Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




Há quem recuse comida

por Maria Araújo, em 28.12.14

O meu irmão mais novo, engenheiro de profissão e cozinheiro por gosto (cozinha todos os dias) faz pratos maravilhosos, capricha no que faz, e tudo lhe sai bem.

Como este ano era a vez de vir à família do lado de cá, e como sempre,  fez o almoço de Natal que constava de perú assado, perna de borrego assada e arroz de sarrabulho (estava uma espectacular). Faz umas batatas a acompanhar cada um dos pratos que são uma delícia...são os temperos, pois claro (e na família todos cozinham bem).

Vê programas e lê livros de culinária, experimenta (eu não tenho paciência, sigo os passos da minha mãe que era uma boa cozinheira), arrisca e tudo lhe sai bem.

E na doçaria, ui! Faz cada bolo de fazer inveja! Saem-lhe bem, já os meus deixam muito a desejar.

Na doçaria de Natal, faço o que aprendi com a minha mãe.

Costumo fazer um pão inteiro de rabanadas e este ano decidi fazer a versão com leite e a versão com mel e vinho do porto.

Aqui em casa poucos são os elementos da família que as comem, costumo oferecer a quem gosta e não as faz ou compra.

As rabanadas que fiz com leite não chegaram a ir à mesa.

Não gosto de desperdiçar e como eu só como uma quente, quando as frito, não sabia o que fazer delas.

Lembrei-me de as levar a uma mulher que costuma pedir ajuda às pessoas que passam para o cemitério, Dia ou DeBorla.

No verão passado, dei-lhe roupas e calçado. Dinheiro, não dou.

Hoje, passando de carro no outro lado da rua, vi dois arrumadores que costumam andar por lá ao fim de semana, sendo um deles mais velho, deduzi que terá filhos e netos, lembrei-me de, após o almoço, levar as rabanadas e o arroz de passas.

Embrulhei em papel de alumínio, coloquei-as numa caixa de papel, pus o arroz numa embalagem de comida take-away, meti num saco e lá fui eu feliz e contente pôr as garrafas no vidrão e perguntar ao homem se queria as rabanadas e o arroz.

Aproximei-me dele e fiz a pergunta. O homem olhou para mim e  responde "Não quero. Ainda há bocado me deram. Olhe, vá aquele homem que está ali em baixo e dê-lhe".

Resposta minha " Não quer? Não falta quem queira!"

E regressei a casa murmurando "Esta gente só quer dinheiro e ai de quem dá menos de 50 cêntimos! Não querem comida... ". Guardei o saco no frigorífico.

Provavelmente, ainda pego no carro e vou levar à mulher que anda lá pelo parque de estacionamento do DeBorla. Será que ela vai aceitar?!

Fiquei decepcionada.

 

 

Início

Autoria e outros dados (tags, etc)


4 comentários

Imagem de perfil

De Rita a 29.12.2014 às 12:11

Apetece dizer, "pobre e mal agradecido"... :(

Aqui nos restaurantes, mesmo em jantares de grupo, quando sobra alguma coisa lá vem o pedido para os funcionários, "da bao". Significa, "embrulhar a comida", ou seja, levamos sempre o que não se comeu para casa! Dão um saquinho e 1 taça de plástico e pronto!
Imagem de perfil

De Maria Araújo a 29.12.2014 às 13:28

Aqui, há restaurantes que fazem isso, ou as pessoas pedem e levam para casa.
De facto, devíamos fazer isso em todo o lado. Está pago, temos direito a ela.
Beijinho
Sem imagem de perfil

De Afrodite a 28.12.2014 às 18:58


Choca esta tua história... e depois de a ler tive a certeza de que fiz bem em ficar quieta há dias, quando regressava ao carro depois de almoçar e fomos abordados por um arrumador de carros.

Estávamos em viagem e depois do almoço sobrou comida na travessa. A menina que servia à mesa reparou que eu estava incomodada com o desperdício de comida e ofereceu-se para a colocar num recipiente para trazer para casa. Fiquei contente com a lembrança e lá vim eu com a comida acondicionada numa embalagem para o efeito.
Depois de termos sido abordados pelo arrumador e de o meu marido lhe dar uma moeda, já dentro do carro eu lembrei-me: e se lhe desse a comida? Seria mais bem empregue que a moeda!... Mas tive vergonha :( e fiquei quieta!

Sabes amiga, provavelmente ia acontecer-me a mim o mesmo que te aconteceu a ti.

Não desistas nunca de fazer o que o teu coração acha correto!
Um beijo enorme
Imagem de perfil

De Maria Araújo a 28.12.2014 às 19:24


É lamentável porque aqui em casa, quando sobra comida, mando-a para a minha irmã, muitas das vezes para levar no dia seguinte para o trabalho e tem almoço prontinho a comer.
Custa-me muito desperdiçar.
Beijinho

Comentar post



foto do autor



o meu instagram


1º desafio de leitura - 2015 2º desafio de leitura - 2017 3º desafio de leitura - 2019

desafio


10 anos




Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2012
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2011
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2010
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2009
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2008
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D


Encontros - eu fui

IMG_2230 (2).JPG MARCADOR