Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Cantinho da Casa

Cantinho da Casa

tive que ligar para a VV

15.06.20, Maria Araújo
Neste post, escrevi sobre a minha passagem nas portagens na A11, em que à saída a luz amarela me alertou que alguma coisa não estaria bem com identificador . Cheguei a ligar para a VV, e com a informação que tive, que seria o cartão de débito, é que me lembrei que tinha recebido um novo cartão, em Abril. Tratei de substituir mas, uns dias depois, volto à A11, não deu sinal a luz verde na entrada, (...)

coisas do meu dia

17.01.19, Maria Araújo
Tudo preparado para sair de casa, logo de manhã e mais cedo  para não perder a reserva da aula, ouço os nós dos dedos de alguém que batia à minha porta. A Sofia tem esse hábito, sei quando é ela porque a maioria das vezes vem almoçar comigo, mas como está no Porto a estudar e nesta  época anda em exames, não poderia ser ela. Perguntei de dentro quem era, respondeu-me uma voz rouca de homem. Não percebi nada do que disse. Espreitei pelo monóculo, vi o homem que teria mais (...)

tu não existes!

16.03.18, Maria Araújo
ou " quem me dera ter uma irmã como tu", eram, e são,  as palavras das minhas amigas e das colegas de trabalho. E porquê?  Porque muitas vezes sacrifico a minha vida, as minhas vontades, os meus planos, ajudando os outros ( já fui muito mais altruísta). Contrariamente ao normal neste cantinho, este post vai ser longo, vou contar a história que foi o dia de ontem, na partida para o Porto. A Sofia é um dos elementos da TUNAFE (...)

fica o multibanco

08.09.17, Maria Araújo
  Fui ao banco para cancelar o cartão (com descontos em compras) que tenho há dois anos e meio. As despesas eram maiores que os benefícios, não se justificava mantê-lo. Por motivos que não interessa contar, passei no balcão perto de casa, expliquei o que me levava a não poder falar com o meu gestor de conta. Quem me atendeu disse que resolvia o assunto mas teria de encaminhá-lo para ele que, entretanto, iria ligar-me. E perguntou-me se queria mesmo cancelar o cartão. Preenchido (...)

a lupa de alguém

24.01.16, Maria Araújo
num post de julho passado, explicou a importância do cartão e-fatura. Segui o seu conselho/dica, deixei de dizer o número do NIF,que nem sempre era percebido por quem o pedia, e, desde então, quando chega a minha vez de pagar as compras, o cartão já está na minha mão, não preciso de dizer nada, entrego-o e já está.   Ninguém ao lado ou atrás tem de saber que quero (...)

o cartão e-fatura

25.07.15, Maria Araújo
      Sempre que entramos na nossa página das Finanças para registar faturas, uma chamada de atenção aconselha-nos a imprimir o cartão personalizado que, a usá-lo, a máquina lê o número, assegurando a sua confidencialidade e facilitando o processo de emissão da fatura pela  operadora de caixa. Esquecia-me de o imprimir, até ao dia em que li o post (...)

Lá fora

04.05.15, Maria Araújo
está um vento louco, leva tudo pelo ar e eu por aqui a descobrir coisas giras. Mais uma vez, encontrei dicas interessantes que podemos fazer usando papel de cartão. Escolhi os mais simples. Vejam tudo no BuzzFeed. (...)

"Tribos" que me leva aos espectáculos

05.09.14, Maria Araújo
Depois de ter visto e ouvido no jornal da noite a entrevista com António Fagundes, mais um dos meus actores preferidos, e saber que a peça de teatro "Tribos" também vem a Braga, decidi que não iria perder esta raridade  (há alguns anos fui vê-lo a Famalicão, na peça "As mulheres da minha vida" ) logo,  para não me esquecer, teria de comprar o bilhete (...)

O fim do mundo não aconteceu, mas tive um dia do caraças

21.12.12, Maria Araújo
Dormi bem. Nem sequer me preocupei com o fim de mundo. Minha mãe dizia que o fim do mundo acaba quando morremos. E se um dia acabar, a culpa é nossa. A Terra, se não cuidarmos dela, tornar-se-á um planeta inabitável (para longe esta boca, que quero que os meus herdeiros vivam uma vida com plena saúde e longevidade). Adiante. Levantei-me às 5:50h. Tomei o pequeno almoço, tratei da minha beleza e, quando vejo o relógio, lembrei-me que o comboio urbano mais rápido para o Porto era (...)