Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Cantinho da Casa

Cantinho da Casa

a consulta

Maria Araújo, 12.10.19

A primeira vez que venho à consulta de oftalmologia no Hospital da Luz (antiga Clipóvoa), à tarde.

Hoje de manhã, fui ao ginásio, tomaria lá o meu banho,iria a casa almoçar e ,sem demoras, auto-estrada fora, queria chegar a horas à consulta.

Ora, quando vou para tomar banho, reparei, coisa muito rara, que não metera cuecas e sutiã na mala.

 Tudo o que estava dentro do cacifo volta para a mala, fui para casa.

Tomei banho, almocei, vesti-me, às 13:15 entrei na autoestrada.

Cheguei ao Hospital 10 minutos antes consulta.

 

Estavam três pessoas na sala de espera.

Dez minutos depois, a sala encheu.

Às 14:40h entrei no consultório: 

O doutor ainda trabalha a esta hora?!", perguntei.

— Ui! O que ainda tenho para trabalhar-,respondeu.

—É a primeira vez que tenho consulta a um sábado de tarde",comentei.

E aqui estou eu,  de novo, na sala de espera, aguardando que me chamem para fazer o exame às células.

Desde 2016?? que faço este exame.

E diz o médico:

—Estás impecável. Conheço-te há dez anos e não mudaste nada.

-Mudei, sim. Estou mais velha.

—Estás muito bem. Continuas magra ,sempre a mesma elegância, não mudaste nada.

E é isto.

Venho à consulta do ano, recebo  uns piropos que, verdade seja dita, fazem bem ao ego.

Este médico terá 45 anos, no máximo.

E é uma simpatia.

entenda-agora-a-real-importancia-de-ir-ao-oftalmol

 

à oitava foi de vez

Maria Araújo, 25.09.19

Conforme escrevi aqui, o hospital marcou uma consulta para esta segunda-feira, ao princípio da tarde. Liguei no mesmo dia de manhã a pedir que a consulta passasse para última hora de consultas, tinha uma viagem ao Porto com probabilidade de cancelar caso não chegasse a tempo.

Fui ao Porto, tudo correu bem, não apanhámos muito trânsito, cheguei a horas, fui para o Hospital. Esperei cerca de quinze minutos ( desta vez acreditei que teria a consulta, havia mais pessoas para a especialidade).

Um médico jovem e simpático ouviu o que me levou a procurá-lo, viu a ressonância magnética, explicou-me o que se passava com a minha coluna, confirmou que tenho bicos de papagaio.

Não tendo, agora, dores, não há necessidade de operar, talvez quando for velhinha, até porque, disse " a sua coluna está a envelhecer".

Resolvido e esclarecido o que queria, não esqueci que tenho de escrever uma carta à admninistração a expor o que aconteceu com as sete consultas marcadas e das quais nenhum médico compareceu, e porque ainda não recebi a resposta a esta reclamação.

 

 

 

 

uma história que

Maria Araújo, 17.09.19

images.jpg

começou aqui, continuou aqui, e duvido que acabe aqui.

Sete consultas de neurocirurgia que marquei entre 5 de Agosto e hoje, nos dois hospitais, Centro e  Sul, em nenhuma os médicos compareceram.

Resumidamente, o que aconteceu foi que depois de ter apresentado o motivo da reclamação no Livro de Reclamações, no passado mês, continuei com as marcações, na expectativa que um médico aparecesse, cheguei  à sexta consulta, para o dia 11, quarta-feira. Bom, as férias acabaram, desta vez vou conseguir, pensei... E mais uma vez, no dia anterior, recebo uma SMS a informar que o médico tivera um percalço, não podia dar consultas.

Não perdi tempo, fui ao hospital expor a situação ao gestor de clientes.

Mostrei a cópia da reclamação que fizera no dia 12 do mês passado, que leu, ligou para quem trata do assunto, percebi, e confirmou-o, que teria uma resposta em breve ( nada recebi ainda).

Parecendo-lhe que ficara esclarecida, foi então que referi o motivo da minha presença ali.

Queria  que apresentasse à admnistração a minha revolta, que explicasse que das seis consultas que marcara durante um mês de todas recebera chamadas telefónicas e/ou SMS a informar que os médicos, que foram vários, cancelaram-nas; que havia falta de organização do hospital, que iria escrever-lhe uma carta, que não era correcto o que estava a acontecer com os clientes (será que só eu fui a vítima?)

Mostrando eu relutância na marcação de nova consulta, o gestor de clientes sugeriu, então,  que procurasse um médico no exterior, que em nome do hospital pedia desculpa.

