Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



"Aqui nasceu Portugal"

por Maria Araújo, em 27.04.18

Dizem com muito orgulho os Minhotos de Guimarães, rivais também dos Minhotos de Braga, embora para mim somos todos portugueses não há cá rivalidades, isso é só no futebol, que também acho ridículo, mas é um facto que os Vimaranenses são vaidosos porque a sua cidade é o berço da "naçon", dificilmente aceitam perder, ou ter menos que os outros, quando um tem, eles também querem ter.

IMG_4320.JPG

A minha amiga M tinha-me convidado para ir com os alunos a Guimarães. O plano era a visita ao Paço Ducal e Castelo, subíamos o teleférico até à Penha, almoçávamos por aqui, seguíamos à tarde para o Bom Jesus,  subíamos no funicular, os miúdos (adolestcentes, na sua maioria) iriam andar de barco, os autocarros esperavam por nós, seguiam para a escola à hora de os miúdos apanharem os transportes escolares para casa.

IMG_4325.JPG

 

Raramente recuso os convites da minha amiga M, disse que sim, bastava dizer o dia do passeio para não marcar nada para o dia. E nas férias da Páscoa avisou-me que seria dia 27, hoje, portanto. 

Levantei-me às 7h00, roupa destinada para passear, mal acordo e vejo o tempo que fazia, estava a chover, altero para uma roupa mais quente. Grande azar! Ontem ainda tinhamos um calorzinho agradável, pensei que a chuva viesse para o final do dia.

IMG_4330.JPG

 

Já estava no carro à minha espera, quando cheguei, fomos ao lugar habitual de trocas de boleias, já estavam alguns colegas à nossa espera, seguimos para o encontro com os alunos.

Feita a distribuição dos miúdos pelos autocarros, fizemos a pequena viagem até Guimarães, a chuva não era intensa, mas estava frio, sabia bem mais uma camisola aconchegada ao corpo.

 

 IMG_4334.JPG

Chegamos a Guimarães, os miúdos iam comer um lanchinho, estão sempre com fome (passam o tempo a comer merdices( gomas, rebuçados, chiqueletes, batatas fritas...) antes de entrarem para o Paço. No largo já se viam muitos turistas, eu ansiava um café, felizmente tinha um em frente ao monumento, senti-me mais confortável com a cafeína.

IMG_4343.JPG

 

Infelizmente, a maioria dos miúdos não sabe estar em lado nenhum. Foi-lhes pedido que não falassem alto, mas não escutam, não querem saber, corriam dentro das salas do Paço, tocavam os objectos, foram chamados à atenção várias vezes não só por nós como pelos funcionários do edifício.

Nunca tinha visitado o Paço, fiquei fascinada  não só com o exterior, mas também o interior sobretudo as tapeçarias, que muito gosto.

IMG_4344.JPG

Ao lado, fomos para o Castelo. Adoro muralhas, castelos, torres, tudo o que seja alto, e seguro, para poder apreciar tudo o que está à volta e fotografar.

IMG_4353.JPG

Mais uma vez aqui, andei pelas muralhas, mais uma vez aqui foi preciso repreender os miúdos, algusn com 14/ 15 anos, que faziam das suas diabruras como se estivessem no pátio da escola a brincar.

Os estrangeiros seguiam com cuidado e olhos abertos, não fosse algum dos miúdos ter ou provocar alguma queda.

E sem me conhecerem de lado algum, repreendia-os, dizia que era uma inspectora contratada para os vigiar.

IMG_4395.JPG

IMG_4408.JPG

IMG_4418.JPG

 

IMG_4419.JPG

 

IMG_4417.JPG

IMG_4434.JPG

 

Pela hora do almoço fomos para, e diziam eles o "telesférico". Muito miúdos demorámos bastante tempo metê-los nas cabines. Vários casais estrangeiros atrás daquele infinito número de crianças, um deles perguntou-me onde podiam  comprar os bilhetes, ( que era no mesmo local onde se entrava para as cabines), tiveram de esperar que a criançada entrasse para comprarem os seus bilhetes, e enquanto isso não acontecia, estava eu no fim da fila para que nenhum miúdo ficasse de fora,  o casal que estava atrás de mim meteu conversa e soube que eram Mexicanos, tinham começado a visita a Portugal pelo sul, subiram até Lisboa. Já tinham visitado Coimbra e Fátima, subiram até ao norte do país, e daqui desceram passando por Caminha, Cerveira, Viana do Castelo, Ponte de Lima, Braga, Guimarães. Voltariam a Braga , queriam ir ao Santuário do Sameiro, já tinham visitado o Bom Jesus, iriam para o Porto. 

