Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

cantinho da casa

cantinho da casa

o tempo quente que está

fez-me pensar fazer uma escapadinha de fim-de-semana.

Vou voltar a Aveiro, para o mesmo hotel onde estive em Fevereiro (  não havia quartos, ao princípio da tarde de ontem e, de repente,  pelas 19h, alguém cancelou a reserva, reservei eu).

Vou fazer praia na Costa Nova, e almoçar neste restaurante onde me deliciei com um maravilhoso polvo grelhado.

 

 

Braga Romana

IMG_20220525_141232.jpg

 

está ao rubro depois de dois anos de interrupção.

IMG_20220525_174934.jpg

Este ano há menos tendas, anda-se mais à vontade nas ruas,embora não falte gente e turistas muitos..

Mas no comes e bebes têm bastantes tendas, e acho bem.

IMG_20220525_175039.jpg

IMG_20220525_163746.jpg

Fui dar uma volta, na quarta-feira, procurei a tenda das cerejas, que gosto de comprar na Braga Romana, mas estas ainda não estão no ponto. Mas comi-as num ápice.

Está muito calor, as crianças dos colégios têm ido visitar a feira romana, e o meu sobrinho neto foi hoje de manhã com os amigos do colégio.

IMG_20220525_162819.jpg

Não aguento este calor, e ainda não estamos no verão, que, a continuar com as temperaturas altas, não sei como vai ser para o meu dia-a-dia.

Logo, vou fazer uma massagem hidratante, em Caldas das Taipas, há que  preparar o corpo para o verão.

Amanhã, tenho um almoço na aldeia, em casa de uns  amigos da adolescência, lá para as bandas de Caldelas.

À noite, um jantar leve num café onde servem francesinhas, que dispenso, e outras coisas.

E vamos sete mulheres ver a nossa querida Susana Vieira, que muito admiramos.

03_faceinstapost_shirley18mai.jpg

Domingo, se estiver bom tempo, vou à praia.

Fica um fim de semana cheio, que estou a precisar.

Bom fim-de-semana.

 

 

está frio

E hoje já me passou pela cabeça sair da cidade e ir passar o fim de semana fora.

Até pensei meter-me no Alfa , sair em Aveiro e deixar-me ficar por lá.

A minha sobrinha, que está fora do país, diz-me que vá para a casa da praia sempre que eu quiser.

Mas não tenho a chave.

Amanhã, pego no carro e vou matar as saudades do mar.

coisas desta sexta-feira

Sexta-feira é o dia de levar o sobrinho neto ao colégio.

Deixei o menino no colégio, fui às compras ao supermercado Froiz, sito, no Retail Center. É um supermercado que não há no centro da cidade, ficam os dois nos arredores. Gosto da limpoeza, do atendimento, dos produtos deste supermercado.

Caíam uns pingos de chuva que deram para molhar  a estrada e o carro, mas nada demais.

Feitas as compras, liguei a ignição, e de repente, vi um fumegar que vinha de cima do capot. Fiquei logo alerta.

Desliguei a ignição. Pensei que se saísse da grelha poderia ser do depósito da água, mas também pensei que seria condensação devido à chuva.

Não cheirava a queimado, a temperatura estava normal, mas o fumegar continuava.

Abri o capot, estava tudo normal, reparei que um tubo canelado tinha um fissura, isto é, estava rompido.

Não pensei mais. Liguei para a oficina, expliquei o que se passava, disseram-me que não podiam ver o carro, estavam com muito trabalho, que chamasse o reboque que levaria o carro para lá.

Quando chegou o reboque, e foi muito rápido, o senhor foi ver o carro e disse que era normal aquele tubo estar rompido, que o problema não era dali, que de certeza que precisava de água. 

Eu respondi que o carro tinha estado na oficina há pouco tempo, que o carro tem muitos anos e nunca fui eu que tratei de pôr água, sempre  deixei que a oficina se encarregasse de tudo.

O carro foi embora, e fiquei ali, sozinha, longe de casa.

