Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Cantinho da Casa

Cantinho da Casa

o sumo e o plástico

Maria Araújo, 12.08.19

Há dias, despertou a minha atenção um anúncio  que passou na televisão sobre o Lidl e a campanha de sensibilização aos veraneantes  para a importância de uma boa conduta ambiental durante a época balnear.

Pesquisei na internet, encontrei o que foi a primeira edição de TransforMAR, em 2018.

Este ano a acção continua em várias praias de Norte e Sul do país, e louvo a atitude desta cadeia de supermercados, que eu também sou cliente.

O que me levou a escrever sobre este assunto, foi o seguinte:

o Lidl empenha-se, e muito bem, nesta campanha, mas dentro de portas reparo, como em todos as lojas de bens alimentares, que o plástico é demais em qualquer produto que, na minha opinião, é prescindível usá-lo.

Ontem, na minha caminhada pelos arredores da cidade, lembrei-me de entrar na loja para comprar pão.

Não é a primeira vez que  vejo os sacos de papel do pão caídos no chão, e por falta de descuido do cliente, que não se dá ao simples gesto de separar o saco do que está por baixo e servir-se de pãoe, em vez disso,  tira-o ao calhas, eles caem e ali ficam. Vêm outros clientes, não foram eles que os deitaram ao chão, pisam os coitados, os empregados que os apanhem ( já tive gestos de apanhar os sacos de pão e entregá-los à empregada, do lado de lá das prateleiras) e desta vez fiz o mesmo, quis observar o comportamento das pessoas.

IMG_20190811_140545.jpg

Ora, a caminho do pão, junto às prateleiras da fruta, e onde costumam estar as bananas, reparei que no seu lugar estava uma máquina. 

Segui o meu caminho.

De repente, páro!

Algo me fez voltar à máquina.

sumo-laranja-lidl-920X920.jpg

Ao lado dela, numa caixa, estavam umas quantas garrafas de plático de duas dimensões. Junto, as intruções para o cliente servir-se das garrafas e das laranjas e ter o seu sumo acabado de espremer.

Questionei-me:  então o Lidl faz a campanha TransforMAR nas praias e usa as garrafas de plástico para o sumo de laranja?

Entendo que usar as de vidro tem outros custos, mas se  esta cadeia está preocupada em a alertar as pessoas para o mal que o plástico faz no ambiente, então porque dispor destes na loja?

 

 

 

 

 

 

comprei uma máquina de café

Maria Araújo, 29.05.17

Há cinco anos, dos vários presentes de Natal (falar de Natal quase no verão???) tive uma máquina de café Nespresso.

Tomo dois cafés por dia: depois do pequeno-almoço e do almoço.

A máquina sempre funcionou bem, nunca fiz a descalcificação  (esquecia-me de comprar o produto), não me preocupava com nada, mas sabia que mais cedo ou mais tarde iria dar-me o aviso de avaria.

Há dias verifiquei que ficava encharcada de água e o café trazia borra.  Consegui tirar cafés de jeito, esqueci.

Sábado, foi o dia de ela avariar de vez. Não queria sair de  casa de propósito para tomar café, consegui tirar um (de merda) e tomei.

Vim procurar na net o que poderia ter avariado a máquina.

Quando vi um bocadinho deste vídeo, tomei a decisão de comprar uma máquina nova. Mas só queria Nespresso. Gosto da marca, habituei-me ao sabor deste café, não me apetecia gastar muito dinheiro, não precisava de uma xpto mas também não queria uma de outra marca mais barata.

Lembrei-me de consultar o site da Nespresso, ver os modelos e preços. €99.99, a mais barata.

De repente, lembrei-me que das várias vezes que fui a esta loja vi-as "aos montes". Entrei no site...

Procurei as máquinas com preço mais baixo, encontrei esta:

máquina.png

 

Aquelas palavras escritas a vermelho despertaram-me a curiosidade e eis que uma página se abre com a máquina em grande destaque, o preço mais discreto...

"Humm, uma boa campanha! Vou à loja ver", comentei.

Não tinha ido ao ginásio de manhã, deixara para a tarde fazer body balance, a loja fica no caminho, passei antes da aula.

Dirigi-me ao sector das máquinas. Estava uma promotora da Nespresso, expus o que vira na página do MM.

Foi muito simpática, explicou-me tudo ( porque na MM havia esta promoção, na loja a máquina é mais cara, embora também façam promoções até 80 euros para outras máquinas que não deste modelo, e na compra de café).

A campanha funciona assim:

Paguei €29.00. Foi-me oferecido  €10.00 na compra de 50 cápsulas . Estas, que serão entregues em casa, vou pagar  €8,50; mais  €10.00  de desconto numa compra a fazer na loja Nespresso de mais 50 cápsulas ( a  usufruir do desconto apresentando o talão de compra e as condições da campanha, que me foi fornecida pela promotora).

