Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Cantinho da Casa

Cantinho da Casa

a leitura real EDP

Maria Araújo, 23.08.17

 

 

application initializing

 

Todos os meses faço a leitura de eletricidade cá de casa, entre os dias 7 e 10 de cada mês, e envio para aqui.

No passado mês de Novembro de  2016, o contador  bi-horário foi substituído, passei a registar três leituras em vez de duas. 

Desde então as minhas idas à EDP foram frequentes, porque a página de leituras não fora alterada, não conseguia registar as três novas.

Depois de  várias tentativas na loja e online para conseguir enviá-las, só em Abril ficou resolvido o problema através do meu registo online, que antes, também, não conseguira entrar (após um e-mail a pôr o problema, o assunto resolveu-se).

Foi sol de pouca dura, porque nos meses seguintes fornecia as minhas leituras mas na factura  vinha a leitura estimada ( da EDP. Em Julho correu bem, estavam correctas.

Este mês, registei a leitura do contador, atempadamente, no dia 7, para que a EDP não facturasse por estimativa.

Contudo, consultando a minha página de cliente EDP,  verifiquei que as datas das leituras estimadas dos últimos dois meses são de cinco dias  após as minhas, e aquelas eram as que vinham nas facturas.

Achei estranho. Se tinha o cuidado de as dar dentro do prazo, porque diabo as minhas não eram as facturadas? Não fui reclamar, aguardei a factura de Agosto.

Recebo-as por via electrónica, entre os dias 16 e18, não recebera aindaa do mês, passei ontem, dia 22, na EDP. 

A factura estava para ser enviada, desta vez, mais tarde uns dias.

Quando expus a questão das leituras que dou atempadamente e a EDP considerar as estimadas, a funcionária, depois de consultar o computador, elucidou-me desta forma:

" No caso do seu contador, a leitura passou a ser automática, isto é, a senhora deu as suas leituras no dia x, e fez bem, mas a EDP fez o registo automático no dia y ( os tais 5 dias após o meu registo) e este é que conta. Não sei se me faço entender. A partir de agora, não precisa de registar na página as leituras do seu contador porque este fá-lo automaticamente no dia 12. E o envio da factura passa a ser também mais tarde."

Toma, Maria! Se não fosses reclamar ficavas todo o tempo sem saber o porquê de a factura trazer a leitura estimada, que é agora a leitura real!

A minha resposta foi esta: "Entendi, sim. Mas a EDP devia informar os clientes desta alteração. E pode ter a certeza que todos os meses, no dia 12, vou ler o meu contador. Se houver disparidade, garanto que venho reclamar."

Hoje, recebi a factura.

Cá está ela, a minha leitura:

 

Sem Título.png3 (2).png

 

e a leitura real, automática/EDP

 

Sem Título.png

 

EDP Box

Maria Araújo, 21.07.16

 

ng3281059.jpg

 

Mais de 50 anos que este prédio tem, nunca a luz das escadas avariou.

Em finais de 2015, a EDP enviou uma carta a informar que, oportunamente, seria retirado o contador ( que não foi) e substituído por uma box (terminal de rede inteligente)-

Em fevereiro deste ano, subia eu as escadas, vejo os técnicos procederem à sua substituição ( continua lá o velhinho contador), faei com eles. 

Serviço feito, tudo corria bem até que há 48 horas, o sistema automático deixou de funcionar.

A luz está dia e noite ligada.

Na caixa, encontrei o Auto de Retirada do Contador,  com a identificação da empresa, que nem é de Braga, que fez a instalação do novo contador.

Liguei.

Informaram-me o que eu previra: "tenho de contratar um electricista credenciado para ver o que se passa".

O mais caricato é isto mesmo: " em 50 anos que vivo neste prédio, nunca o velhinho contador deixou de fazer o seu trabalho".

Como a energia do prédio está nas minhas mãos, lá terei de procurar o tal electricista credenciado.

 

 

o mar e o homem

Maria Araújo, 23.02.16

o dia do meu aniversário foi passear pela praia, carregar o corpo e a mente de energia, sentir o sabor salgado do mar e a aragem fresca do vento fraco, deixar fluir o pensamento.

É no inverno que melhor aprecio estes momentos, só meus,  também de outras tantas pessoas que passeiam pela praia, ou vão surfar, ou até pescar. 

Neste caminhar de inverno pela praia, tem-se a noção do quanto o mar,  revolto, e o homem medem forças, um porque precisa de  mostrar a sua ira quando o mau tempo vem, o outro para manter a praia "intacta" para a próxima época balnear.

Nesta luta constante, o homem adopta as estratégias e os meios mais seguros para que o mar não destrua as dunas, estas preservem as lindas vivendas que ele, homem, de forma desordenada e para seu prazer (é tão bom ter uma casa numa duna com o mar como paisagem),construiu.

E foi nesta caminhada  que entendo a luta travada entre o homem e o mar. Um leva areia, o outro retém-na ou vai buscar a outros lados, draga-a ao próprio mar para, em tempo oportuno, libertarem as cordas, os "sacos" , os tubos, sei lá, e fazer a praia, agora minúscula, uma praia aprazível no verão.

Depois há o lixo que se acumula na praia. Os troncos de árvores que o vento, nos dias de tempestade, leva para onde calha, o pneu de tractor que, provavelmente, o mar trouxe ou o homem esqueceu de o levar.

Apesar de tudo, as nuvens cinzentas, o sol que espreita, o céu, por vezes azul, convidam ao prazer de uma bela e serena caminhada.

