Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



mais uma do hospital privado

por Maria Araújo, em 07.06.19

18h20, ao balcão do hospital privado, uma jovem reclamava a marcação de uma ecografia para o seu filho, bebé, que, segundo percebi, a funcionária tinha marcado para ser executada neste hospital, a criança estaria em jejum por 4h, desde a hora do almoço.

As técnicas ter-lhe-iam dito que a criança não podia fazer aquele exame ali, pois teria de ser na sede, uma vez que lá há uma médica de imagiologia pediátrica, e que amanhã ela estaria na sede, que falasse com as meninas do balcão e remarcasse o exame para amanhã.

A jovem estava zangada, deviam ter visto isso, está a criança sem o lanche desde as duas horas, e porque é um bebé, deviam ter mais respeito, pedia que resolvessem  o assunto na hora, que queria o exame para amanhã sem falta, o erro foi deles,  tinham obrigação de fazer o possível para que a criança fizesse o exame.

A funcionária não sabia o que dizer, foi falar com a responsável do balcão. O exame só era possível na próxima terça-feira.

A jovem, educadamente, barafustava, que não queria mais nada com este hospital, que lhe devolvessem o dinheiro que havia pago pelo exame, que não dava o NIB pois se o  pagara  antes de o fazer, eles tinham de lhe devover o dinheiro, também na hora, não ia esperar pela transferência.

E com a sua insistência, deram-lhe o valor em dinheiro.

Então o que aconteceu?

Quando foi marcar o exame, a funcionária seleccionou-o no  para um determinado médico, mas considerou como um exame para um adulto, não verificou que se tratava de um bebé.

E assim fez a  mãe perder tempo, e a criança, que até estava bem disposta, estava sem comer o seu lanche desde as duas horas.

Eu ri-me. Não da jovem nem da criança, mas porque aconteceu exactamente o mesmo comigo no exame que vou fazer amanhã. Este não é feito neste hospital, mas na sede.

E andamos nós, os utentes, a perder tempo.

O mais caricato é que esta semana fui lá quatro vezes e ouvi várias reclamações dos utentes, ao mesmo tempo que verifiquei que os funcionários, todos jovens, não sabem o que fazer nem dar respostas. Nota-se alguma falta de preparação, e nisto o hospital só perde.

 

Cantinho da Casa

foi um dia quase não

por Maria Araújo, em 21.02.19

Há dias que tudo corre bem, outros menos bem e fico passada, por vezes, sem paciência.

Hoje, fui buscar o sobrinho neto ao colégio, a mãe foi ter comigo para o levarmos ao centro de saúde.

Não havendo lugar por perto para estacionar o carro, saí  com o bebé, a consulta estava marcada, e tinha um número de ordem, queria dar entrada, entretanto.

Com o bebé no meu colo, esperei atrás da linha amarela do chão, a senhora que devia atender-me estava ocupada com um utente, eis que chega o meu número, dirijo-me ao balcão, entrego o papel da consulta, diz-me ela: " é com aquela colega, mas depois de a atender tem de tirar a senha".

Não percebi o que quis dizer com isto, visto que o papel tinha um número e eu estava com um bebé no colo.

Ok, voltei para trás da linha amarela, uns minutos depois sai a pessoa que estava a ser atendida, a funcionária pede-me para me aproximar, entrego-lhe o papel da consulta e diz-me: " qual é o número do utente?"

Antes de sair do carro, a minha sobrinha passou-me os documentos de saúde, passei o bebé para o braço direito, a mão esquerda na à minha carteira, consigiu descobrir o cartão de vacinas e entreguei-o:

" Não tenho o cartão comigo, a minha sobrinha foi estacionar o carro, mas o livro das vacinas tem o número do utente".

Com cara de poucos amigos, diz-me ela: " o bebé não tem cartão de cidadão? E a senhora devia ter tirado a senha".

Insisti que não tinha o cartão, que a sobrinha tinha ido estacionar o carro, logo que ela chegasse, dava-lho e perguntei se tinha tirar a senha à mesma ao que respondeu: " claro que sim, mas eu agora estou a fazer o serviço por si e não devia".

Fiquei muito chateada, a sala estava cheia, eu estava com o bebé no colo, tratou-me como uma ignorante, sentei-me numa cadeira. 

A minha sobrinha chegou, pedi-lhe para ir à funcionária mostrar o cartão do menino, pois eu já estava a ferver.

Quando expliquei o que acontecera ficou furiosa, comentava: " é por estas coisas que prefiro o privado" ( mas o menino precisa de ter médico de família no serviço público, foi para isso que marcamos consulta).

À tarde, o bebé estava com febre ( há virose no colégio, estão muitas crianças doentes), fomos para a urgência de uma clínica pediátrica.

Compreendo que não é fácil lidar com os utentes, há de tudo,  mas também não custa nada tratarem estes com alguma simpatia, sobretudo quando se trata de crianças.

Não quero mais nada.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Cantinho da Casa

fui à EDP

por Maria Araújo, em 21.12.16

porque recebi uma carta que pensei haver engano e que tinha a ver com este post aqui.