A sobrinha queria ir buscar-me, mas eu disse que não viesse, que pediria um táxi.

Entretanto, não tinha o número de táxis, fui a pé, com as compras, até perto do Braga Parque, lá poderia apanhar um táxi.

A cerca de 200m do centro comercial, reparei numa paragem de autocarro, vi o  horário, vi que passa perto de casa...mas era no senttido inverso.

De repente, vem o autocarro, parou, perguntei para onde ia: " avenida central",respondeu o motorista.

Meti-me no autocarro, saí na primeira paragem desta avenida que ficaa cerca de 400m de casa.

Saco das compras( qb pesado) num braço, de x em x minutos passava para o outro, desde a entrada no autocarro até chegar a casa, foram dez minutos. 

meteo.png

 

Ouvi na rádio do carro que vem uma vaga de calor para o início da semana,  mas as noites serão frescas ( tinha de ser, ainda é cedo para as noite quentes).

"um tempo excelente para ir até à praia" , comentei.

Se não fosse a gata, que não sai de casa, e o colégio do menino, alugava uma casa e passávamos um mês ou dois por lá ( a casa da sobrinha está  alugada até abril, senão ia de  borla).

Com a proibição de sair do concelho, não arrisco, o que me deixa desanimada. Também pensei ir durante a semana, mas receio que a polícia ande  a jeito.

Eu não desobedeço às regras de emergência e do" fique em casa", mas não falta quem o faça e tem uma sorte do caraças.

E eu tenho saudades da praia, daquele  pinhal, dos almoços na varanda, de ouvir os pássaros,de andar a brincar com o sobrinho neto junto à piscina, no escorrega, pelo meio dos pinheiros,da floresta encantada dos meus sobrinhos netosque estão longe do país.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

do fim-de-semana # 2

Visita feita à igreja, hora de almoçar, passámos pelos restaurantes de Fão, que estavam cheios, a espera era de 30 a 40 minutos.

Com um bebé era complicado esperarmos e a fome já apertava. Lamentamos não ter reservado mesa. Mesmo que levássemos o almoço para casa teríamos de esperar. E desistimos.

Sem alternativa para uma boa refeição, decidimos almoçar umas sandes no café-bar do costume, junto à praia.

Há jovens, contratadas nestes fins de semana de bom tempo, que deviam ser mais educadas e ter maior atenção com os clientes. Estão a prestar um serviço, olham para os cliente como se estivessem a fazer um favor, têm o dever de esclarecer as alternativas que podem oferecer se o serviço está demorado.

Estávamos com fome, perguntamos quanto tempo poderia demorar o serviço, a resposta foi seca, mas quando dissemos que poderiamos pedir uma entrada, a postura foi outra. Acabamos por não a pedir, a espera para servir a entrada demorava, também. Mas  as sandes chegaram à mesa em pouco tempo.
Depois do café, fomos à praia, queríamos pôr o bebé a andar na areia.

E ele adorou. Mexia os pés, as mãos pegava a areia, batia palmas, ria-se.

Regressámos a casa, fomos brincar para a relva, piscina limpa e a encher, estavamos só nós três por conta daquele espaço.

IMG_20190428_155907.jpg

O bebé pontapeava a bola, ia atrás dela. Sentado na relva fazia a sua ginástica do momento e que só as crianças têm agilidade e flexibilidade, aquilo que dei o nome de Pilates Baby.

E passamos para o baloiço.

Foi uma alegria imensa. Ria-se perdidamente.  A mãe segurava-o por trás, mas ele escorregava.

E eu aproximei-me, pus as suas mãozinhas fofas nas cordas, que não as largou, e eu por trás segurava-o pelas coxas e movimentava o banco para a frente e para trás, o miúdo delirou andar de baloiço ( sai  à tia avó e à mãe).

IMG_20190429_193447.jpg

Antes de regressarmos a Braga, passámos pela loja onde, por quem lá passa sente a frescura dos bons produtos que invadem as nossas narinas: a frutaria e mercearia.

