Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



a propósito da idade de Hillary Clinton

por Maria Araújo, em 13.09.16

transferir (2).jpg

 

no título da notícia de hoje de manhã, lia-se a palavra idosa e a idade, 69 anos no próximo mês de outubro, fez-me lembrar uma pequena conversa que tive há cerca de um ano com um dos meus irmãos e que disse mais ou menos isto: " Eu não me considero um idoso. Quando ouço as notícias, " Um idoso de 60 anos... " ou se tiver mais um ou dois anos  "Um sexagenário...", pergunto: "Como é possível nos dias de hoje considerar-se idosa uma pessoa de 60 anos?! Tenho 61, sinto-me bem, sou produtivo, não  me considero idoso, não me vejo ainda como uma pessoa de terceira idade.  Penso que se um dia perceber que estou a ficar cansado, que as minhas faculdades mentais não são as mesmas, saio do activo e aceito ir para um lar se for necessário. Hoje, uma pessoa com mais de 60 anos tem uma vida social dinâmica, participa em atividades desportivas, culturais, sabe trabalhar num computador. Não é um velho."

Ora, um dia destes, recebi um interessante artigo escrito por um autor desconhecido que utilizou uma nova palavra, que gostei demais, para os homens e as mulheres com idade entre os 60 e 70: os  sexalescentes.

Diz então o texto:

 

"Se estivermos atentos, podemos notar que está a surgir uma nova faixa social, a das pessoas que estão em torno dos sessenta/setenta anos de idade, os sexalescentes – é a geração que rejeita a palavra “sexagenário”, porque simplesmente não está nos seus planos deixar-se envelhecer.

Trata-se de uma verdadeira novidade demográfica – parecida com a que, em meados do século XX, se deu com a consciência da idade da adolescência, que deu identidade a uma massa jovens oprimidos em corpos desenvolvidos, que até então não sabiam onde meter-se nem como vestir-se.

Este novo grupo humano, que hoje ronda os sessenta/setenta, teve uma vida razoavelmente satisfatória.

São homens e mulheres independentes, que trabalham há muitos anos e que conseguiram mudar o significado tétrico que tantos autores deram, durante décadas, ao conceito de trabalho. Que procuraram e encontraram há muito a actividade de que mais gostavam e que com ela ganharam a vida.

Talvez seja por isso que se sentem realizados… Alguns nem sonham em aposentar-se. E os que já se aposentaram gozam plenamente cada dia sem medo do ócio ou solidão. Desfrutam a situação, porque depois de anos de trabalho, criação dos filhos, preocupações, fracassos e sucessos, sabe bem olhar para o mar sem pensar em mais nada, ou seguir o voo de um pássaro da janela de um 5.º andar…

Neste universo de pessoas saudáveis, curiosas e activas, a mulher tem um papel destacado. Traz décadas de experiência de fazer a sua vontade, quando as suas mães só podiam obedecer e de ocupar lugares na sociedade que as suas mães nem tinham sonhado ocupar.

Esta mulher sexalescente sobreviveu à bebedeira do poder que lhe deu o feminismo dos anos 60. Naqueles momentos da sua juventude em que eram tantas as mudanças, parou e reflectiu sobre o que na realidade queria.

Algumas optaram por viver sozinhas, outras fizeram carreiras que sempre tinham sido exclusivamente para homens, outras escolheram ter filhos, outras não, foram jornalistas, atletas, juízas, médicas, diplomatas… Mas cada uma fez o que quis: reconheçamos que não foi fácil e, no entanto, continuam a fazê-lo todos os dias.

Algumas coisas podem dar-se por adquiridas.

Por exemplo, não são pessoas que estejam paradas no tempo: a geração dos “sessenta/setenta”, homens e mulheres, lida com o computador como se o tivesse feito toda a vida. Escrevem aos filhos que estão longe e até se esquecem do velho telefone para contactar os amigos – mandam e-mails com as suas notícias, ideias e vivências.

