Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



coisas do meu dia

por Maria Araújo, em 17.01.19

Tudo preparado para sair de casa, logo de manhã e mais cedo  para não perder a reserva da aula, ouço os nós dos dedos de alguém que batia à minha porta.

A Sofia tem esse hábito, sei quando é ela porque a maioria das vezes vem almoçar comigo, mas como está no Porto a estudar e nesta  época anda em exames, não poderia ser ela.

Perguntei de dentro quem era, respondeu-me uma voz rouca de homem. Não percebi nada do que disse.

Espreitei pelo monóculo, vi o homem que teria mais de sessenta anos, voltei a perguntar o que desejava. A voz era indistinguível, quando voltei a perguntar o que desejava, respondeu-me que estaria enganado, e subiu as escadas para o terceiro andar.

Tenho estacionamento pago no parque do ginásio, costumo tirar o cartão da carteira em casa,  ponho-o no tablier do carro, o lugar mais acessível para, à chegada ao parque, passá-lo na máquina e não perder tempo a  procurá-lo.

Entretanto, quando saí de casa, o homem estava no andar de cima, ouvia-se a voz do filho do casal a falar de dentro, continuei a não endentender nada do que dizia, até que o som do intercomunidar da porta do prédio fez-se ouvir várias vezes.

Saí de casa, não sei o que se passou.

Quando chego ao parque do ginásio, lembrei-me que não pusera o cartão no carro, fui à mala onde levo a minha roupa, procuro no bolso de fora, não sinto a carteira.

Estavam o telemóvel e porta-moedas, mas a carteira não. Abri a porta do carro, saí, tirei a mala para fora, tirei tudo do bolso. Nada.

O que me veio à mente: quando o homem batera à porta, eu tinha a carteira na mão pronta para tirar o cartão, mas pusera-a em cima do móvel e nunca mais me lembrara dela.

Ora, na carteira, tenho todos os documentos de identificação e os do carro.

Se por algum motivo tivesse de apresentar os documentos ( que raramente acontece), não os tinha comigo.

Estacionei o carro no parque exterior, fui à recepção levantar a senha. Para a levantar, tenho de ter o cartão do ginásio, o mesmo que me dá acesso a entrar no parque.

Disse ao recepcionista que me esquecera do cartão em casa. 

Conhecendo-me muito bem por ser cumpridora e  não abusar de nada, entregou-me a senha ( a aula estava reservada), voltei ao carro para ter a certeza de que não a tinha lá.

Fiz a aula, regressei a casa, lá estava ela no móvel da entrada.

Felizmente, nada aconteceu, como aqui, nem apanhei a polícia que, de quando em vez, está parada nas rotundas por onde passo nas minhas idas e vindas para/do ginásio.

E por falar em aqui, tenho algo para contar sobre este assunto.

 

Início

Autoria e outros dados (tags, etc)

tu não existes!

por Maria Araújo, em 16.03.18

ou " quem me dera ter uma irmã como tu", eram, e são,  as palavras das minhas amigas e das colegas de trabalho. E porquê? 

Porque muitas vezes sacrifico a minha vida, as minhas vontades, os meus planos, ajudando os outros ( já fui muito mais altruísta).

Contrariamente ao normal neste cantinho, este post vai ser longo, vou contar a história que foi o dia de ontem, na partida para o Porto.

A Sofia é um dos elementos da TUNAFE  que vai em digressão pela Suíça, Aústria e Alemanha, parte hoje ( com este tempo ruim) de autocarro ao final do dia (liguei-lhe há minutos estão prestes a embarcar).

Terça-feira, a mãe teve alta da cirurgia que fez às varizes ( devia ter ficado a descansar pelo menos dois dias, opinião minha) voltou ao trabalho na quarta-feira, a Sofia pediu-lhe que fosse jantar com ela ao Porto e levasse umas coisas que precisava para a viagem.

