Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Cantinho da Casa

Cantinho da Casa

os nossos Atletas nos Jogos Olímpicos

Maria Araújo, 05.08.16

 

DSC01668.JPG

 

O Euro ainda está no espírito cá de casa, está a fazer um mês que sofremos e vibrámos com a nossa Seleção e com os Atletas que, nesse dia e durante "dourado"   e glorioso mês de julho nos fizeram ter mais orgulho no nosso país e acreditar que, com esforço e confiança, podemos ser tão bons quantos os outros desportistas dos vários cantos do mundo.

Findo o Euro, foram guardados o cachecol e o lenço (usava-o no pulso sempre que a seleção jogava) mas deixei a bandeira na varanda. Tinha comentado com os amigos e família que ficaria lá enquanto tivéssemos Atletas no decorrer dos Jogos Olímpicos.

A empregada achou estranho não a ter tirado, comentei: " fica aí, temos os Jogos Olímpicos no Rio de Janeiro que, e com muito orgulho,  vai ser em Portugês, a nossa língua vai ser ouvida em todo o mundo, tirarei de lá quando os Jogos acabarem".

Desde que o Euro acabou que no quarteirão  não se vêem bandeiras nas varandas e/ou janelas. Nas ruas por onde passo, vou vendo uma ou outra esquecida, ou deixada lá com a mesma intenção: os nossos Atletas estão nos Jogos Olímpicos ( e já temos um ganho no jogo de futebol de ontem) merecem tanto ou mais apoio quanto a Seleção, pelo que fica ali, e muito bem, até ao final das Olímpiadas, em português.

 

"Ó professor..."

Maria Araújo, 27.01.15

sem nome.png

Terça-feira, o dia que não costumo ir ao ginásio.

Ficar em casa é para me perder aqui no computador e nem sempre tenho paciência para isto, além de que me canso.

Hoje de tarde, decidi ir à aula de Zumba.

Quando a música/dança acaba, o professor explica os passos da música que vem a seguir. Numa delas, diz uma senhora, assídua em todas as modalidades: "Ó  professor, essa música não. Ninguém gosta dela. É muito movimentada, barulhenta, não ponha essa música."

O professor justificava que nem todas as pessoas gostam de música latina, outras de hip hop, por isso seria normal muitas outras não gostarem da dita.

A senhora, que tem um vozeirão que mexe o ginásio, insistia para não pôr a música.

De repente, uma jovem que eu nunca vira por lá, diz : "Professor, ponha essa música. É ela que me faz vir".

Eu desato a rir, como todas as que ouviram e comenta a senhora  do vozeirão: " a língua portuguesa é que nos leva a estas malícias. A moça disse isto com naturalidade" e  diz ao professor "pronto professor, ponha lá a música que faz vir esta menina".

Não era ainda a vez da dita música. Depois de duas coreografias, lá veio ela... É, de facto, barulhenta, movimentada, tem muitos saltos, mas é DEMAIS!

 

745 - E-mail...

Maria Araújo, 13.09.10

Enquanto aguardo uma renunião com os Encarregados de Educação:

 

 

SERA QUE O "SIGNIFICA DIZER" QUE MUITOS DOS NOSSOS INTELECTUAIS E RESPONSAVEIS USAM COM FREQUENCIA ESTA NO MESMO GRUPO DAS TAUTOLOGIAS?

No meu tempo isto chamava-se PLEONASMO

NOTE QUE ISTO FOI  ESCRITO POR ALGUÉM BRASILEIRO, TÁ?... MAS ESTÁ CORRECTO. (EU NÃO ADERI AO ACORDO ORTOGRÁFICO).

 

APRENDA O CORRETO:

 

E a gente pensa que repete corretamente os ' ditos populares'

Dicas do Prof. Pasquale:

 

No popular se diz: 'Esse menino não pára quieto, parece que tem bichocarpinteiro' "Minha grande dúvida na infância... Mas que bicho é esse que é carpinteiro, um bicho pode ser carpinteiro???"

Correto: 'Esse menino não pára quieto, parece que tem bicho no corpo inteiro' "Tá aí a resposta para meu dilema de infância!"  EU

NÃO SABIA. E VOCÊ?

 

Batatinha quando nasce, esparrama pelo chão.'

Enquanto o correto é: ' Batatinha quando nasce, espalha a rama pelo chão.' "Se a batata é uma raiz, ou seja, nasce enterrada, como ela se esparrama pelo chão se ela está embaixo dele?"

 

'Cor de burro quando foge.'

O correto é: 'Corro de burro quando foge!'"Esse foi o pior de todos!

Burro muda de cor quando foge??? Qual cor ele fica??? Porque ele muda de cor???" 

 

Outro que no popular todo mundo erra:'Quem tem boca vai a Roma.'

"Bom, esse eu entendia, de um modo errado, mas entendia! Pensava que quem sabia se comunicar ia a qualquer lugar!"  O correto é: 'Quem tem boca vaia Roma.' (isso mesmo, do verbo vaiar).

 

Outro que todo mundo diz errado,

'Cuspido e escarrado' - quando alguém quer dizer que é muito parecido com outra pessoa.

O correto é: 'Esculpido em Carrara.' (Carrara é um tipo de mármore)

 

Mais um famoso.... 'Quem não tem cão, caça com gato.' "Entendia também, errado, mas entendia! Se não tem o cão para ajudar na caça o gato ajuda! Tudo bem que o gato só faz o que quer, mas vai que o bicho tá de bom humor!"

O correto é:'Quem não tem cão, caça como gato.... ou seja, sozinho!'

 

  Vai dizer que você falava corretamente algum desses?????

 

As armadilhas da língua.  

 

Tautologia é o termo usado para definir um dos vícios de linguagem. Consiste na repetição de uma idéia, de maneira viciada, com palavras diferentes, mas com o mesmo sentido. O exemplo clássico é o famoso 'subir para cima' ou o 'descer para baixo'. Mas há outros, como você pode ver na lista a seguir:

- elo de ligação

- acabamento final

- certeza absoluta

- quantia exata

- nos dias 8, 9 e 10, inclusive

- juntamente com

- expressamente proibido

- em duas metades iguais

- sintomas indicativos

- há anos atrás

- vereador da cidade

- outra alternativa

- detalhes minuciosos

- a razão é porque

- anexo junto à carta

- de sua livre escolha

- superávit positivo

- todos foram unânimes

- conviver junto

- fato real

- encarar de frente

- multidão de pessoas

- amanhecer o dia

- criação nova

- retornar de novo

- empréstimo temporário

- surpresa inesperada

- escolha opcional

- planejar antecipadamente

- abertura inaugural

- continua a permanecer

- a última versão definitiva

- possivelmente poderá ocorrer

- comparecer em pessoa

- gritar bem alto

- propriedade característica

- demasiadamenteexcessivo

- a seu critério pessoal

- exceder em muito .

 

Note que todas essas repetições são dispensáveis.

Por exemplo, 'surpresa inesperada'. Existe alguma surpresa esperada?  Claro que não.

Gostou?

Para os amigos amantes da língua portuguesa