E foi então, para espanto meu, que na sexta-feira recebo uma SMS a confirmar uma consulta para hoje, no Hospital Braga Sul. Não desmarquei, e porque fora o próprio hospital a marcá-la, queria ver se finalmente o/a  médico(a) viria dar consulta.

O hosptital fica nos arredores da cidade, fui de carro, a consulta era às 10h00. Dei entrada, fui para a sala de espera. Passado cinco minutos a funcionária vem ter comigo, confirma se sou a Maria x, comunica-me que o médico não podia realizar a consulta.

Que raiva que senti!

Manisfestei-a à pobre coitada que não podia fazer nada, pedi que me desse um nome da administração, não sairia de lá sem expor, mais uma vez, mas agora neste hospital, o que estava a acontecer.

Queria, sobretudo, realçar que os utentes servem-se da APP e do balcão para fazerem as marcações, não se justifica que a administração mantenha a especialidade porque os médicos não comparecem para realizar as consultas

Fui recebida por uma senhora, que me ouvi com atenção.

Respondeu-me que estranhava o comportamento dos médicos, que eles abrem as agendas para marcação e o hospital não sabe do que se passa, que comprometiam a imagem do hospital.

Sugeriu-me nova marcação, o médico x é muito bom (comentei que este foi um dos que cancelara consulta), aceitei, mais uma vez, esta que é a sétima consulta, e que será??? no próximo dia 23. 

Mais foi dito, conclui que iria escrever uma carta para cada uma das administrações destes hospitais.

E quando neste post referi que tencionava procurar num hospital no Porto, fi-lo. A consulta aconteceria no dia 9, segunda-feira. Na sexta-feira da semana anterior, recebi uma SMS, um telefonema e  um e-mail comunicando que o médico não podia dar consulta.

Pergunto: o que se passa com os médicos da especialidade de neurocirugia dos hospitais privados?

 

 

nem queria acreditar...

Maria Araújo, 23.08.19

mais uma tentativa de consulta de neurocirurgia, marquei na passada segunda-feira para hoje, às 18:00.

Comentei comigo que, desta vez, iria correr bem, eis que  às  09:25h recebo uma chamada, vejo o indicativo 22, reconheci o número, comentei " mais uma que não vai acontecer". Atendi, deixei a pessoa falar até que entro a descarregar, com educação, porque eu compreendo que estas pessoas estão a passar a informação, e expliquei que esta era a quarta consulta que era cancelada.

Pediu desculpa em nome do hospital,  disse-me que ia dar conhecimento das minhas reclamações, que vou ter resposta a esta, que sempre que precisasse que alguma coisa que a procurasse, que me elucidaria de tudo o que fosse necessário... Sugeriu-me outra data, mas eu não quis marcar nova consulta.

Nem quero pensar mais no assunto.

a consulta de neurocirugia que não aconteceu

Maria Araújo, 12.08.19

Tenho um feeling muito bom ( pena que não o tenha para jogar no euromilhões ou na lotaria) .! E tive-o, hoje .

Depois da terceira tentativa de marcação de consulta de neurocirurgia, hoje, a consulta estava marcada para as 16:15h, fui a horas para dar entrada, subo ao andar respectivo, os minutos passavam, até que meia hora depois ouço a colaboradora chamar o meu nome, aproximei-me, convicta que ia entrar para o consultório, quando me diz que o médico estivera nesta unidade a dar consultas mas, entretanto, fora para o hospital Braga sul, se eu queria ir lá, ele estava até ao final do dia.

Palavra que ela disse!

Educadamente, e pedindo desculpa pelo que ia dizer pois não são elas que têm de ouvir as reclamações dos utentes, expliquei o que se passou nas duas vezes que tinha consulta da mesma especialidade, que desistia desta, e se o médico estava no outro hospital, deviam ter avisado pelo menos 15 minutos antes, não era depois de trinta minutos de espera que eu é que tinha de me deslocar ( 5km)  ao outro hospital, visto que  consulta fora marcada para esta unidade, que ia pedir o livro de reclamações. 

Desci, fui à recepção, pedi que anulassem a consulta para não pagar o que não tive, e pedi o Livro de Reclamações, onde registei tudo o que aconteceu desde a marcação da primeira consulta.

Eu considerei que foi uma falta de ética o ocorrido, mas Robinson Kanes tinha razão quando comentou isto no meu post:

"Falta de ética não direi. Falta de organização talvez... Hospitais privados não são muito diferentes do público, talvez os lençóis e os pijamas :-)"

É, sem dúvida, falta de organização.

Esperarei pacientemente a resposta à minha reclamação.

Antes de este hospital abrir em Braga, deslocava-me à Clipóvoa, agora Hospital da Luz.

Nunca tive problemas, nunca houve uma falha com as consultas, vou procurar a segunda opinião no Porto.