Ora tendo a mãe de conduzir cerca de 150km, desaconselhei-a a fazê-lo, disse à Sofia que eu ia ao Porto, de comboio, almoçávamos juntas, aproveitaria para ir ao Museu Soares dos Reis ver a Exposição de Almada Negreiros, caso o tempo não agravasse.

Ora na quarta-feira era impossível sair de casa, deixei para quinta-feira.

Ontem, com chuveiros de quando em vez, tinha de ir, comprometi-me, não a queria desiludir, cheguei à estação por voltas das 11h10, os dois  habituais guichets  abertos, o dos comboios urbanos estava fechado, fui para uma das filas  e...cerca de 20 minutos depois, os passageiros que compravam bilhetes nos dois guichets eram os mesmos quando lá cheguei. As  duas filas aumentavam, ninguém despachava quem viajava para o comboio que partia para o Porto às 11h34m.

À minha frente, uma senhora dizia que estava ali há 30 minutos. Os dois homens que eram atendidos olhavam para trás, perceberam que estavamos desesperadas para comprar o nosso bilhete, mas era a sua vez, o funcionário explicava a viagem que eles queriam fazer, Alto Douro, pelo que entendemos, até que saí da fila e perguntei ao funcionário se era possível chamar um colega que abrisse outro guichet e despachasse as pessoas que queriam seguir viagem para o Porto. 

Resposta pronta, foi simplesmente. "não!"

Voltei para o meu lugar, as pessoas atrás de mim reclamavam, até que me lembrei das máquinas.

Sou sincera, nunca carreguei o cartão ou comprei bilhete nas máquinas. Sempre resolvi a compra ao balcão. Não queria, de modo algum, esperar 1 hora pelo próximo comboio, combinara a hora com a Sofia, faltavam três minutos para o comboio partir, dirigi-me à máquina, mas... Onde diabo  ponho o cartão?!  Via tudo, menos a ranhura do cartão de viagem.

De repente, vejo passar uma jovem, que tinha acabado de carregar o cartão, e peço-lhe ajuda.

Ela diz que não pode ajudar-me porque tem de apanhar o comboio.

Uns segundos depois, volta atrás, diz-me onde devo pôr o cartão, e a partir daí , agradeci já não precisava de mais nada, sabia fazer o resto das operações.

Cartão carregado, vem a senhora que estava à minha frente na fila e pede-me que carregue o seu ... Quando quer meter a nota de 20 euros para fazer o pagamento, a operação estava indisponível.

Aflita porque tinha de trocar o dinheiro, não tinha moedas, precisava de ir naquele comboio, digo-lhe que eu pago a viagem, ela sai da minha beira, tenta ir ao balcão, volta, entretanto, levo a mão à minha carteira, tiro as moedas e paguei ( metade do valor por  ser pensionista reformada e com  + de 65 anos).

Validamos os cartões, entramos no comboio, aliviadas, a falar sobre o assunto fila CP, a lentidão no atendimento ao público ( já passei por várias situações destas, não tão demoradas, e por isso é que eu gosto de ir a tempo, caso aconteça algo inesperado), sentou-se ao meu lado, queria chegar a Campanhã para trocar o dinheiro e pagar-me  a dívida. Disse-lhe que saía em São Bento, perguntou-me com poderia fazer para me pagar, se lhe dava o meu NIB.

Não respondi, pensava para mim mesma que se ficasse sem o dinheiro pelo menos tinha desenrascado alguém, o que ninguém faz, comentava para mim mesma, até que me lembrei que nunca apanhara o Metro em São Bento sempre o apanhara em Campanhã. E comuniquei-lhe que de facto fizera confusão, que saía na mesma estação.

Quando chegamos, pede-me que espere um pouco. De tão rápida que foi, não teria passado um minuto, está ela à minha frente com o dinheiro da viagem que o entregou e agradeceu-me o gesto, despediu-se e foi embora.