IMG_4444.JPG

 

Entretanto, entrei para a cabine com a minha amiga M mais três miúdas que estavam histéricas com a subida e o que viam.

Do lado oposto, virava-me para poder fotografar a cidade lá do alto.

IMG_4452.JPG

IMG_4458.JPG

 

IMG_4465.JPG

 

Gostei, ignorei a altura, o que estava por baixo de nós, o percurso e sobretudo porque se percebe que este já precisa de manutenção. Quando pus os pés em terra foi um alívio.

IMG_4466.JPG

IMG_4467.JPG

Já na Penha, o sol brilhava, os miúdos estenderam as tolhas nas mesas de granito, abriram as marmitas com o farnel, almoçaram a correr para irem para a brincadeira.

Eu e a M sentamo-nos a comer as nossas sandes, as outras colegas tinham farnel.

O comboio de cidade estava no local para ganhar dinheiro, era ver os miúdos pagarem 1 euro para dar a volta ao espaço da penha, uma alegria, pareciam bandos de pardais à solta. Dizia eu que o dia estava ganho com estes miúdos.

Fui visitar a igreja da Penha.

IMG_4474.JPG

IMG_4469.JPG

 

16horas metemo-nos à estrada, íamos dar o prazer de algumas crianças subirem o fincular do Bom Jesus, experiência que nunca tiveram.

Mais algazarra, todos excitados à medida que o funicular subia.

 

IMG_4484.JPG

Lá em cima, foram directos aos gelados, seguiriam para o lago para andarem de barco. Cada bilhete custava 1,50 euros por 15 minutos. A excitação era maior quando se meteram nos barcos, à vez, alguns atreviam-se a fazer algumas piruetas, as colegas tinham de berrar para  que tivessem cuidado.

IMG_4511.JPG

 

Felizmente nada aconteceu, mas é um risco e uma reponsabilidade para os adultos estes passeios e terem de tomar conta de cerca de 150 adolescentes e levá-los para casa direitinhos.

 

IMG_4519.JPG

 

 

Ora eu ficaria pelo Bom Jesus, não precisava de ir à escola com a minha amiga M, um ex-colega reformado ia buscar uma das colegas, vinha com eles.

Lembrei-me de fazer o pecurso a  pé do Bom Jesus até ao lugar onde deixara o meu carro. E se o pensei, pus em prática. Despedi-me de todos os professores, voltei ao funicular fiz a descida, e meti pés ao caminho estrada abaixo.

IMG_4493.JPG

 

O vento era frio, mas estava sol, em 45 minutos estava junto ao meu carro, segui para casa.

A M perguntara-me se estava arrependida de ter ido. 

Óbvio que não. Nunca visitara o Paço Ducal, nunca fora ao Castelo, fora à Penha em criança, e apesar de ter ido várias vezes a Guimarães, uma cidade simpática e que gosto de verdade, ficara pelo centro da cidade.

Os vimaranenses têm orgulho em dizer "Aqui nasceu Portugal" e  honra seja feita, têm os seus monumentos bem conservados, dignos de receberem os mais altos representantes do país e do estrangeiro.

IMG_4437.JPG

 

 

 

 

 

Início

Autoria e outros dados (tags, etc)

As camélias sorriam...

por Maria Araújo, em 12.04.15

Sem Título.png

Hoje, manhã cedo, substituí a aula de body balance pela caminhada até ao Bom Jesus do Monte.

Uma temperatura muito agradável, muitos grupos faziam o mesmo percurso.

Cruzei-me com italianos, franceses, 3 mulheres gregas, uma delas lindíssima, a quem perguntei se queriam que eu lhes tirasse uma fotografia. É nestes momentos que o selfie stick dá jeito, oh, se não dá! Aceitaram.

Os escadórios estão em obras de limpeza, fui à capela do Senhor do Monte, subi a colina até ao lago, desci, sentei-me numa mesa da esplanada do café, cheia casais, crianças, turistas, esperei, esperei, esperei que me atendessem, fiz sinal ao funcionário. Um serviço muito mal organizado.

Após cerca de 15 minutos, levantei-me e vim embora. Ao lado deste café, estava uma senhora que na carrinha, vendia gelados Olá, pedi um corneto soft de avelãs (cada ano que passa os gelados encarecem, mas mingam na  quantidade), soube-me a pouco, mas muito bem.