Ou seja, se fosse à loja comprar 100 cápsulas o preço a pagar, se comprasse  as cápsulas do valor mínimo,  € 0,375, seria € 37,50. 

A máquina (que traz um pack de 16 cápsulas)  mais as 100 cápsulas dão um total de € 46.00.

Parece-me uma boa campanha, acho que fiz uma boa compra e de uma marca que gosto.

 

Campanha Rexona e Jorge Pina

Maria Araújo, 14.10.15

 

4812d7_banner.jpg_960x400_c_.jpg

 

Na passada segunda-feira, com as senhas esgotadas para a aula de Pilates, fui convidada a experimentar Total Condicionamento.

Como tinha cerca de 30 minutos de espera para a aula, fui caminhar no tapete.

Reparei que o professor andava pelos tapetes com um aparelho na mão e falava com quem corria e/ou caminhava.

Veio ter comigo, também, explicou-me o que eu tinha de fazer,se quisesse, e o objectivo da caminhada.

O Holmes Place e a Rexona Corre por Mais acolhem a campanha de apoio à Escola de Atletismo Adaptado Jorge Pina, Atleta Paraolímpico, pugilista e maratonista invisual e Personal Trainer do Holmes Place.

Esta campanha consta de:

por cada quilómetro percorrido nas passadeiras do Holmes Place, a Rexona doa 1 Euro à Escola de Atletismo Jorge Pina.

No final da nossa corrida ou caminhada, o Personal Trainer  Rexona  vem ter connosco e regista nessa aparelho o número de quilómetros que efectuámos.

Com os poucos quilómetros que andei, estava na hora da aula, contribui para a campanha mas prometi que da próxima vez (a campanha decorre até 25 de outubro) irei mais cedo para o ginásio e farei mais quilómetros.

Uma campanha interessante, uma ajuda que não custa nada, somente o nosso esforço físico.

 

 

 

"Por que as mulheres não são objectos"

Maria Araújo, 26.01.14

 

 

 

Domingo dia triste e cinzento, TV desligada, sentada no sofá, uma almofada com o pc em cima das pernas, espreito os blogs que fazem parte da minha rotina da blogosfera, actualizo a leitura de alguns posts, comento, ou não.

Parei neste blog. Chorei com este vídeo (aviso que tem imagens que chocam), li este post e decidi divulgar aqui, neste meu cantinho do Sapo.

Se estivesse em Lisboa, garanto que marcaria a minha presença na dança, "Porque as mulheres não são objectos".

 

 

Lisbon V- Day


"Uma em cada três mulheres do planeta é violada ou espancada durante a vida.
Isto representa mil milhões de mulheres violadas ou espancadas.
Mil milhões de filhas, mães,avós, irmãs e amigas.
Mil milhões de mulheres e aqueles que as amam vão levantar-se, sair, dançar e exigir um fim para esta violência. Venha dançar connosco pelo fim da violência contra as mulheres de todo o mundo."
 
 
A organização portuguesa do “V-day”, um movimento global pelo fim da violência contra mulheres, convida todos os interessados para participarem, em Lisboa (local a comunicar oportunamente), no dia 14 de fevereiro de 2014, pelas 18h30, na edição deste ano da campanha global “One Billion Rising for Justice”, o “Lisbon V-day”.
O “V-day” tem como principal desiderato organizar eventos que promovam a consciencialização da população mundial para as organizações contra a violência existentes, revitalizando-as e angariando-lhes alguns fundos. O “V-day” preocupa-se, especialmente, com o fim da violência contra mulheres, incluindo violações, espancamentos, incestos, mutilações genitais e escravidão sexual.
A ideia do “V-day” surgiu depois de Eve Ensler, conhecida dramaturga natural dos Estados Unidos da América e autora, entre outros, do livro “Os Monólogos da Vagina”, ter visitado uma comunidade na República Democrática do Congo, onde as mulheres, altamente vulneráveis à violência, curavam as suas feridas através da dança.
“Vi o poder da dança e comecei a pensar o que seria se mil milhões de mulheres, e todos os homens que as amam, dançassem no mesmo dia, em todo o planeta”, explicou Eve Ensler, numa conferência de imprensa em que estiveram presentes jornalistas de todo o mundo.
O “V-day” surgiu, assim, em 2013, propondo que um número igual ou superior a mil milhões de mulheres e homens se juntassem, em todo o mundo, dançando pelo fim da violência^contra mulheres. A iniciativa foi um sucesso e contou com a participação de cerca de 205 países.
Para este ano, o objetivo é, no dia 14 de fevereiro de 2014, às 18h30, repetir e maximizar o protesto. Para isso, foram constituídas equipas que estão encarregues de organizar, em vários países diferentes, a edição deste ano do V-day."
Para mais informações sobre a campanha global, visite:
www.onebillionrising.org/ e
www.facebook.com/vday
Para mais informações sobre o “Lisbon V-day”, visite:
www.facebook.com/lisbonvday e
www.facebook.com/events/1416151048624687/