Se as minhas amigas e/ou colegas estivessem comigo, diriam " tu não existes!".

Entretanto, ainda no comboio, dá-se algo insólito.

Vira na fila um jovem negro que ora ocupava a fila onde eu estava, ora ocupava a do lado. Todos nós queríamos seguir viagem, e com o meu desenrasque na compra do bilhete na caixa automática, nunca mais me lembrei de nada, até que  no comboio, quando o revisor se aproxima dele, que estava sentado mais à frente, percebemos que não tinha bilhete.

Pela conversa do revisor, que foi de uma educação de se tirar o chapéu, percebemos que, como nós, o jovem  teria tentado comprar o bilhete mas já em cima da hora para partir, teria questionado o funcionário que ter-lhe-ia dito que podia comprar no comboio, que explicasse o que se passara na bilheteira...Só que havia um problema: o jovem não tinha dinheiro, queria pagar com cartão multibanco.

O revisor tentava explicar que não tinha máquina multibanco, o que é que iria fazer perante isto. O jovem insistia que ao balcão lhe disseram que falasse com ele e que teria o bilhete.

O revisor ligou para a bilheteira. Os comentários que se ouviam era que o jovem não tinha dinheiro, que houve um mal entendido, que ia, então, resolver a situação.

Depois de desligar, explica ao jovem que o funcionário confirmou que podia comprar o bilhete no comboio, mas que ele não dissera que não tinha dinheiro, que pagaria com o cartão.

E eu a pensar entrar em acção. Convidar" a senhora a meu lado, a quem eu desenrasquei num momento de aflição, a pagarmos a viagem do jovem, ela não precisava de me pagar a dívida. Mas desisiti. Pensei assumir sozinha, ao memso tempo que reflecti que não seria a primeira vez que o jovem viajava nos comboios urbanos e saberia que o bilhete não se compra no comboio, inclusive pagar com o cartão multibanco.

Desfeito o equívoco, numa das pequenas folhas de pagamento de bilhetes, o revisor regista os dados do jovem, o seu nome como fiador do bilhete, pergunta-lhe quando volta a viajar no comboio, diz que tem x dias para ir à bilheteira em Campanhã e pagar o bilhete, caso não resolva a situação, ele,  e como funcionário da CP terá de fazer uma participação.

Comentei com a minha companheira do lado que estas situações nas filas de espera  só causam transtornos a todos.

Ter-se-ia evitado constrangimentos se o guichet de comboios urbanos fosse aberto apenas naquele momento e depachasse os utentes que pagam os bilhetes, sujeitos a estas situações que deixam envergonhados qualquer pessoa, como fiquei quando uma altura, numa viagem que fiz também para o Porto, não sabia que tinha de validar o bilhete, entrei no comboio e quando o revisor me perguntou porque não validei o bilhete, fiquei com cara de parva a olhar para ele.

Safei-me de uma multa porque expliquei que desconhecia essas novas regras, que raramente usava o comboio urbano, e só  depois de mostrar o talão de pagamento da viagem ( que devemos ter sempre connosco, assim como os de Metro) e ele ter confirmado que tinha adquirido o bilhete uns minutos antes, aceditou em mim e validou o blihete, porque se não tivesse retirado da máquina a prova de pagamento,  a coisa ia correr mal para mim.

 

pagaqui-p.jpg

 

 

 

 

 

 

Início

Autoria e outros dados (tags, etc)

fica o multibanco

por Maria Araújo, em 08.09.17

weaccept.gif

 

Fui ao banco para cancelar o cartão (com descontos em compras) que tenho há dois anos e meio. As despesas eram maiores que os benefícios, não se justificava mantê-lo.

Por motivos que não interessa contar, passei no balcão perto de casa, expliquei o que me levava a não poder falar com o meu gestor de conta.

Quem me atendeu disse que resolvia o assunto mas teria de encaminhá-lo para ele que, entretanto, iria ligar-me. E perguntou-me se queria mesmo cancelar o cartão.