De uma maneira geral estão satisfeitos com o seu estado civil e quando não estão, não se conformam e procuram mudá-lo. Raramente se desfazem em prantos sentimentais.

Ao contrário dos jovens, os sexalescentes conhecem e pesam todos os riscos. Ninguém se põe a chorar quando perde: apenas reflecte, toma nota, e parte para outra…

… Os homens não invejam a aparência das jovens estrelas do desporto, ou dos que ostentam um ternoArmani, nem as mulheres sonham em ter as formas perfeitas de um modelo. Em vez disso, conhecem a importância de um olhar cúmplice, de uma frase inteligente ou de um sorriso iluminado pela experiência.

Hoje, as pessoas na década dos sessenta/setenta, como tem sido seu costume ao longo da sua vida, estão estreando uma idade que não tem nome. Antes seriam velhos e agora já não o são. Hoje estão de boa saúde, física e mental, recordam a juventude mas sem nostalgias parvas, porque a juventude ela própria também está cheia de nostalgias e de problemas.

Celebram o Sol em cada manhã e sorriem para si próprios… talvez por alguma secreta razão que só sabem e saberão os que chegam aos 60/70 no século XXI! "

 Autor não identificado.

 

Perante estas palavras, Hillary Clinton não é a candidata idosa a Presidente dos EUA. Ela é uma sexalescente . Apesar da pneumonia que lhe foi diagnosticada, que a deixa fragilizada, e oxalá não seja um obstáculo à sua candidatura, ela está a estrear uma idade que não tem nome. 

Por isso, senhores da comunicação social, quando se tratar de uma notícia de alguém nos 60tas, quer passe no rodapé, quer seja lida no teleponto, e pego no texto, informem assim: " autor sexalescente, não identificado, escreveu um artigo sobre uma  nova faixa social que rejeita a palavra sexagenário".  

Nós agradecemos.

Vejam só:

(Eu, Henrique Salles da Fonseca, também sou sexalecente pois tenho 70 anos, recebi este admirável texto por e-mail e publico-o no meu blog que já tem 12 anos. Sim, tenho muito mais que fazer do que carpir)

Início

Autoria e outros dados (tags, etc)

Pessoas grosseiras

por Maria Araújo, em 10.03.15

fin.png

 

Quando vais às finanças e esperas tranquilamente a tua vez, ouves do teu lado as críticas ao número de funcionários, três, ao balcão para atenderem os contibuintes que entregam as suas declarações em papel, tu dizes "temos de ter paciência" e quando ouves um idoso contar, num tom de voz alto demais, toda história da sua vida à funcionária que está a tratar do seus papeis e precisa de se concentrar e lhe diz "vá passemos à frente, tenho muitas pessoas à espera" e  ele interrompe-a para mais um acontecimento que viveu na tropa, inclusive que teve 19 em educação física e blá,blá,blá, de repente, o senhor que está sentado ao teu lado diz "chega de conversa, vá para o tasco contar as suas historiais, f&"*@-se", tu murmuras baixinho para ter calma, e ele te responde "f&*@-se, há aqui muita gente para atender, e ela que o despache", calas-te e não dizes mais nada,não vá armar a confusão num lugar público onde se vê todo o tipo de pessoas e não sabes o que te pode esperar e vês o idoso a olhar sorridente para todos e dizer "desta já estou livre" .

Início

Autoria e outros dados (tags, etc)

Os idosos

por Maria Araújo, em 29.11.13

A propósito desta notícia , ontem de manhã, fui ao mercado municipal, onde nos passeios circundantes há uma mini feira(os venderores de origem cigana, são em maioria) com artigos de grande utilidade a bom preço.

Fui descendo o passeio onde costuma haver o que me interessa comprar: camisolas e malhas polares.

Parei numa bancada com malhas polares de variadas cores. Perguntei o preço: 10 euros.

Aproveitei (tinha comprado este por 19,99 euros) e comprei o único M da cor que mais gostei.