Ao balcão estava uma senhora, a primeira vez que a vi na loja, que ao mesmo tempo que atendia um casal,  resmungava com o filho, que teria cinco anos, um reguila, com a resposta na ponta da língua.

Não ouvi metade da conversa, estava com o meu sobrinho neto ao colo e enquanto a mãe fazia as compras, eu escolhia umas maçãs, abstrai-me do que se passava por lá, até um determindado momento.

A cliente falava alto, não sei o quê, pois ouvia-se o som da televisão do canal do povo, até que passa à minha frente, estava eu a escolher maçãs, viu-me  com o bebé ao colo,  "saca" das bananas que tocam nas maçãs e uma cai ao chão. Pediu desculpa, não apanhou a maçã, e eu deixei-a no chão, não tinha como pegar nela e pô-la na caixa, de novo se põe à minha frente para escolher maçãs, até que a senhora do balcão, que me pareceu não gostar de ver a cliente ignorar-me, perguntou-me se queria que pegasse no bebé enquanto eu escolhia a fruta. 

Agradeci. A minha sobrinha tinha as compras feitas, pegou nele, eu fui escolher os morangos.

E foi então que ouvi algures como: "Ó Rui ( nome fictício) estás farto de comer gomas, pára com isso!".

Deito os olhos ao miúdo, vejo um pequenote de cabelo loiro, muito parecido com a senhora do balcão, que com ar de rufia lança de novo a mão ao saco das gomas.

De repente, e para que o miúdo deixasse de assaltar o saco das gomas, ouvi-a dizer:

" Ó Rui, olha que lindo bebé. Não queres ter um irmão como ele?!"

Responde  ele, grosseiramente: " Era o que tu querias, já temos a Luísa ( nome fictício)"

O pai da criança entra na loja, a mãe pede-lhe que leve o saco das compras da minha sobrinha, ao carro.

Eu agradeci, disse que o levava.

Já perto do carro, comento com a minha sobrinha que percebia-se que o miúdo dominava os pais,  era um mal educado, eles nada fizeram.

E foi então que ela me contou o que eu não ouvira antes.

O casal cliente que estava na loja, picava o miúdo para ouvir as asneiras que dizia.

Quando saíam da loja, perguntaram pelo pai, ao que a resposta dele foi: " O meu pai foi prós copos", no preciso momento que o pai entrava na loja.

Quando a mãe lhe falou do bebé, meu sobrinho neto, e a resposta foi, " Era o que tu querias, já temos a Luísa", virou-se para a minha sobrinha que o observava, e faz-lhe o gesto que todos nós conhecemos:

holanda2 (2).jpg

E é isto que acontece em muitos lares portugueses. Não há regras, não há valores, não há respeito, não se incute o mínimo de educação.

Depois, mais crescidos, vão para a escola e tornam-se uns arruaceiros. Desafiam tudo e todos e a escola não consegue dar resposta ao que esta sociedade lhe dá.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

as minhas panquecas

O meu pequeno-almoço de todos os dias, consta de : um iogurte magro sabor a morango, morangos, ou romã,  ou framboesas, ou  nozes, aveia ou sementes de linhaça,  sumo de uma laranja, um pão de mistura, torrado, sem manteiga, ou duas bolachas integrais.  

Ontem, estive fora todo o dia, não comprei pão e não tinha bolachas integrais.

Quando li esta receita, tão simples, do nosso querido casal mistério, lembrei-me das panquecas de banana que iriam compensar a falta do pão e das bolachas.

Como ao domingo não preciso de me levantar cedo para ir ao ginásio, com paciência, experimentei metade da receita.

O cheirinho a canela espalhava-se na cozinha, estava ansiosa que ficassem prontas para lhes dar uma trinca.

Elas não ficaram, com certeza, como as que este querido casal faz para a sua equipa de futsal, mas estavam deliciosas!

E comi-as todas.

Pronto, já sei que as panquecas vão fazer parte do meu peqeuno-almoço, aos fins-de-semana.

DSC00613.JPG

DSC00612.JPG