Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

cantinho da casa

cantinho da casa

Sex | 01.11.19

desafio de escrita dos pássaros # 8

# Tema oito - cantinho da casa


" Escreve uma carta para a criança que foste"

 

 

IMG_5541 (2).jpg

Nasceste em Fevereiro, num Domingo de Lua Cheia, em casa.
Quando o recém-nascido é entregue à mãe, a sua primeira reacção é que os olhos e o coração contem os dedos das mãos, vejam a perfeição do rosto, se choram, se vêem.
Não imagino, nem nunca me contaram, como ficou quando te viu: se chorou, se gritou, se foi apoiada por quem lhe fez o parto. Foste operada, duas, três vezes.
À medida que o tempo passava, crescias com saúde, a tua irmã mais velha era a tua intérprete (seria esta, mais tarde, a sua profissão, em inglês, alemão e francês), havia uma grande cumplicidade entre vós, e que seria para toda a vida, trabalharam juntas. Ela compreendia-te muito bem. E corrigia-te.
E tu corrigias-te.
Convivias com as crianças da tua rua, eras a Maria rapaz, gostavas de fazer do corrimão de pedra da rua onde viviam os teus avós paternos, que muito gostavas, o teu escorrega e a mãe repreendia-te porque rasgavas as cuecas, ou tentavas arrastar-te no chão e sujar o vestido que não gostavas, quando ela queria que o vestisses.
Entraste na escola, arranjaste amigas, eras uma criança bem comportada, aplicada nos trabalhos de casa. Alguma dificuldade que tivesses a tua mãe e a irmã ajudavam-te. Em casa, colaboravas nas tarefas domésticas, ias às compras ao mercado, foste sempre cumpridora, mesmo que a vontade fosse pouca e respondias "vou já" quando te chamava uma, duas , três vezes, e a deixavas muito zangada. Mas sempre foste uma criança educada. E muito, muito tímida.
Os adultos tinham alguma dificuldade em te perceber, descontraidamente dizias o que tinhas, arranjavas sempre uma forma de te exprimir, contrariamente às crianças da tua idade que nunca mostraram qualquer dificuldade em perceber o que dizias.
Provaste que uma criança também sabe vencer o preconceito, nunca te foste abaixo, eras uma criança como todas as outras. Excepto para alguns adultos, como mais tarde, já adulta, vieste a constatar.
Quando a tua mãe te deu à luz, e nessa altura não existiam as ecografias em tempo real , teria ficado triste, sem saber o porquê daquilo.
Ela dera à luz uma menina com uma fissura lábiopalatina.
Prometeste que, se um dia fosse possível, irias corrigir estes pequenos problemas, que não eram problemas para ti mas para os outros, os adultos.
E corrigiste-os.

 

Aviso aos pássaros

Por que me dá prazer ler e comentar os vossos textos à sexta-feira e/ou sábado, este fim de semana não o farei, estarei a gozar umas mini-férias, não terei oportunidade de andar pela internet.

Bom fim-de-semana.

37 comentários

Comentar post

Pág. 1/2