouco tempo. Gostava muito de  a ter por perto e de a ver brincar e conviver com os primos.

 

 

Início

Autoria e outros dados (tags, etc)

o lanche

por Maria Araújo, em 18.08.16

 

IMG_20160818_174034.jpg

 

Em direto da Mercearia da Vila (uma das ótimas sugestões  para comer em POnte de Lima, do famoso Casal Mistério), o lanche de hoje consta de pão rústico com presunto, queijo, tomate e rúcula.

Logo não há jantar.

IMG_20160818_174514.jpg

DSC01856.JPG

 

 

Início

Autoria e outros dados (tags, etc)

hoje foi dia de lanche

por Maria Araújo, em 07.07.16

em casa de uma colega, um jardim para desfrutar, a piscina convidava ao banho (não levei biquini),uma mesa cheia de tudo, conversa animada, a surpresa de uma colega reformada há alguns anos que nunca mais vi e a visita de uma ex-colega cujo marido, brasileiro, reformou-se, ela deixou o emprego e foram viver para o Brasil, passando férias de verão na sua casa dae aldeia perto de Póvoa de Lanhoso.

Uma tarde super bem passada.

Amanhã é dia de almoço com dois queridos bloggers: coisas da fonte e A

DSC01206.JPG

DSC01227.JPG

DSC01231.JPG

DSC01241.JPG

IMG_20160707_190701.jpg

IMG_20160707_191608.jpg

 

 

 

Início

Autoria e outros dados (tags, etc)

Antes de deixarmos o espaço do Festival de Jardins, fizemos a nossa votação do jardim que mais gostamos e, coincidência, conheci e fotografei uma das projetistas do jardim eleito por nós, o "Reflexos Infinitos", da Áustria.

ponte lima 083.JPG

Fomos em direção ao centro da vila para um lanche num dos lugares mencionados pelo Casal mais "in" da blogosfera.

Antes de meter carro à estrada, consultei o blog deste simpático e muito bem informado Casal, pois não me lembrava do nome desse lugar, que não é um restaurante, mas uma mercearia, conforme aqui transcrito:

O ambiente 

A Mercearia da Vila é uma antiga mercearia com mais de 100 anos, totalmente restaurada. O balcão e os armários são anteriores a 1906, as balanças são autênticas relíquias e até o moinho de café antigo está exposto e restaurado. Dentro dos armários que cobrem todas as paredes da mercearia, há uma invejável colecção de brinquedos do tempo dos nossos avós: de carrinhos a aviões de corda, passando por caixas de música deliciosas. Nas paredes, há anúncios à papa Cérélac (do tempo em que ainda vinha numa lata) ou à "Novidade: a Super Farinha" Fortifex. Num canto, encontra um conjunto de latas, onde antigamente se guardava o chá, ou os magníficos chapéus de chuva de chocolate embrulhados em papel às cores."

 

E eis que nos aparece à frente a fazer canto numa pequena praceta, a Mercearia da Vila.

Entramos, quase na hora de fechar, estava apenas um casal com um bebé, fomos de imediato recebidos por um simpático casal de jovens.

ponte lima 126.JPG

Consultamos a lista, escolhemos sandes de presunto com queijo e rúcula ( a minha foi substituída por alface) e para beber, finos. Não arriscamos na sangria e/ou vinho ou champanhe porque eu conduzia e "se conduzir não beba".

Vieram as sandes para a mesa, um brinde à amizade e às saídas inesperadas, uma trinca na sande e eu, "alto aí que quero tirar fotografias!"

ponte lima 129.JPG

Quando o primeiro bocado de pão entrou na minha boca "ai, que delícia!" proclamaram as minhas papilas gustativas.

"Delicioso pão, delicioso presunto!"

