Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Cantinho da Casa

Cantinho da Casa

e a propósito do post

Maria Araújo, 06.04.20

do último em que dizia " Tendo em conta que a minha mensalidade não é nada de especial", também recebi um e-mail, em Março,  que esqueci de responder, mais tarde uma chamada telefónica a lembrar, sobre a actual situação dos ginásios, depois de ouvir a proposta que fizeram, achei que 15%  "de desconto" era pouco, mas tendo em conta que, segundo informação, poderiam abrir no mês abril, dependia do prolongamento de emergência, aceitei que a mensalidade fosse cobrada com a oferta de " 15% desconto nas suas próximas quatro mensalidades".

Contudo, se em Abril não for possível abrir, pedia autorização para cobrar o mês, ficando com o mesmo desconto até ao final do ano.

Aceitei. 

Mais tarde, pensei bem no assunto, fiquei com a sensação de  que, quando tudo isto acabar, só lá para julho abrirá.

Mas se eu não aceitasse, quando voltasse, certamente teria de fazer uma nova inscrição, e pagaria mais caro,com toda a certeza.

Assim sendo, tive um desconto na mensalidade de cerca de 8 euros. Foi pouco.

Espero que melhores dias venham. 

Estas pessoas precisam de nós.Há muitos empregos que dependem do nosso dinheiro.

E eu gosto de sair de casa para ir ao ginásio.

Em tempo de confinamento, vou fazendo alguns exercícios, mas não é a mesma coisa.

na_5d08c3d4963e0.jpg

(imagem da internet)

 

 

 

o ginásio em casa

Maria Araújo, 19.03.20

é a partir de hoje que começo os meus exercícios de ginástica, que nunca imaginei um dia fazer em casa.

Prefiro o ginásio, obriga-me a sair de casa e a estar concentrada no que faço.

Infelizmente, mas nada que não possa fazer, o Covid-19 fez das suas e obriga-nos aficarmos isolados.

Temos de pôr a nossa imaginação em acção: ler, ouvir música, rir por nada, apanhar sol na varanda,fazer festas ao nosso animal de estimação,enfim, tentar distrair a mente.

Espero que este mal passe rápido,não  porque eu não goste de ficar em casa, que gosto,mas porque ele está a infectar e matar muita gente.

Ontem,fui à Decathlon e comprei bandas elásticas de Pilates.

2020-03-19 (2).png

2020-03-19 (3).png

 

 

 

o aviso

Maria Araújo, 10.02.20

Sábado passado, esperava que o elevador descesse ao parque do ginásio, reparei que  na pequena vitrine onde  é costume estar afixado assuntos informativos e /ou de interesse  para os utentes, tem, agora, um aviso que nunca vira desde que frequento este ginásio. 

Diz o aviso para:  circular com cuidado ( há chicos-espertos que entram com velocidade); uma viatura não ocupar dois lugares de estacionamento; não  deitar lixo para o chão ( é tão comum); não ter actos de vandalismo(esta não esperava eu)

Pensei para o meu decote: " finalmente alguém lembrou-se de alertar que o parque também deve ser respeitado!"

Ontem, voltei ao ginásio.

Tudo normal.

Quando saí, reparei que, em frente ao meu carro, estavam dois carrões, lado a lado, estacionados na diagonal ocupando o lugar de dois carros. No vidro de trás de cada um  via-se um papel.

Sem Título2.png

Aproximei-me e li isto:

Sem Título.png

Hoje, esta pessoa (já escrevi sobre o assunto aqui), com muitos lugares livres no parque, tinha a sua viatura mal estacionada.

Enfim!

Há pessoas que se esquecem que viver em sociedade não é ter somente direitos, também há deveres a cumprir.                

 

o meu pé lesionado

Maria Araújo, 10.04.19

anti-gravity-yoga__medium_4x3.jpg

metade da aula de antigravity feita, eu, que sou cautelosa nos exercícios de "piruetas" ( como mostra a imagem) para que desfazendo-o o impacte no chão seja o mais leve possível, hoje, fi-lo de uma forma mais apressada, o pé esquerdo bateu com força no chão.

