Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Cantinho da Casa

Cantinho da Casa

07.08.20

fui picada pela primeira vez

Maria Araújo

dias de nortada na praia, segundo uma amiga que está de férias lá para Norte, hoje, acordei cedo. saí da cama antes que mudasse de ideia, preparei sandes e fruta.

se estivesse  nortada e  não aguentasse o vento,ia visitar uma amiga a Esposende. e não levei o pára-vento.

quando cheguei, não me atrevi a procurar estacionamento perto da praia, já se viam muitos carros na recta que dá acesso ao paredão, logo que visse um lugar estacionava.

e assim fiz.  tinha de andar cerca de dez minutos até à esplanada,queria tomar café. para meu contentamento, estava um vento suave e a temperatura muito agradável.

muita gente na praia, decidi ir pela estrada junto ao pinhal, queria  isolar-me, há muito espaço onde eu gosto de apanhar o sol e banhar-me no mar, e também ver se aquele e-mail que enviei para a Câmara de Esposende ( que por sua vez reencaminharam para a GNR local) tinha surtido efeito.

e SIM, há pilaretes por todo o lado, toda a zona de dunas está vedada ao estacionamento.

1.jpg

2.jpg

3.jpg

cruzei-me com a GNR, que fazia a ronda.

bingo!

mesmo assim, ainda há alguns carros estacionados nos lugares destinados aos peões e áreas de pinhal para piquenique.

Sem Título.jpg

a maré vaza, a temperatura agradável, sem estar quente de mais, o vento era sereno ( estive na praia até às 15:00h).

li, e ouvi recentemente de um médico, que para recebermos a vitamina a D necessária, não precisamos de aplicar o protector solar antes de ir para a praia. o ideal é chegar à praia e tomarmos o sol  nos primeiros dez ou quinze minutos sem o protector, e depois disso, sim, aplicar sempre que necessário, o que tenho feito.

então, fui ao mar, a água estava um pouco fria, mas banhei-me.

ora estando a maré vaza ( eu não sou muito fã porque tenho receio dos peixes-aranha), quando saía do mar, senti uma picada.

e poucos segundos depois, a dor intensa deixou-me preocupada. não via o pé vermelho, mas  passava os dedos e doía-me mais.

frequento estas praias do norte desde criança, nunca havia sido picada por um peixe-aranha,não sabia o que fazer, estava longe do centro. 

liguei à minha sobrinha, pedi conselho,aconselhou-me a procurar  com os nadadores-salvadores, eles  ajudavam.

e lá fui pela beira-mar,de havaianas nos pés, não fosse picada de novo.

muita gente na praia, não consegui ver os jovens.

vi um barraco de aluguer de barracas, pus a máscara, aproximei-me, apareceu-me um homem a quem perguntei onde andavam os nadadores-salvadores. respondeu-me que estavam na linha da praia, apontou numa direcção bem preto e lá estavam eles.

fui ter com eles,  dei bom-dia.

sorriram ( desconfiaram o que queria) contei o que se passou, um deles perguntou-me se doía o pé, há quanto tempo tinha acontecido, e comentou que fui a primeira pessoa do dia a ser picada, que estes dias tem sido demais, que eu não estava a chorar

"chorar?!, perguntei.

"sim!, todos choram"

"dói-me, mas porque havia de chorar, aguento a dor",respondi.

" venha comigo!", diz um.

os colegas ficaram, eu fui com ele, ele simpatiquíssimo dizia que estava admirado porque eu não chorava.

comentei que desde criança que frequento as praias e nunca fora picada, tinha chegado a minha vez, não era motivo para chorar.

levou-me a um café em cima da praia, mandou-me sentar e explicou que ia pôr o pé num recipiente com água quente que tentasse suportar o tempo que pudesse e depois disto, quando sentisse que a dor era menor, que caminhasse na areia seca, mais quente, que em pouco tempo a dor desaparecia.

e voltou a dizer que era muito corajosa, que não chorava ( acho que ele estava a meter-se comigo,caramba, um jovem que podia ser meu filho ).

voltei ao meu lugar, lá ao fundo na praia e onde deixara o guarda-sol e o saco com as minha coisas. cheguei, deitei-me na toalha, não voltei ao mar,deixei o pé sentir a areia quente, e a verdade é que a dor passou.

quando for ao banho e que a maré vaza, vou de havaianas ( não é nada agradável estar no mar com os chinelos).

cerca de meia hora depois, ouvi um choro.

via-se uma adolescente sentada na areia, os pais e os avós davam-lhe assistência, a miúda fazia perrice, doia-lhe o pé, pois claro...e  fui ter com eles.

expliquei o que me aconteceu e o que o nadador-salvador me aconselhou fazer.

mas estiveram pouco tempo ali, acabaram por sair da praia.

e o vento norte não nos veio chatear deixei-me estar na praia até cerca das 15:00h, porque, entretanto, combinara tomar café  com uma amiga que tem apartamento na praia, desde Março, quando  começou o confinamento,que faz a vida toda dela lá.

levei-a ao jardim do hotel Axis.

nunca lhe passara pela cabeça entrar no hotel para  tomar café naquele pedaço de jardim.

ficou deslumbrada  com o espaço e com a vista que tinha sobre a praia.

IMG_20200806_213748_986.jpg

IMG_20200806_173234.jpg

IMG_20200806_213748_989.jpg

 

"quando quiser desfrutar desta calma e não misturar-me com a multidão nas esplanadas, venho cá tomar o café".

e agradeceu-me muito por a levar lá. e vamos repetir.

 

 

11 comentários

Comentar post