Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Cantinho da Casa

Cantinho da Casa

retrokitchen

Maria Araújo, 14.05.16

é um pequeno restaurante na estreita rua do Anjo, no centro da cidade, junto ao Museu Pio XII.

Toda a decoração é vintage, os anfitriões foram buscar as mesas a uma escola, está a abellha maia  o  símbolo que foi a entrada de um restaurante na rua de Souto, onde  as crianças que passeavam com os pais tinham de se sentar na abelha e o banco ora subia, ora descia, ao som da célebre música da abelha (a Sofia sentou-se imensas vezes); as peças de Lego; os quadros alusivos ao cinema e à música: o quadro do menino que as famílias dos anos setenta tinham na parede do quarto; a louça variada Bordalo Pinheiro nas várias cores; verde, azul, rosa, cinza, um toque diferente ao que estamos habituados a ver.

Nas traseiras há um terraço com bar para uma bebida fresca nas noites quente de verão.

1463242592586.jpg

1463236775471.jpg

1463234394203.jpg

Quem passa na rua não tem a noção de que é um restaurante peculiar na cidade.

As minhas sobrinhas (irmãs) tinham falado nele na altura da Páscoa, gostaram do ambiente, da comida, dos preços.

A conselho delas, uns dias mais tarde, passei lá para jantar com uma amiga, estava cheio, só por reserva. Adiámos para outra altura.

As minhas sobrinhas  estão cá de fim de semana. Tinhamos combinado jantar fora, falaram no Retrokitchen. Uma delas ia fazer a reserva. 

Houve alteração de planos, esgotadas as reservas  para jantar, decidimos antecipar para o almoço.

Almoço marcado, ontem, pela mais nova.

1463234400146.jpg

1463242625367.jpg

IMG_20160514_161640.jpg

 

Elas chegaram mais cedo ao restaurante, encontrámo-nos lá, eu, a Sofia e a minha irmã mais nova.

Estavamos nas entradas e diz a mana sobrinha, mais nova.

- Ontem, quando telefonei para fazer a reserva, deixei o meu nome, como de tinha de ser. Há pouco, quando aqui chegámos, o anfitrião abriu-nos a porta, dissemos que tinhamos mesa reservada.

- Em que nome ficou a reserva? - perguntou.

- Joana Vasconcelos.

- Oh! Ontem falamos que vinha cá a Joana Vasconcelos e afinal vejo duas lindas e elegantes jovens - comentou ele.

E a gargalhada na nossa mesa foi geral.

Ao que parece, já não é a primeira vez que alguém faz reserva com o mesmo nome de alguém conhecido, os anfitriões comentam se será a pessoa tal...

Então, para entrada comemos ameijoas de caldeirada, umas boas fatias de regueifa para molhar o pão, soube-nos muito bem.

Não há carta de ementa. Um dos anfitriões (um casal jovem) vem à mesa e diz qual a ementa.

Eu escolhi a moqueca de peixe, a Sofia e a mãe, bife com molho de pimenta,  e as sobrinhas manas, massa cozida em vinho tinto com espargos e queijo.

1463234416449.jpg

1463237401650.jpg

Comida ótima a puxar um pouco ao picante, mas tudo muito bem cozinhado.

Para beber: cerveja, coca-cola e ice-tea.

Conversa, risos, as pessoas almoçavam, saíam do restaurane e nós continuavamos.

A Sofia come devagar, foi a última a acabar.

Sobremesas variadas, pedimos pana cotta de frutos silvestres, uma fatia de tarte lima e uma  de bolo de chocolate com molho de frutos silvestres.

No final café para três.

1463242671477.jpg

 

Continuamos a conversa, os anfitriões despediram-se de nós, iam para uma feirinha que tinha lugar nos claustros, pagavamos à funcionária, ficaram a cozinheira e a funcionária.

Pedimos a conta. Pagamos 13 euros por pessoa.

Quem passar por Braga e deseja comer boa comida, e num ambiente familiar, deixe o carro numa rua ou parque no centro da cidade e passe pelo Retrokitchen. Garanto que vai gostar.

As minhas fotografias, do telemóvel, não foram as melhores, mas há muito para espreitar aqui.

 

Há quem recuse comida

Maria Araújo, 28.12.14

O meu irmão mais novo, engenheiro de profissão e cozinheiro por gosto (cozinha todos os dias) faz pratos maravilhosos, capricha no que faz, e tudo lhe sai bem.

Como este ano era a vez de vir à família do lado de cá, e como sempre,  fez o almoço de Natal que constava de perú assado, perna de borrego assada e arroz de sarrabulho (estava uma espectacular). Faz umas batatas a acompanhar cada um dos pratos que são uma delícia...são os temperos, pois claro (e na família todos cozinham bem).

Vê programas e lê livros de culinária, experimenta (eu não tenho paciência, sigo os passos da minha mãe que era uma boa cozinheira), arrisca e tudo lhe sai bem.

E na doçaria, ui! Faz cada bolo de fazer inveja! Saem-lhe bem, já os meus deixam muito a desejar.

Na doçaria de Natal, faço o que aprendi com a minha mãe.

Costumo fazer um pão inteiro de rabanadas e este ano decidi fazer a versão com leite e a versão com mel e vinho do porto.

Aqui em casa poucos são os elementos da família que as comem, costumo oferecer a quem gosta e não as faz ou compra.

As rabanadas que fiz com leite não chegaram a ir à mesa.

Não gosto de desperdiçar e como eu só como uma quente, quando as frito, não sabia o que fazer delas.

Lembrei-me de as levar a uma mulher que costuma pedir ajuda às pessoas que passam para o cemitério, Dia ou DeBorla.

No verão passado, dei-lhe roupas e calçado. Dinheiro, não dou.

Hoje, passando de carro no outro lado da rua, vi dois arrumadores que costumam andar por lá ao fim de semana, sendo um deles mais velho, deduzi que terá filhos e netos, lembrei-me de, após o almoço, levar as rabanadas e o arroz de passas.

Embrulhei em papel de alumínio, coloquei-as numa caixa de papel, pus o arroz numa embalagem de comida take-away, meti num saco e lá fui eu feliz e contente pôr as garrafas no vidrão e perguntar ao homem se queria as rabanadas e o arroz.

Aproximei-me dele e fiz a pergunta. O homem olhou para mim e  responde "Não quero. Ainda há bocado me deram. Olhe, vá aquele homem que está ali em baixo e dê-lhe".

Resposta minha " Não quer? Não falta quem queira!"

E regressei a casa murmurando "Esta gente só quer dinheiro e ai de quem dá menos de 50 cêntimos! Não querem comida... ". Guardei o saco no frigorífico.

Provavelmente, ainda pego no carro e vou levar à mulher que anda lá pelo parque de estacionamento do DeBorla. Será que ela vai aceitar?!

Fiquei decepcionada.