Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Cantinho da Casa

Cantinho da Casa

o desconfinamento levou-me,sem receio

Maria Araújo, 18.06.20

há duas semanas,ao ginásio.

as aulas são marcadas na aplicação, há um número limitado de pessoas,nove no estúdio pequeno, doze a quinze no estúdio grande. 

nas duas entradas há os tapetes de desinfecção e os de secagem do calçado. junto ao balcão, o dispensador de pé para desinfectarmos as mãos antes de fazermos a  tarefa que era do funcionário: passar o cartão no leitor.

depois de medida a temperatura, então estamos preparados para as aulas..

em cada estúdio há o aparelho de desinfecção das mãos e o aparelho com toalhas de desinfecção dos tapetes que usamos nas aulas.

entramos no estúdio com as máscaras, tiramo-las e guardamo-las no sacos que levamos para no final sairmos com elas no rosto.

nos balneários,os cacifos que não podem ser usados têm uma fita adesiva preta, a cada dois metros há uma fita adesiva amarela que indica que é o cacifo a ser usado.

os secadores de cabelo estão fixos às prateleiras com fita adesiva amarela,assim como as portas das cabines dos chuveiros que não devem ser usados.

nas casas de banho, na bancada com cinco lavatórios, apenas podemos usar os das pontas, junto à parede onde tem o dispensador de sabão para as mãos; as máquinas de secar as mãos foram substituídas por papel.

no bar, só tiramos a máscara para tomar o café,ou comer.

perante tudo isto, comentei com uma colega: estas medidas são dispendiosas à admnistração do ginásio.mas também são garantia de segurança e confiança.

regressei ao ginásio, acabei com as aulas online.

 

 

 

regressei ao ginásio

Maria Araújo, 07.06.20

sexta-feira, fui à pedicure ( no ginásio)  deixei o carro fora do edifício, não me apeteceu deixá-lo no parque, que pago anualmente, entrei por este, estavam apenas dois carros estacionados.

"ginásio vazio",comentei.

pés tratados, passei pela recepção para saber o que se passava com a APP, visto que no meu telemóvel não abria o calendário das aulas.

e afinal a aplicação é, agora,outra.

explicaram-me como funcionava. em casa andei a explorá-la, decidi reservar a aula de Yoga de sábado.

ontem, fui à Maia, de manhã cedo, quando chegasse só teria de tirar o meu carro da garagem,nele deixara a mochila com a roupa.

desta vez, estacionei o carro no parque. ficaram apenas o meu e outro que já lá estava.

entramos no edifício com a máscara, medem-nos a temperatura, passamos o nosso cartão no aparelho que o lê, já não nos dão a senha para a aula.

o estúdio pequeno, com capacidade para cerca de 20 pessoas, passou a ter 10. o tapete que cada um de nós usa deve ficar no lugar assinalado no chão com um "x", há, também, uma fita que marca a distância entre cada pessoa.

eu entrei no estúdio com a minha máscara, desconhecia que a aula pode ser feita sem ela. tirei-a, dobrei-a e deixei-a no canto da minha toalha. 

mulher-pratica-ioga-1486145076469_v2_450x337.jpg

(ainda não me sinto segura fazer este exercício)

 

acho que todos tinhamos saudades do ginásio.

à tarde, em casa, lembrei-me de ver se havia a aula habitual de Pilates, ao domingo.

e lá estava ela, consegui reservar.

quando cheguei a aula começara, só estava uma pessoa e a professora.

comentei que no calendário de aulas esta aparecia às 11:45h.

foram chegando mais pessoas que confirmaram o que eu dissera,  foi então que a professora foi ver o mapa de aulas da semana, e lá estava a hora. parece que, por enquanto, fica assim

o estúdio ficou composto, fizemos uma boa aula.

soube-me bem.

amanhã, volto a nova aula de Pilates, no horário de sempre: 9:30h.

como-praticar-pilates-sem-se-machucar.jpg

 

quando menos esperava ( não era já que prevera ir), regressei ao ginásio.