O pé doía, não consegui fazer os exercícios seguintes, saí da aula, fui pôr gelo.

Quando deixei o ginásio, a dor dominuíra, regressei a casa e o que fiz? Calcei uma liga que apertava demais o pé.

Tirei-a, fiz uma massagem no tornozelo, voltei a pôr gelo, o pé continuava inchado, as dores aumentaram, não conseguia andar.

Depois do almoço, fui ao hospital privado, evitei a urgência, pedi um ortopedista.

Foi feito o RX. Não há lesão. 
Conselho do médico: descanso, mais gelo e anti-inflamatório.

Se a dor se mantiver, dentro de três dias farei uma ressonância magnética.

E aqui estou eu a descansar o pé, com roupa para passar a ferro, e não fui buscar o bebé ao colégio.

 

Pilates funcional

Maria Araújo, 04.04.19

exercícios-em-dupla-5.jpg

As aulas de Pilates de segunda e quarta-feira são muito procuradas, as senhoras mais velhas costumam ir muito cedo para o ginásio para conseguirem a senha, que é entregue trinta minutos antes da aula.

Há um número pequeno de aulas para reservas na APP, feitas com 24h de antecedência.

Se consigo reservar, óptimo, não quero ir para a fila, tenho até dez minutos antes da aula para a levantar, caso contrário, um mintuo de atraso, a senha vai para alguém que esteja à espera de uma vaga.

Há muitos e variados exercícios nesta modalidade, a professora, muito competente, profissional, simpática, e bonita, varia de aula para aula os exercícios, ontem, os últimos vinte minutos foram em dupla, o que me deu enorme prazer, sinto-me mais capaz de competir que se o fizer sozinha.

E há senhoras que se recusam ficar em determinados lugares do estúdio, outras acham que o espaço  que habitualmente ocupam é seu, ficam com ar de zangadas se alguém ( eu, por xemplo) arranjo um bocado e ali estendo o tapete e a toalha, e fico na minha, uma vez que lugares cativos são pagos e ali não existem.

Ora, quando a professora pediu para fazermos uma dupla com a companheira mais próxima, naquele espaço à minha volta as mulheres tinham par, eu não.

Procurei quem fizesse dupla comigo, vi uma senhora sem ninguém, fiz o gesto para me juntar a ela, mas ela fez uma cara de indignação, comentou qualquer coisa, pareceu-me que queria uma senhora da sua idade para se juntar a ela, talvez uma das "amigas" de café.

Olhei para a professora, que perguntou a uma jovem nos seus quarentas se não se importava de ir para o fundo da sala, havia uma senhora que não tinha par e eu ocupava o seu lugar.

Tinha comigo uma jovem brasileira, seria das primeiras brasileiras do ginásio com quem falei, numa altura que fizemos a aula de Antigravity, alta, um corpo bem estruturado; eu, baixa e magra, quão franzina, juntamos as mãos, os pés, fazíamos os exercícios bem coordenados, estavamos em sintonia, na respiração, nos movimentos, nos agachamentos, até que, num deles, as nossas mãos agarravam-se, ela puxava por mim eu fazia  flexão do corpo enquanto ela inclinava o seu para trás. De quando em vez, e porque sou mais velha, perguntava-me: " estou a magoá-la? por favor, se estou a exagerar, diga-me." E eu pedia que fosse um pouco mais longe...

Invertíamos a tarefa, eu dava o meu máximo de molde a puxá-la para que ela sentisse o exercício, não queria dar sinal de fraca, sem força.

Foram alguns minutos bem aplicados neste treino funcional, gerou-se naquele espaço, motivação, inter-ajuda, socialização.

No final, toda a malta saiu mais alegre. Eu fui fazer outra aula, o aquecimento estava feito. 

Na próxima, se conseguir reservar a aula, não posso esquecer de levar uma bola de ténis.

Fiquei curiosa, vou fazer o possível para fazer a aula.