Continuei a minha procura nalguma pechincha interessante (não compro só porque é pechincha) e encontrei. Uma cigana apregoava: " hoje é tudo a 2 euros". Uma montanha de camisolas de várias  marcas ali à mão das carteiras prontas a deixar alguns euros.

Peguei, pousei, vi, revi. Acabei por trazer uma 100% Pura Lã Virgem.

Enquanto mexericava o fundo da bancada, ouvi uma voz débil perguntar quanto custava ...

Olhei e vi um senhor idoso com uma camisola que me pareceu ser um boa malha, grossa e quentinha.

O jovem cigano respondeu-lhe: "2 euros".

Continuei a minha pesquisa,  até que ouvi o cigano: "não precisa de me dar uma nota destas, dê-me a outra mais pequena".

Voltei a obsevar o idoso. Um porta moedas mostrava várias notas de 5, 10 e 20 euros dobradas. O idoso tregara-lhe 10 euros.

Como este teria de lhe dar 8 euros, pediu-lhe uma de 5.

O senhor não estava a entender e mostrava as notas que tinha.

Meti-me no assunto; peguei na nota de 10 euros que o cigano estendia, dei-a ao senhor, tirei uma de 5 euros, entreguei-a ao cigano, este deu-me o troco mostrei ao idoso e meti-o no porta moedas.

Depois disto comentei:" o senhor não devia trazer esse dinheiro, ou então, tenha cuidado com o que tira da carteira. Vá guarde essas notas, guarde o porta moedas."

O idoso não dizia nada. Olhava-me. Guardou as notas e levou a carteira ao bolso de trás das calças.

Pedi: "Vá, guarde-o bem e feche o botão do bolso.Tenha cuidado. Não mostre o dinheiro que tem. Vá sossegado."

Voltei-me e vejo as pessoas paradas observavam a cena.

Tenho tanta pena destes idosos que não têm a noção do dinheiro, dão o que têm, confiam em quem vende.

Lembrou-me meu pai que  tinha esses mesmo gestos (e eu ralhava com ele porque tinha uma boa quantidade de "amigos" oportunistas que se aproveitavem dele) porque o dinheiro não era importante, de todo ( saí a ele).

 

 

 

 

 

 

Início

Autoria e outros dados (tags, etc)

Grande Reportagem

por Maria Araújo, em 01.02.10

 

Hoje, depois do jornal da SIC, e quando estava para começar a jantar, apercebi-me do assunto da Grande Reportagem, "Este País não é para Velhos". Deixei-me ficar por uns minutos aqui na sala, e vi que  se tratava da "3ª idade", da vida dos idosos que vivem isolados e/ou  nos lares onde são acolhidos.

A refeição acompanhou-me no sofá.

O abandono dos idosos por parte dos filhos, alguns deles presos dentro de casa, sem comida, e a quem foi  "roubado" a parca reforma que possuíam.

Entretanto, passava a cena de um filme do realizador Grego Constantin Pilavios.

Pai e filho sentados num banco do jardim de sua casa. O filho lê o jornal. Um pardal, com o seu encantador canto,desperta a atenção do homem mais velho que pergunta "O que é aquilo?"

O filho comodamente a ler o jornal responde: "É um pardal", regressando à sua  leitura.

Depois de várias tentativas, sempre com a mesma pergunta, de chamada de atenção do pai,   o filho responde aos gritos que um é um pardal.

Aquele o pai levanta-se entra em casa e regressa com um diário...

 

Se a reportagem me fez dó pelo que a maioria dos idosos passa com o despreso e abandono dos filhos, esta cena sensibilizou o mais intímo do meu coração.

 

E como diz o ditado "Filho és pai serás..."

Início

Autoria e outros dados (tags, etc)


foto do autor


desafio dos pássaros



o meu instagram


1º desafio de leitura - 2015 2º desafio de leitura - 2017 3º desafio de leitura - 2019

desafio




Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2012
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2011
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2010
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2009
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2008
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D


Encontros - eu fui

IMG_2230 (2).JPG MARCADOR