Preenchidos os impressos,  mas antes de os assinar, a pessoa liga ao gestor de conta a explicar o que se passa.

Do outro lado da linha, ele teria manifestado o seu desagrado ( e eu já o avisara que ia cancelar o cartão), pois, do lado de cá, ela perguntava-me se não queria voltar atrás; se não me arrependeria; que ele ficava zangado comigo; se era mesmo isto que queria; o cartão é bom; tenho descontos ...

A resposta que passei foi quando era interesse do banco, ligavam a  fazer-me propostas disto e daquilo. Estava na hora de eu decidir o que queria dele. E não queria o cartão.

Quando tal ela comenta com ele que será melhor aceitar o cancelamento não fosse eu levar a conta também.

Eu sorria e acenava com a cabeça que sim.

E desligou.

Só entre nós ( tenho uma amizade especial com esta pessoa),  entrei em  alguns detalhes. Quando os miúdos andavam por aqui, fazia uso do cartão, pagavas as despesas mensais, usufruía dos descontos e da anuidade. 

Este ano, vieram com o seguro mensal associado à conta, os descontos que tinha não compensavam manter um cartão que ficava dispendioso.

E foi desta que me desfiz de mais um encargo que só beneficiava o banco.

Fica o multibanco.

 

 

 

 

 

Início

Autoria e outros dados (tags, etc)

a lupa de alguém

por Maria Araújo, em 24.01.16

num post de julho passado, explicou a importância do cartão e-fatura. Segui o seu conselho/dica, deixei de dizer o número do NIF,que nem sempre era percebido por quem o pedia, e, desde então, quando chega a minha vez de pagar as compras, o cartão já está na minha mão, não preciso de dizer nada, entrego-o e já está.

 

Ninguém ao lado ou atrás tem de saber que quero fatura, nem qual é o meu número de contribuinte (por ter de o dizer em voz alta). Evita aquele momento constrangedor do “Ah, pode repetir? Enganei-me no número.” E estamos ali a repetir 4 vezes o nosso NIF até acertarem. Já para não falar de quando queremos pedir fatura com NIF e não nos lembramos do número. (Jornal Expresso).

 

Obrigada, Anabela pelas dicas e esclarecimentos que dá no seu cantinho. E para quem lê o "lupa", esta notícia já era, mas não deixem de a ler aqui.

mw-680.jpg

 

 

 

 

 

 

Início

Autoria e outros dados (tags, etc)

o cartão e-fatura

por Maria Araújo, em 25.07.15

 

fatura.png

 

 

Sempre que entramos na nossa página das Finanças para registar faturas, uma chamada de atenção aconselha-nos a imprimir o cartão personalizado que, a usá-lo, a máquina lê o número, assegurando a sua confidencialidade e facilitando o processo de emissão da fatura pela  operadora de caixa.

Esquecia-me de o imprimir, até ao dia em que li o post desta simpática blogger.

Imediatamente imprimi e guardei-o junto ao meu cartão NIF.

Ontem fui às compras e quando me perguntaram se queria fatura (nem sempre me lembro de a pedir) respondi  que sim,  pego no cartão e dou-o à operadora de caixa que comentou comigo: "é tão mais simples quando nos dão o cartão!"

Repeti o gesto em todas as lojas onde fiz compras.

Boa dica, miúda do blog "a lupa de alguém". Agora já não preciso de estar constantemente a dizer o NIF.

 

 

 

Início

Autoria e outros dados (tags, etc)

Lá fora

por Maria Araújo, em 04.05.15

está um vento louco, leva tudo pelo ar e eu por aqui a descobrir coisas giras.

Mais uma vez, encontrei dicas interessantes que podemos fazer usando papel de cartão.

Escolhi os mais simples.

Vejam tudo no BuzzFeed.