O que aqui escrevi é o pouco que sei e que estas minhas  fototografias mostram destas coisas da engenharia hidráulica e do ambiente.

po 110.JPG

po 111.JPG

po 118.JPG

po 121.JPG

po 122.JPG

po 123.JPG

po 127.JPG

po 129.JPG

po 131.JPG

po 133.JPG

po 136.JPG

po 139.JPG

po 140.JPG

po 144.JPG

po 148.JPG

po 149.JPG

 

 

É só energia!

Maria Araújo, 29.03.14

de manhã aula de hidro,

almoço,

saída a pé para a aulu de zumba, ás 16.30h

regresso a casa,

estou rota...

e às 20.30h, uma missa de sétimo dia (nunca imaginei que houvesse missa a esta hora),

jantar,

depois, vou deixar-me adormecer no sofá...com a Kat, a minha gata, estendida, na sorna, em cima das minhas pernas.

é só energia...mas estou rota de cansaço

 

O professor

Maria Araújo, 08.03.14
 
 
que hoje substituiu o meu professor de hidro, é meu primo em 2º grau.

Costuma puxar muito por nós, imprime muita energia á aula, exige esforço.

E hoje, deu-lhe para "meter-se" comigo.

Bem alto dizia:"vá lá, és capaz, já falta pouco, tu consegues", e eu ria-me e "puxava"mais por mim até que num dos exercícios  que tinhamos de levar os pesos às pontas dos pés, diz-me:"vá, mais, com umas pernas tão boas, és capaz de mais...".

E eu alinhava no que ele pedia. As senhoras riam-se e olhavam para mim.

Não estamos habituadas a este tipo de aulas (o nosso professor é mais "soft").No final da aula, algumas senhoras comentava"este professor  é exigente".

Eu gosto destas aulas em que temos de mostrar energia e resistência.

Desta forma, comecei o dia da Mulher com muita genica.

E a propósito de"ser capaz", vejam como o nosso poder é intenso e forte...um vídeo "roubado" da Lolita...

 

 

 

Por cá, há quem o faça

Maria Araújo, 26.08.13

Ao entrar no Sapo, li esta notícia.

Durante muitos anos, enquanto estive no ativo (até ao dia 25 de julho transacto) tive sempre o cuidado de desligar os interruptores das salas por onde passava, assim como o computador, quando não precisava de o usar mais. Aliás, na última aula do dia, sempre que via um computador ligado, desligava-o eu. Garanto que 99,5% dos colegas não os desligavam.

Recentemente, alguém me dissera que as ordens eram para deixarmos as luzes ligadas, pois ficava mais caro ligar e desligar os interruptores sempre que uma aula acabava e começava outra.

Sinceramente, achei estranho, mas continuei a  fazê-lo.

Por volta do mês de maio, os alunos dos cursos de eletricidade andavam pelas salas a colar post-it. Estes diziam: "por favor, desliguem o interruptor".

E foi neste gesto que concluí que eu tinha razão, contrariamente à maioria dos colegas que deixavam as luzes sempre ligadas, tarefa dos funcionárias dos pavilhões.

Se há mais escolas que poupam energia através de um gesto tão simples como desligar o interruptor, não sei. Na minha, finalmente, foi adotado no ano letivo transacto.

Se em casa tenho o hábito de poupar na eletricidade ( os únicos aparelhos que ficam ligados durante a noite, e porque tem de ser, são o frigorífico, o cilindro e o telefone), faço o mesmo no local de trabalho e "ai, que sou sempre criticada!", em casa dos meus familiares.

Todos temos de mudar de atitude e esta não custa nada.

 

 

 

 

EUA: post-it nos interruptores ajudam três escolas a poupar €262 mil em electricidade

 

 

O outro lado da água

Maria Araújo, 22.03.13

que não vemos.

Do FB

 

 

 

 E a DECO recomenda:

Reduza os encargos denunciando desperdícios de água.

Adira à nossa ação de denúncias de perdas de água no seu município. Esteja atento! A sua participação pode mudar a fatura da água.

denuncie já!

Repórter na rua

Se detetar desperdícios de água, como rotura de tubagem, regas desadequadas em espaços verdes municipais ou fuga visível à superfície, aceda ao formulário de denúncias. Indique a localização e, se puder, envie também uma fotografia. Enviaremos de imediato a sua denúncia para a entidade gestora do município, para que a situação seja reparada. Daremos também conhecimento à Entidade Reguladora dos Serviços de Águas e Resíduos.

Maior eficiência

Com a sua denúncia, contribui para a maior eficiência da entidade gestora responsável pelo abastecimento de água no município, o que poderá refletir-se em menores custos futuros no tarifário. As tarifas dos valores a pagar na fatura devem excluir ineficiências das perdas de água.

Melhor ambiente

A água é um recurso escasso. Se for desperdiçada, o custo não é apenas económico. Implica também uma fatura ambiental desnecessária.

Água perdida, subida da fatura

As tarifas da água tendem a aumentar para suportar os custos do serviço. As perdas de água chegam a 25 por cento, mas há municípios onde este valor pode mesmo triplicar. Cada gota perdida são custos acrescidos que podem aumentar as tarifas e a fatura no final do mês

 

 

E porque amanhã há mais uma "hora do planeta", cá estarei para jantar à luz das velas.

 

 

 

I will!

 

 

Poupa hoje, para usufruires amanhã.

Energia

Maria Araújo, 21.04.12

Depois da chuva da manhã, o sol chegou; depois de uma aula de hidroginástica (cans)ativa e de um relaxamento ao som de "perdoname"; depois de um corte de cabelo (andava a precisar há algum tempo); depois de duas horas aqui a trabalhar, acho que vou lá dentro tomar um cházinho e comer uma torrada; e depois, acho que vou fazer uma máscara de rosto e relaxar um pouquito.

Passar o fim de semana a pensar no trabalho que se tem de programar para a semana que vem, é "duro", mas também não apetece sair de casa.

É energia em ação!