Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Cantinho da Casa

Cantinho da Casa

máquinas voadoras nos céus de Portugal

Maria Araújo, 30.06.20

 

aniversário Força Áerea.jpg

não vos  assusteis quando amanhã ouvirdes os motores dos aviões da Força Aérea que sobrevoarão os nossos céus para comemorar os 68 anos do ramo aéreo da Forças Armadas Portuguesas.

levantai a cabeça, preparai os telemóveis, as máquinas fotográficas, e de filmar, registai este momento para sempre, ( eles são rápidos a passar) e enviai, se quiserdes, para este link:   shorturl.at/bjV57

eu não vou poder  olhar o céu, estarei a meio de uma aula de Total Condicionamento,porque na minha cidade passa às 11h14.

deixo-vos o horário  da sua passagem pelas capitais de distrito.

adoro aviões.mas estes assustam-me. sinto que o céu  desaba sobre mim.

 

  • Aveiro 11h28
  • Beja 11h04, 11h30 e 14h37
  • Braga 11h14
  • Bragança 11h44
  • Castelo Branco 11h08
  • Coimbra 10h56 e 12h20
  • Évora 10h53 e 11h20
  • Faro 11h47
  • Funchal 12h31
  • Guarda 11h21
  • Leiria 10h51
  • Lisboa 10h15 e 11h00 (10h45 às 11h00 Jerónimos – F16)
  • Ponta Delgada 10h00
  • Portalegre 11h07
  • Porto 11h23
  • Santarém 10h46 e 10h50
  • Setúbal 12h16
  • Viana do Castelo 11h17
  • Vila Real 11h08 e 11h59
  • Viseu 11h02 e 12h10

Outras localidades:

  • Ericeira 10h43
  • Guimarães 11h13
  • Montijo 12h20 e 12h47
  • Porto Santo 12h22
  • Sintra 10h19 e 10h22
  • Santa Cruz 10h36
  • Torres Vedras 10h32

Como a ginasta Simone Biles desafia as leis da física

Maria Araújo, 20.08.16

 

Como  Biles faz para se manter esticada durante o giro?

 

 (Foto: Escola de Educação Física e Esporta (EFFE) da USP/Divulgação)

 

O mortal é um salto em que os dois pés passam por cima da cabeça e voltam à posição original. Ele possui variações. Uma delas, o carpado, entrou para imaginário brasileiro por ser característica da ginasta Daiane do Santos. Nele, a acrobacia é feita com o corpo dobrado em umângulo menor que 90° e as pernas esticadas. Outra, ainda mais difícil, é a estendida, em que o corpo simplesmente não é dobrado.

 

Para quem não entende ( o meu caso) como funcionam as leis da física de Newton aplicados nos saltos dos atletas nos Jogos Olímpicos,  no caso a excelente Simone Biles e a lendária ginasta Nadia Comâneci, aqui fica um texto que explica o que acontece quando o corpo gira sobre si mesmo, assim como um interessante exemplo de como as leis Spears,  forças produtivas e improdutivas que influciam os comportamentos.

 

 

"Down dog"

Maria Araújo, 25.03.15

down1.jpg

Já referi várias vezes neste cantinho que pratico, duas vezes por semana,  Pilates e Body Balance, atividades que gosto, libertam-me de stress e ensinam-me a controlar a respiração e a postura do corpo. 

Na primeira trabalhamos, essencialmente, a respiração e a postura; na segunda,  uma combinação de Ioga, Pilates e Tai Chi, trabalhamos a coordenação, a flexibilidade, a postura, a respiração e o alongamento do corpo, exigindo concentração da nossa mente.

Em setembro passado fui vítima de uma queda que me fez interromper as minhas atividades por dois meses.

Comecei com hidroginástica, que não exigia grandes movimentos do pulso e regressei às outras atividades  cerca de três meses depois, quando tinha autorização médica para fazer todo o género de exercícios que , segundo o mesmo, obrigasse o pulso a trabalhar.

Seis meses depois, ainda tenho alguma dificuldade em apoiar a mão direita no chão.  Em Body Balance, um dos exercícios que mais me custa fazer é na posição de downward dog, ou down dog, para os professores, quando a perna direita está dobrada, junto ao braço direito, e tenho de levantar  a perna esquerda, imprimir força e levá-la até junto do braço esquerdo. Esse movimento de levantamento da perna obriga-me a fazer força na mão direita, contra o chão, para que a perna fique posicionada.  Sinto algum desconforto, recorro à opção que é mais confortável: apoiar o joelho no chão, junto ao braço e levantar-me.

Com a perna direita isso não acontece porque a força vai para a mão esquerda.

Mas ontem, à hora do almoço, aconteceu algo que me pôs danada contra mim própria (sou sempre a mesma distraída e as coisas acontecem).

Ligo o computador, entro na página do Sapo e leio a notícia da queda do avião da Germanwings.

Reparo que era hora das notícias (que só vejo ao jantar), vou ligá-la, pego no comando  e movimento-me para trás, sem me lembrar que tinha a mesinha da sala atrás de mim. Vou contra ela e caio de costas, batendo em cheio com o pulso esquerdo no chão. E que dores!

Fiquei assustada: " Raios, era o que me faltava ter partido o direito, vai ser agora o esquerdo!" comentei com os meus botões.

Não consegui levantar-me porque tinha de apoiar a  mão direita no chão, arrastei-me até ao sofá, apoiei o braço nele e levantei-me, indo de imediato buscar gelo para pôr no pulso que estava inchado e doía-me bastante. Depois, fiz uma massagem com Voltaren e a coisa passou.

 

sem nome.png

Hoje de manhã, fui à aula de Pilates. Um dos exercícios consta em posicionarmo-nos de 4, fazer força com as mãos contra o chão e, à vez, levantamos a perna e o braço contrário.

E o que aconteceu? As minhas duas mãos, à vez, não suportaram a força que tinha de imprimir e aguentei  poucos segundos nesta posição. O meu corpo tremia com o esforço que fiz para me manter em equilíbrio.

Mas aprendi que, quando temos dificuldade em apoiar as mãos no chão, devemos fazê-lo com os punhos fechados, pois facilita a execução do exercício.

Entretanto, já tinha pensado comprar protetores de pulsos e verificar se as minhas mãos suportam a força dos exercícios, mas esqueço-me de os comprar. 

No sábado tenho consulta de ortopedia, vou pedir conselho  ao médico para o uso deles.

 

Vi hoje

Maria Araújo, 20.02.15
 

Poster do filme A Teoria de Tudo

o maravilhoso filme sobre a vida de Stephen Hawking, uma história de amor, de força, de luta e de sobrevivência.

Não vi os outros filmes cujos actores foram nomeados para os Óscares, mas caso Eddie Redmayne ganhe, é merecido, porque:

"A transformação de Redmayne é o que causa mais interesse nessa altura da disputa. Transformações são o ponto chave para quem ganha um Oscar, temos vários exemplos ao longo dos anos em todas as categorias de atuação. Porém, ele também tem um transformação corporal, algo que ainda é um grande plus para Eddie - e valoriza mais quando falamos de uma atuação baseada em fatos reais."

(facilmente me comovo com estas histórias e não me incomoda dizer que as lágrimas foram muitas).