 

uma caixa organizadora

grid-cell-26396-1430491741-5.jpg

 

um candeeiro de tecto

 

enhanced-18994-1430489881-11.jpg

 

um quadro decorativo

 

enhanced-20303-1430493607-19.jpg

 

figuras decorativas

enhanced-31512-1430341951-16.jpg

 

 

uma prateleira

 

grid-cell-3059-1430404371-2.jpg

 

 

E agora, vou descansar os olhinhos e dar uma volta  porque o eyecare acabou de dar o sinal. INFALÍVEL!

 

Início

Autoria e outros dados (tags, etc)

"Tribos" que me leva aos espectáculos

por Maria Araújo, em 05.09.14

Depois de ter visto e ouvido no jornal da noite a entrevista com António Fagundes, mais um dos meus actores preferidos, e saber que a peça de teatro "Tribos" também vem a Braga, decidi que não iria perder esta raridade  (há alguns anos fui vê-lo a Famalicão, na peça "As mulheres da minha vida" ) logo,  para não me esquecer, teria de comprar o bilhete hoje...até porque esgotam.

Coincidência, uma amiga minha, com quem combinara um jantar para este fim de semana, ligou-me a confirmar e vai daí que lhe falei nele, no actor,que ela admira, e decidimos ir as duas.

Entretanto, lembrei-me que ando há meses para aderir ao Cartão Quadrilátero, com descontos de 50% para todos os espectáculos e eventos, nas cidades de Braga, Guimarães, Famalicão e Barcelos, válido por ano, com o valor de 25 euros.

Como já estou registada na BilheteiraOnline, rapidamente fiz o pagamento via netbanco.

Cinco minutos depois, no e-mail, tinha o cartão. Devia imprimi-lo e, hoje mesmo, teria o meu desconto.

Fui ao Theatro para adquirir os bilhetes, apresento o meu cartão impresso, e diz a senhora da bilheteira: "se tivesse pedido aqui o cartão, dava-lho de imediato, não precisava de imprimir".

Pago os bilhetes, 12,50 pelo meu e 25 euros pelo da minha amiga. Os lugares da frente estão a esgotar. Consegui para a terceira fila perto do palco, mas não nos lugares do meio.

A senhora da bilheteira pede-me para aguardar uns minutos. Vai ao computador, regista o meu nome e uns segunds depois sai de uma máquina o cartão "físico" Quadrilátero.

Dando uma vista d'olhos ao placard, reparei que no pequeno auditório, mensalmente e à segunda-feira, costuma haver um ciclo de cinema com filmes que raramente passam nas salas de cinema.

Este mês não é específico de algum realizador e/ou país, já em outubro será dedicado ao cinema francês. 

Um dos posters chamou-me a atenção para o filme do dia 15: "O Salão de Jimmy", baseado numa história verídica, está já nos meus planos (se não me der a preguiça de sair à noite, o que é habitual, caseira que estou), até porque resido a cerca de 200 metros do Theatro Circo.

E o preço do bilhete com o cartão é de 1,75 euros.

A partir de hoje posso usufruir dos espectáculos que quiser por metade do preço.

Amanhã, João Pedro Pais, que não admiro nada, brevemente, Mafalda Veiga, Jafumega (que saudades de os ouvir) Jorge Palma (adoro) são espectáculos a pensar ver.

 

 

"A história de “Tribos” centra-se em Billy (Bruno Fagundes), que nasceu surdo no seio de uma família sem deficiências auditivas. Foi criado dentro de um casulo e soube adaptar-se ao comportamento pouco convencional da sua família. Mas quando Billy conhece Sylvia (Arieta Correia), uma jovem mulher prestes a ficar surda, contacta com uma nova realidade. Este será o ponto de viragem que o colocará, assim como ao público, perante a dúvida do que realmente significa o sentimento de pertença."