 

 

 

 

escola nova

Maria Araújo, 06.09.18

Escola fechada para obras desde 2016,  em Janeiro a azáfama das obras acordava a vizinhança, ora eram os camiões que entravam e saíam gerando alguma confusão na rua, ora os chicos espertos não respeitavam a fita que vedava o estacionamento para que os camiões pudessem fazer a curva no início da rua estreita e com um sentido, deitando-a abaixo e estacionando as suas viaturas e, habitualmente, também na curva no final da rua, mas aqui a culpa era dos responsáveis da obra que nunca a vedaram, os camiões não tinham espaço para manobras, era ver e ouvir a confusão que se instalava até que aparecesse o dono da viatura, a tirasse e o trânsito voltasse à normalidade.

As obras nunca pararam, sábados e feriados, havia sempre alguém a trabalhar.

Estamos em Setembro,  as aulas começam dentro de uma semana, a escola tem de ficar pronta. E se os trabalhadores eram de mais, esta semana parece que triplicaram.

Às 8:00h os ruídos são muitos, não nos deixam dormir. Os camiões que chegam, o som incomodativo quando fazem marcha atrás, as máquinas que furam os muros  para colocarem as redes

São os homens que cimentam o pátio da escola, que berram ou lançam um "ei, olha o fio!", a engenheira que anda de um lado para o outro a coordenar o trabalho, o homem que se baixa e mostra as cuecas e o reguinho, o que trata da limpeza exterior dos vidros das janelas, os electricistas que entram e saem, o camião que descarrega as placas brancas, os moradores que querem estacionar os carros (aconteceu comigo, ontem) nas suas garagens e têm as entradas impedidas pelas carrinhas das obras.

Hoje, mais um dia que tive de sair da cama de tanto ruído que se ouve.

Fui à janela, vi,no meio desta confusão toda, dois  pássaros que voavam entre as duas árvores que ficam  deste lado do passeio em frente ao prédio, alheios ao ruído e azáfama das obras.

Dentro de uma semana, se tudo ficar operacional, os ruídos vão ser outros.

Serão os chilreares da criançada que vem para uma escola bonita e grande, mas que para isso lhes tirou as frondosas árvores que lhes davam a sombra nos dias solarengos de calor.

IMG_20180906_094834.jpg

 

três segundos

Maria Araújo, 20.12.16

HP.png

 

Estou em casa a escrever este post mas ansiosa por tomar o pequeno-almoço que será por volta do meio dia.

Porquê?

Tenho análises para fazer triglicéridos e TSH ( tiróide).

Há anos, de seis em seis meses, que faço estas análises. Em jejum, o costume é entrar no laboratório entre as 9h e as 10h da manhã.

Quando marquei os exames a funcionária dissera-me para ficar em jejum 12h. 

Pensei que o dissesse apenas para lembrar o jejum. 

Gosto de tomar uma chávena de leite ou chá, há meses mudei para chá, e seis ou sete bolachas Maria.

Ontem, lembrei-me de comer um pouco mais cedo, mas entre o lembrar e o pôr em prática, estive a fazer embrulhos. Quando olhei o relógio da cozinha eram 23:45h.

Comi menos bolachas, tomei o chá.

Hoje acordei muito cedo, não conseguia dormir, esperei pelas 9:29h para marcar a aula de Pilates na aplicação do telemóvel.Não pode passar um segundo da hora, há um limite de reservas, e no dia seguinte tenho de ir 45 minutos mais cedo para conseguir senha..

Tomei banho, saí para as minhas análise.

O técnico de saúde perguntou-me se estava em jejum e há quantas horas. 

Expliquei o que aconteceu.

Para que sejam fiáveis os exames dos triglicéridos, tenho mesmo de estar em jejum 12h.

Comentei que há muitos anos que os faço mas nunca tal me foi dito.

Regressei a casa, pronta também para esperar pelas 10:29h para marcar a aula de Antigravity.

Faltavam 12 minutos, liguei o computador. Li um blog em destaque, passei para esta caixa de posts quando, de repente são 10:29h estava em risco de perder a marcação online. 

Pego no telemóvel, que já estava na página de marcação, o meu dedo toca no ecrã e aparece-me a reserva da aula. 
O número de aulas reservadas online é duas. Três segundos, foi o tempo de pegar no telemóvel e marcar.

Tive uma sorte!

Agora, continuo por aqui até chegarem as 11:40h e regresso ao laboratório.