Desci de ascensor, desta vez do lado de fora para tirar fotos decentes. Ao meu lado um grupo de inglesas deliravam com a descida do ascensor.

Vi as horas. 12:30h e eu ainda tinha um longo percurso a fazer até casa.

As camélias nos jardins vedados das vivendas, sorriam. E, mesmo a jeito, arranco uma branca, mais abaixo uma cor-de-rosa. Pelos comentários que ouvi das miúdas que vinham atrás de mim, a vontade de tirar camélias era grande, mas só o fizeram depois de eu arrancar (copionas).

Os dedos dos pés e os glúteos davam sinais de dor, não podia parar, seria pior, acelerei o passo. 
Faltava ir à padaria comprar o pão, mas tinha de fazer um desvio, fiz-me de esquecida (há bolachas, fruta e gelatina). Olhei o relógio. Fiz o percurso até casa em 45 minutos.

Estes passeios pela rodovia, subir os escadórios do Bom Jesus, são muito saudáveis (ouvem-se os passarinhos em todo o percurso), mas gostava que as minhas amigas alinhassem também.  

As fotografias são as da praxe, mas inevitáveis.

bom jesus 002.JPG

bom jesus 004.JPG

bom jesus 015.JPG

bom jesus 017.JPG

bom jesus 026.JPG

bom jesus 027.JPG

bom jesus 034.JPG

bom jesus 029.JPG

bom jesus 038.JPG

bom jesus 040.JPG

bom jesus 042.JPG

bom jesus 044.JPG

bom jesus 045.JPG

bom jesus 047.JPG

bom jesus 062.JPG

bom jesus 073.JPG

bom jesus 074.JPG

bom jesus 076.JPG

bom jesus 081.JPG

bom jesus 092.JPG

 

 

Início

Autoria e outros dados (tags, etc)

Dormi bem. Nem sequer me preocupei com o fim de mundo.

Minha mãe dizia que o fim do mundo acaba quando morremos.

E se um dia acabar, a culpa é nossa. A Terra, se não cuidarmos dela, tornar-se-á um planeta inabitável (para longe esta boca, que quero que os meus herdeiros vivam uma vida com plena saúde e longevidade). Adiante.

Levantei-me às 5:50h. Tomei o pequeno almoço, tratei da minha beleza e, quando vejo o relógio, lembrei-me que o comboio urbano mais rápido para o Porto era às 7:45h.

Deitei-me, não fechei os olhos para não estragar a maquilhagem e esperei que o relógio despertasse às 7:00h.

Mas adormeci (de olhos abertos não, lol). Acordo e reparo que são 7:15h (o sacana não tinha despertado. O que vale é que o  tenho adiantado 10 minutos), saio da cama, visto-me , calço-me , tomo um café para despertar e saio às 7:30h em ponto.

Consigo um lugar perto da estação (felizmente o meu carro é pequeno, ficou entre uma carro e o limite do passeio da saída de uma garagem), compro o bilhete e entro no comboio (faltavam 8 minutos para a partida).

Quinze minutos após a partida, vem o revisor, pede-me o cartão (que tenho há um ano), dou-lho juntamente com o recibo, e  diz-me: "Não quero o recibo ". Entrega-mo e pega no cartão olha-o e diz: "A senhora não passou o cartão na máquina."

Parva a olhar para ele perguntei: "como?"

"A senhora tinha de passar o cartão na máquina. A multa é de 300 euros. Mostre-me o recibo".

Entreguei-o e comenta: "A senhora comprou a viagem de ida e volta hoje, mas tinha de passar o cartão na máquina."

Quando, onde, como iria eu lembrar-me  disto? As minhas viagens de combóio são esporádicas.

Desfazendo-me em pedidos de desculpa comentei:"Raramente viajo de comboio. Não me lembrei que tinha de passar o cartão. Que faço agora?"

Responde-me: "Activei o cartão, mas nunca mais se esqueça. Imagine que a senhora saía em Nine. Viajava gratuitamente"

Mais um pedido de desculpa, e safei-me da multa.

Chego ao Porto, compro um cartão para o metro e vou até ao estádio do Dragão. A partir daqui tinha de andar 1 quilómetro a pé. Nada demais. Gosto de andar. Só que a chuva miudinha era chata. Uma manhã muito cinzenta e nublada lá no Porto.

Chego ao meu destino. Tinha 3 pessoas à minha frente. Ótimo.

