Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Cantinho da Casa

Cantinho da Casa

06.06.16

cisto de Baker

Maria Araújo

 

transferir (1).jpg

 

Desconhecia o termo, mas foi o que encontrei no dr. google quando na passada quinta-feira fui à consulta de cirurgia cárdio-vascular, e decida a não querer operar a perna esquerda (felizmente nem foi preciso dizer nada porque a médica concluiu que era desnecessário a cirurgia, mas seria bom tratar os derrames) quando a médica  leu o relatório do ecodoppler e me disse para procurar um ortopedista. 

Ora, quando fiz o ecodopler, o médico avisara-me que tinha quistos nos joelhos, se sabia disto.

Não! Nos exames ecodoppler anteriores nenhum dos médicos me dissera nada.

Marquei consulta para o mesmo ortopedista que tratara a fractura do pulso. A consulta foi hoje.

A nossa conversa:

- Olá. O pulso está bem?

- Sim. Vim cá por utro motivo.

Expliquei a situação e:

- Tem dores nos joelhos?

- Não. Custa-me fazer alguns exercícios nas aulas de pilates, sinto dores ligeiras quando desço escadas e quando calço sapatos de salto alto.

- Quer fazer uma ressonância magnética?

- Eu vim cá por que a médica me aconselhou  vir à consulta, quero saber  a opinião do senhor doutor".

- Deite-se na cama.

Dobra-me as pernas, apalpa-me a parte de trás dos joelhos e diz:

- Os cistos de Baker dão dores. Não me parece que tenha sinais evidentes de cistos de Baker, não vejo necessidade de fazer qualquer tratamento. Aconselho-a a fazer hidroginástica.

- Hidroginástica faço eu há dezassete anos, doutor."

- Eu não vou passar nada. Faça hidroginástica e em agosto venha à consulta e vejo como está.

- Está bem.Obrigada.

E pronto, fiz o que a médica de cirurgia vascular me aconselhou.

Não sou obcecada por,  nem invento doenças, mas fico mais tranquila quando ouço as opiniões médicas.

Bem, tenho de começar a fazer mais aulas de hidro. Actualmente, faço uma vez por semana. Mas vou procurar ir a horas diferentes das senhoras que contam a vidinha toda enquanto fazem os exercícios. Não há paciência para as ouvir o cacarejo constante delas.

 

 

3 comentários

Comentar post