Também aproveitei para reclamar a reclamação que fiz aqui.

Estava à espera da minha vez, quando o número de senha que aparece no ecrã era de uma cigana, nos seus 55, acompanhada da filha.

Mantiveram-se de pé enquanto eram atendidas. Não passou um minuto quando de repente, a mãe desata a insultar o funcionário, que se mantinha calmo a olhá-la e a explicar que tinha de assinar o papel.

" Ladrões, filho da p***, car****, ide roubar o car****, ladrões, quereis dinheiro, não vou assinar o papel. Eu paguei, filhos da p****..." e continuou as descarregar o vernáculo nojento e sujo.

Eu detesto este tipo de situações fiquei nervosa, incomodada, preocupada, um pouco assustada, até.

Todas as pessoas que aguardavam a sua vez olhavam-nas. Acho que não queriam acreditar no que estava a acontecer. Toda a Loja do Cidadão ficou alerta.

Por vezes penso que esta gente saca de uma arma e atira.

Chega a minha vez, precisamente para o funcionário que fora insultado.

Sentei-me. Ele olhava para mim, calmo. Eu, nervosa por que via a cigana a meio do corredor e continuava a insultar, não disse nada enquanto ela não se calou.

Ela desapareuceu de vista, expliquei a minha presença ali.

Tratou do assunto e diz-me:  " Está resolvido. Não há mais nada que possa ajudar?"

Foi quando respondi: " Sim! Quero fazer uma reclamação a uma reclamação sobre o serviço Funciona."

Expliquei o que se passou. Olhando o cpmputador, responde ele: " A resposta à sua reclamação ainda está em aberto."

" O quê?", perguntei.

" A resposta à sua reclamação está aqui registada e ainda está em aberto."
" Significa que ainda vão responder", comentei.

" Sim".

" Mas a devolução da chamada já vai há três semanas, a reclamação à reclamação foi há 15 dias. É isso rapidez?", perguntei.

" Tem de aguardar", voltou a dizer, sorrindo.

" Muito bem. Aguardo mais uns dias. Se não responderem, volto cá"

" E se tiver alguma avaria, embora tenha de ligar para o serviço Funciona, venha cá e veremos o que podemos fazer".

Uma chamada que deveria ser devolvida em dois dias, nunca veio. A reclamação feita, pessoalmente, está em aberto. Já lá vão 15 dias, quando tal, e a correr bem, lá para 2017.

E é isto.

Cantinho da Casa

Oh, quem diria!

por Maria Araújo, em 15.07.14

Fui à praia, muito cedo.

Vendo a meteorologia, e as probabilidades de amanhã chover, decidi ir hoje.

A meio do caminho, na auto-estrada, já se via o nublado no mar.

A 2 km era cerrado, completamente. "Oh, quem diria!"

Cheguei às 9:30h, fui para a esplanada à espera que o sol tivesse força suficiente para afastar o nevoeiro.

Estava fresco e, contrariamente ao habitual, levo sempre um casaco. Mas hoje esqueci-me.

Por sorte, levei uma écharpe grande que não costumo usar na cidade, gosto de usá-las na praia.

Então, "agasalhei-me"  nela, pois a fresco da manhã era qb.
Mas o nevoeiro vinha para o interior, encobria o sol.

Na expectativa que o sol sorrisse por voltas das 11h, ia lendo um dos meus livros de verão.

Decidi ver o mar. Muitas crianças brincavam na praia, a maré vaza, mas mal se vislumbravam as pequenas ondas.

Subi o passadiço. Um funcionário da câmara de Esposende, com uma enxada puxava a areia do passadiço para a praia.

Parei e meti conversa com ele, sobre os estragos do último inverno (a praia está muito mais pequena e tem muitas pedras), o tempo que tem estado neste mês de julho:  "Com vento. Ontem ninguém aguentava aqui com a nortada e hoje, prevê-se chuva" dizia ele. "E a praia está assim porque o mar leva, o mar traz e não vai faltar muito tempo que o mar vai destruir tudo isto. As casas que estão por aqui destruiram a praia. Há muito que se fala nisso, mas ninguém prestou artenção".

Contei das caminhadas que eu e os meus amigos fazíamos pela beira-mar de Apúlia a Ofir,e o areal extenso de praia que havia.

Mas já lá vão muitos anos.

Fui na direção de Apúlia, o sol ia sorrindo, mas o nevoeiro teimava não nos deixar gozar a praia.

Fui comprar polvo e pescada.

Na padaria em frente, comprei o pão doce que eu adoro (nesse tempo a minha mãe costmava comprar para o nosso lanche) . 

Recordações pequenas dos belíssimos verões que lá passei.

Voltei à estrada e, uns quilometros além, o sol brilhava.

 

 

 (imagem da web)

 

Cantinho da Casa


foto do autor



desafio dos pássaros


o meu instagram



1º desafio de leitura - 2015 2º desafio de leitura - 2017 3º desafio de leitura - 2019

desafio




Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2012
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2011
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2010
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2009
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2008
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D

Encontros - eu fui

IMG_2230 (2).JPG MARCADOR