Enquanto comíamos, observavamos a decoração do espaço, os brinquedos da infância, os guarda-chuvas de chocolate, a máquina de furos da Regina (que saudades!), enfim, foi o recordar da nossa infância.

ponte lima 122.JPG

ponte lima 120.JPG

Pensamos comer uma fatia de um dos muitos e variados bolos expostos no balcão mas já não aguentavamos mais nada, deixamos para uma próxima visita à Mercearia.

ponte lima 121.JPG

Pedimos a conta. A dona deste simpático lugar veio receber e foi então que nos disse que andava muito cansada  pois os dois jovens que nos serviram são estagiários.

ponte lima 134.JPG

ponte lima 140.JPG

 

Início

Autoria e outros dados (tags, etc)

Ela sabe o que faz

por Maria Araújo, em 05.01.15

Para começar o ano em forma e por que estive três meses e meio quase inactiva devido à fractura do pulso, tendo a permissão do ortopedista para fazer todo o tipo de exercícios, fui na passada sexta-feira fazer alguns exercícios de cárdio (fiquei com uma dor de pernas, mas passou), ontem fui caminhar cerca de 8 km e hoje, dia de o professor que fez o meu plano, estar no ginásio, decidi substituir a aula de Pilates pela de cárdio,  pois queria que ele me indicasse todos os exercícios de abdominais a fazer.

Fiz os exercícios nas máquinas, que já conheço, com o peso que ele marcava e eu reclamava que era demasiado alto e não aguentava, mantinha-se vigilante à minna performance. "Devagar, chego lá", dizia eu.

Depois disto,lá consegui fazer os abdominais ( custa, mas chego lá), marcou-me mais dez minutos de passadeira, dez de bicicleta e dez de step ( e eu com horas para fazer o almoço).

Estava eu no step quando veio perguntar-me se queria fazer 15 minutos de FLEX.

Já tinha feito ABS, mas FLEX, não. E fui.

Custa esticar as pernas! No body balance trabalhamos todas as partes do corpo e o equilíbrio e quando o professor aproxima-se de mim e puxa-me as pernas e dou um "ai, professor!", cheguei à conclusão que com os quatro meses sem o body balance, perdi flexibilidade.

Entretanto, já havíamos começado o FLEX, uma senhora com cerca de 65 anos, uma habitué do ginásio, cheia de genica, muito exercício, um corpo magro, perfeito, sai da aula de Pilates e entra no ginásio pega no tapete, estende a toalha em cima e acompanha-nos.

Num dos exercícios que tinhamos de esticar a perna com a toalha na ponta do pé e agarrada pelas mãos,  puxá-la e levar o pé o mais possível ao ombro, ouço o professor dizer "não é preciso tanto, isso é batota", olho para o meu lado direito e vejo a senhora com a perna completamente esticada e o pé juntinho ao ombro.
"Bolas!" comentei. E os cavalheiros riam-se e "ficavam cheios de inveja" porque, como eu, não chegavam lá.

Excelente desempenho, o da senhora.

Acabados os 15 minutos de FLEX, comentei com a senhora e o professor "a senhora tem uma flexibilidade fantástica!"

E diz o professor : "são muitas horas de ginásio, muito treino. Um intervalo, come uma banana, volta ao ginásio, faz outro intervalo, come um iogurte. Ela sabe o que faz" (na verdade, cumpre as regras da nutrição, pois a senhora leva um bom lanche para o ginásio e vai comendo, como eu devia fazer, regras da nutricionoista, e hoje esqueci-me de o levar) e continuou: "E tu, uma hora no ginásio, todos os dias, vais ver como ficas como ela". (ahahahaha,)

Lá fui fazer mais 6 minutos de bicicleta, o tempo urgia para vir fazer o almoço e lá estava ele, o professor, a controlar-me : "Vá, vai embora, por hoje é tudo".

Mas que gostei, gostei. Nem dou conta de o tempo passar (tenho de começar a levantar-me mais, se possível  para ir a pé e enquanto o tempo estiver de sol,  para o ginásio).

 

Início

Autoria e outros dados (tags, etc)


foto do autor



o meu instagram


1º desafio de leitura - 2015 2º desafio de leitura - 2017 3º desafio de leitura - 2019

desafio


10 anos




Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2012
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2011
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2010
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2009
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2008
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D


Encontros - eu fui

IMG_2230 (2).JPG MARCADOR