Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

cantinho da casa

cantinho da casa

Diário de bordo

Gosto de ler as lindas palavras de uma jovem com o endereço diáriodebordo 

Hoje postou uma história muito humana, e sensível, que me pôs a pensar na importância que damos às coisas supérfluas da vida.

Como nesta história, também tive momentos de esperança, de alegria em ver que os meus familiares que faleceram, também tinham grande força para lutar contra essa terrível doença;o cancro,

Penso todos os dias que um dia vou ser eu a passar por estes momentos. Não sei se vou ter coragem,embora seja uma pessoa corajosa,  e tente suportar a dor com resignação. Mas vendo o que já vi, não sei.

Não quero com isto dizer que vivo obcecada com a doença. Não. Penso nela como algo que poderá acontecer, e que terei de ter a força que todos têm para viver os dias bons com muita energia, fazendo o que gosto: ler, passear pela praia no Inverno, postar no meu blog, e dedicar o tempo que for possível àqueles que eu amo e que fazem parte da minha vida.

Todos os dias da minha vida penso no meu trabalho,  nos colegas com quem me dou melhor, nos meus amigos(as), na minha família.  Não gosto de comentários negativos, tento ver as coisas hoje com projecção no amanhã, mas resolvê-las com serenidade.

A vida é breve. Quero amar e sentir-me amada. Quero sentir que quem gosta de mim é leal comigo como eu sou com eles.

Quero acima de tudo gostar de mim, respeitar-me e transmitir esse respeito a todos aqueles que todos os dias estão comigo e confiam em mim.

Quero ser eu.

À Artemisia, do diário de bordo, obrigado pela história. É  uma mulher  boa, sensível, preocupada.

Força para si ,que também precisa.

 

 

 

 

 

O que li hoje sobre as ruínas de Braga

Universidade do Minho defende musealização no local

Templo romano no centro de Braga

 

As escavações arqueológicas que decorrem na principal avenida de Braga colocaram a descoberto um templo romano datado do século I.

A grandeza da descoberta levou já a Unidade de Arqueologia da Universidade do Minho a defender a musealização “in situ” do achado, proposta que implica que a circulação rodoviária se faça por viaduto, a partir da zona dos antigos CTT. Ponto assente é que já não será possível prolongar o túnel da Avenida da Liberdade para além do quarteirão dos antigos Correios

 

 
Na página interior do jornal, está em detalhe o que se diz sobre as ruínas... por que há mais, muito mais.
Vou tentar arranjar o jornal e falarei do que mais se descobriu.
Espero que o bom senso da autarquia preserve o espólio de temos nesta cidade...debaixo da terra que pisámos.