Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

cantinho da casa

cantinho da casa

É DESTA QUE LEIO ISTO

Foi a primeira vez que li este título, não sei o que me levou a entrar nesta página. 

É o mês da luta contra o cancro, tenho lido de mais sobre o assunto, é este artigo uma realidade que nós não nos apercebemos, ainda que tenhamos familiares doentes e sejamos os seus cuidadores.

Sobre o livro "As Que Não Morrem", vale a pena ler o texto, aqui.

istockphoto-512012881-612x612.jpg

 

O diagnóstico de um cancro tem uma miriade de consequências: é a morte lenta que não só a doença causa, mas também a cura, brutal para o corpo. Mas é também o trabalho inexcedível (e muitas vezes invisível) das enfermeiras para, em simultâneo, cuidar e avaliar; a desumanização que o paciente se sente atravessar; o abandono daqueles mais próximos que não querem enfrentar "a besta". Em "As Que Não Morrem", a poetisa Anne Boyer — que sobreviveu a um cancro da mama triplo negativo — descreve tudo isso sem peneiras e com a qualidade que lhe fez ser premiada com o Pulitzer para não-ficção em 2020 por este livro. O SAPO24 publica alguns excertos desta obra.

4 comentários

Comentar post