O espetáculo é uma premiada comédia da autoria da inglesa Nina Raine, que “promete criar uma inusitada relação com a plateia – entreter, provocar e ao mesmo tempo entregar um extraordinário momento ao público”, pode ler-se na sinopse. A peça estreou em Londres, em 2010, com um elenco anglo-saxónico e, em 2012, venceu o New York Drama Critics Circle para melhor peça estrangeira.

 

Com encenação de Ulysses Cruz, “Tribos” vai estar em cena em Lisboa de 10 a 28 de setembro, de quarta a sábado às 21h30 e aos domingos às 17h. Nos dias 3 e 4 de outubro apresenta-se no Coliseu do Porto, à 21h30. Braga, dia 5 de outubro, às 17h30 e 21h30.

Os bilhetes já estão à venda nos locais habituais e custam entre 12,50 e 27,50 euros.

 

 

 

 

Início

Autoria e outros dados (tags, etc)

Os meus sobrinhos são os melhores do mundo

por Maria Araújo, em 23.01.13

Uma ideia desenvolvida pelo meu sobrinho, na reportagem, e um amigo.

Se és motard, agarra-te à vida e adere ao cartão.

 

 

 Cartão de Emergência do Motociclista

 

 

http://www.rtp.pt/noticias/index.php?article=621561&tm=8&layout=122&visual=61

 

 

Início

Autoria e outros dados (tags, etc)

Dormi bem. Nem sequer me preocupei com o fim de mundo.

Minha mãe dizia que o fim do mundo acaba quando morremos.

E se um dia acabar, a culpa é nossa. A Terra, se não cuidarmos dela, tornar-se-á um planeta inabitável (para longe esta boca, que quero que os meus herdeiros vivam uma vida com plena saúde e longevidade). Adiante.

Levantei-me às 5:50h. Tomei o pequeno almoço, tratei da minha beleza e, quando vejo o relógio, lembrei-me que o comboio urbano mais rápido para o Porto era às 7:45h.

Deitei-me, não fechei os olhos para não estragar a maquilhagem e esperei que o relógio despertasse às 7:00h.

Mas adormeci (de olhos abertos não, lol). Acordo e reparo que são 7:15h (o sacana não tinha despertado. O que vale é que o  tenho adiantado 10 minutos), saio da cama, visto-me , calço-me , tomo um café para despertar e saio às 7:30h em ponto.

Consigo um lugar perto da estação (felizmente o meu carro é pequeno, ficou entre uma carro e o limite do passeio da saída de uma garagem), compro o bilhete e entro no comboio (faltavam 8 minutos para a partida).

Quinze minutos após a partida, vem o revisor, pede-me o cartão (que tenho há um ano), dou-lho juntamente com o recibo, e  diz-me: "Não quero o recibo ". Entrega-mo e pega no cartão olha-o e diz: "A senhora não passou o cartão na máquina."

Parva a olhar para ele perguntei: "como?"

"A senhora tinha de passar o cartão na máquina. A multa é de 300 euros. Mostre-me o recibo".

Entreguei-o e comenta: "A senhora comprou a viagem de ida e volta hoje, mas tinha de passar o cartão na máquina."

Quando, onde, como iria eu lembrar-me  disto? As minhas viagens de combóio são esporádicas.

Desfazendo-me em pedidos de desculpa comentei:"Raramente viajo de comboio. Não me lembrei que tinha de passar o cartão. Que faço agora?"

Responde-me: "Activei o cartão, mas nunca mais se esqueça. Imagine que a senhora saía em Nine. Viajava gratuitamente"

Mais um pedido de desculpa, e safei-me da multa.

Chego ao Porto, compro um cartão para o metro e vou até ao estádio do Dragão. A partir daqui tinha de andar 1 quilómetro a pé. Nada demais. Gosto de andar. Só que a chuva miudinha era chata. Uma manhã muito cinzenta e nublada lá no Porto.

Chego ao meu destino. Tinha 3 pessoas à minha frente. Ótimo.