Depois de resolver o assunto, e decidida a passar o dia com as minhas sobrinhas e o meu sobrinho neto (que ainda não conheço. Amanhã vem para Braga), mudei os planos, pois tinha de ir à escola  entregar uns documentos.

Comboio de Campanhã com partida às 10:50h, ainda tinha tempo de tomar o café.

No café em frente à estação, sentei-me, e enquanto esperava a meia torrada, vejo um casal jovem levantar-se da mesa , junto à porta e virem na direção da minha mesa. Ela com os olhos semicerrados, pareceu-me que era invisual.

Todos os olhos caíram neste casal.

Sentaram-se perto da mesa onde me encontrava.

Entretanto, entra um jovem. Ótimo aspecto. Artista, arquiteto, ou qualquer outra arte, foi o que me pareceu ser e senta-se na mesa ao lado da minha.

Um burburinho gera-se, alguém pergunta se quer que chame uma ambulância e vejo a jovem deitada na cadeira.O companheiro não quer a ambulância e o empregado pede um copo de água morna com açúcar.

As pessoas observavam. A jovem estava pálida, muito pálida. E não era invisual. O mal estar dela fez com que o parecesse.

Entretanto, o jovem da mesa ao lado pede ao empregado: "Uma francesinha".

Os ponteiros do relógio indicavam 10: 20h (rio-me do que vou escrever).

Pergunta e comentário imediatos do empregado: "Uma francesinha?! O senhor sabe o que leva uma francesinha? Estas pessoas vêm do Alentejo e gostam de comer coisas diferentes".

E responde o jovem cliente: "Sei o que é uma francesinha. Já comi. Quero uma francesinha".

E o empregado tenta remediar o que perguntara/comentara:"Sabe, é que as pessoas do sul e os estrangeiros, quando vêm ao Porto, gostam de comer as nossas francesinhas!"

Vem a minha meia torrada, a jovem recupera, o companheiro faz-lhe umas meiguices na perna, os clientes "regressam" ao seu café, croissant, meia de de leite...

Tomo o café, pago e vou direta à estação (desta vez, não me esqueci de passar o cartão na máquina).

O combóio entra na linha, saem os passageiros, entram outros, e eu também.

Vem o revisor, pede-me o cartão e devolve-o.

"Está tudo ok,"pensei.

Do meu lado esquerdo e atrás um lugar, viajavam quatro estrangeiros, três jovens  do sexo masculino e uma do sexo feminino que trazia um turbante.

Penso que seriam de países diferentes. Mas eram todos orientais.

Quando o revisor lhes pede o cartão, eis que os olhos voltam-se para ele. Começa a falar Inglês, com alguma fluência, o suficiente para os jovens o perceberem.

Então o que aconteceu? O revisor dizia-lhes que se tinham enganado no comboio. Perguntou-lhes para onde iam.

"Aveiro", respondeu um deles.

Pois é. Os jovens vinham para Braga.
Então, o revisor explica-lhes o que devem fazer. 

Continua a sua tarefa de verificar os cartões até que numa das estações ele aproxima-se e diz-lhes que devem sair e esperar pelo comboio que vem em sentido contrário, voltarem a Campanhã e perguntarem qual a linha que deviam embarcar.

Os jovens agradecem e saem.

O revisor senta-se. Passados alguns minutos, ouve-se a sua voz ao telefone: "É para avisar que 4 estrangeiros viajavam no comboio errado. Eles vão para Aveiro. Avisa o número 22 ou 24, não tenho a certeza qual deles faz a viagem para o Porto. Diz-lhes que saíram na estação X e que os deixem entrar".

Gostei da atitude do revisor. E do modo como se exprimiu com os 4 estrangeiros.

A viagem continuou. Cheguei a Braga, vim a casa, fui ao banco, almocei uma refeição ligeira mas saborosa, e fui à escola.

Entreguei os documentos, fui desejar um Feliz Natal aos funcionários e aos elementos da direção.

Passei no Braga Parque, comprei umas prendinhas para duas amigas e aqui estou eu a escrever este meu dia de fim do mundo, que não aconteceu.

Feliz Natal.

 

 

 

 

 

 

 

 

Início

Autoria e outros dados (tags, etc)


foto do autor



o meu instagram


1º desafio de leitura - 2015 2º desafio de leitura - 2017 3º desafio de leitura - 2019

desafio


10 anos




Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2012
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2011
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2010
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2009
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2008
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D


Encontros - eu fui

IMG_2230 (2).JPG MARCADOR