Depois de resolver o assunto, e decidida a passar o dia com as minhas sobrinhas e o meu sobrinho neto (que ainda não conheço. Amanhã vem para Braga), mudei os planos, pois tinha de ir à escola  entregar uns documentos.

Comboio de Campanhã com partida às 10:50h, ainda tinha tempo de tomar o café.

No café em frente à estação, sentei-me, e enquanto esperava a meia torrada, vejo um casal jovem levantar-se da mesa , junto à porta e virem na direção da minha mesa. Ela com os olhos semicerrados, pareceu-me que era invisual.

Todos os olhos caíram neste casal.

Sentaram-se perto da mesa onde me encontrava.

Entretanto, entra um jovem. Ótimo aspecto. Artista, arquiteto, ou qualquer outra arte, foi o que me pareceu ser e senta-se na mesa ao lado da minha.

Um burburinho gera-se, alguém pergunta se quer que chame uma ambulância e vejo a jovem deitada na cadeira.O companheiro não quer a ambulância e o empregado pede um copo de água morna com açúcar.

As pessoas observavam. A jovem estava pálida, muito pálida. E não era invisual. O mal estar dela fez com que o parecesse.

Entretanto, o jovem da mesa ao lado pede ao empregado: "Uma francesinha".

Os ponteiros do relógio indicavam 10: 20h (rio-me do que vou escrever).

Pergunta e comentário imediatos do empregado: "Uma francesinha?! O senhor sabe o que leva uma francesinha? Estas pessoas vêm do Alentejo e gostam de comer coisas diferentes".

E responde o jovem cliente: "Sei o que é uma francesinha. Já comi. Quero uma francesinha".

E o empregado tenta remediar o que perguntara/comentara:"Sabe, é que as pessoas do sul e os estrangeiros, quando vêm ao Porto, gostam de comer as nossas francesinhas!"

Vem a minha meia torrada, a jovem recupera, o companheiro faz-lhe umas meiguices na perna, os clientes "regressam" ao seu café, croissant, meia de de leite...

Tomo o café, pago e vou direta à estação (desta vez, não me esqueci de passar o cartão na máquina).

O combóio entra na linha, saem os passageiros, entram outros, e eu também.

Vem o revisor, pede-me o cartão e devolve-o.

"Está tudo ok,"pensei.

Do meu lado esquerdo e atrás um lugar, viajavam quatro estrangeiros, três jovens  do sexo masculino e uma do sexo feminino que trazia um turbante.

Penso que seriam de países diferentes. Mas eram todos orientais.

Quando o revisor lhes pede o cartão, eis que os olhos voltam-se para ele. Começa a falar Inglês, com alguma fluência, o suficiente para os jovens o perceberem.

Então o que aconteceu? O revisor dizia-lhes que se tinham enganado no comboio. Perguntou-lhes para onde iam.

"Aveiro", respondeu um deles.

Pois é. Os jovens vinham para Braga.
Então, o revisor explica-lhes o que devem fazer. 

Continua a sua tarefa de verificar os cartões até que numa das estações ele aproxima-se e diz-lhes que devem sair e esperar pelo comboio que vem em sentido contrário, voltarem a Campanhã e perguntarem qual a linha que deviam embarcar.

Os jovens agradecem e saem.

O revisor senta-se. Passados alguns minutos, ouve-se a sua voz ao telefone: "É para avisar que 4 estrangeiros viajavam no comboio errado. Eles vão para Aveiro. Avisa o número 22 ou 24, não tenho a certeza qual deles faz a viagem para o Porto. Diz-lhes que saíram na estação X e que os deixem entrar".

Gostei da atitude do revisor. E do modo como se exprimiu com os 4 estrangeiros.

A viagem continuou. Cheguei a Braga, vim a casa, fui ao banco, almocei uma refeição ligeira mas saborosa, e fui à escola.

Entreguei os documentos, fui desejar um Feliz Natal aos funcionários e aos elementos da direção.

Passei no Braga Parque, comprei umas prendinhas para duas amigas e aqui estou eu a escrever este meu dia de fim do mundo, que não aconteceu.

Feliz Natal.

 

 

 

 

 

 

 

 

Início

Autoria e outros dados (tags, etc)

Um AMARGO, Pingo Doce

por Maria Araújo, em 21.09.12

 

 

 

 

 

Ontem, ao final da tarde, fui ao Pingo Doce fazer umas compras. Raramente compro carne (há um talho com boa carne na rua ao lado), decidi comprar o que precisava lá, no sítio do costume.

Reparei, então, que algumas carnes estão em promoção e aproveitei para trazer mais umas peças, para congelar.

Dei a volta às prateleiras e fui para a caixa.

Quando a operadora me diz o valor a pagar, verifiquei que tinha 22 euros em dinheiro e o valor era de 24,65 euros.

1 hora antes, tinha ido ao multibanco levantar dinheiro para fazer o pagamento de umas prateleiras que mandei fazer para a cozinha.

Não contando gastar mais de 15 euros no supermercado, meti na carteira o suficiente para as minhas compras.

Ora, como faltavam 2 euros para completar o valor, peguei no cartão multibanco para fazer o pagamento. A operadora  faz a marcação vira a máquina, eu confirmo o valor e introduzo o código.

Diz ela:"não autorizado".

"Como?", pergunto eu. "Ainda há cerca de uma hora fui levantar dinheiro, como pode indicar "não autorizado?", acrescentei.

Ela volta a pegar no cartão, faz novamente a operação, vira a máquina para o meu lado, pede-me, mais uma vez, para confirmar o valor e depois marcar o código.

Fi-lo com cuidado.

E ela volta a dizer: "pagamento não autorizado".

Lembrei-me da história do pagamento inferior a 20 euros, mas, visto que o valor era superior, peguei no cartão ( e a fila já estava grande), fui à caixa multibanco, que se encontra dentro do supermercado, levantei mais 20 euros,paguei a minha conta e comentei: "Estranho. Como pode marcar "não autorizado" e consegui levantar o dinheiro? Estranho!" E saí do supermercado com toda a gente a olhar-me, mas não envergonhada (felizmente, ainda tenho dinheiro para pagar o que compro), e não convencida... Desconfiada, sim!

Hoje, quando regressava da escola, e a propósito da difícil vida que estamos todos a ter, lembrei-me do que aconteceu ontem e contei às minhas colegas.
"Vai lá e reclama!", aconselharam-me.

De tarde, fui fazer umas compras, em lugares diferentes. E, propositadamente, fiz o pagamento com cartão. Ambas as compras eram superiores a 35 euros.

Marquei o código e das duas vezes não me foi dito: "pagamento não autorizado".

Confirmei, o que pensara.

"O Pingo Doce  anda a enganar o coitado do povo".

("Sem talões") mas  com promoções, vai buscar o lucro a esta aldrabice que é o pagamento com multibanco.

Agora, pergunto eu: "Qual será o valor mínimo que o PD aceita para pagamento com cartão? Será que já aconteceu com outros clientes?"

Pois fica a saber, senhor Jerónimo Martins, no seu supermercado não deixo nem mais um cêntimo.

E a confirmar-se a aldrabice, vou fazer valer os meus direitos com uma denúncia à DECO (que por acaso, sou sócia).

 

 

 

 

 

 (talão retirado do meu caixote da reciclagem)

 

 

 

 

Início

Autoria e outros dados (tags, etc)


foto do autor



o meu instagram


1º desafio de leitura - 2015 2º desafio de leitura - 2017 3º desafio de leitura - 2019

desafio


10 anos




Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2012
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2011
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2010
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2009
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2008
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D


Encontros - eu fui

IMG_2230 (2).JPG MARCADOR