Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Cantinho da Casa

Cantinho da Casa

"As miúdas encalhadas não pedem muito nem pedem o homem perfeito: pedem os mínimos olímpicos."

Maria Araújo, 08.05.14

 

 

 

 

 

Estado civil: ENC

 

"Não são muitos mas vão sendo alguns, aqueles que depois dos 30 continuam solteiros, saídos de longos namoros e avessos a compromissos, recém-separados de uniões de facto que de facto só serviram para desunir ou coleccionadores de namorados e engates de curta duração que acabaram por não resultar em nenhuma relação efectiva.

A verdade é que olho em volta e vejo dois tipos de casais: aqueles que se conheceram nos tempos de escola e que (ainda) permanecem juntos e os que, depois de muitos anos com outra(s) relação (ões), encontraram outros parceiros noutra fase das vidas e não demoraram tempo nenhum a formalizarem esta nova união.

Tenho umas cinco ou seis amigas, declaradamente, encalhadas. Giras, independentes, bem sucedidas, leves e divertidas, desempoeiradas e que assumem, claramente, "azar no amor". Ou porque só se metem com trastes que fogem dos compromissos a sete pés, ou porque acabam envolvidas em triângulos amorosos, só se apercebendo disso quando, casualmente, encontram o namorado num domingo em que devia estar fora em trabalho com a respectiva mulher e filhos a empurrar um carrinho de compras do Continente ou porque, efectivamente, nas suas redes sociais já todos estão emparelhados e não há espécimes masculinas livres e desimpedidas, havendo alguma inércia em frequentar outros contextos e espaços onde possam conhecer gente diferente, nomeadamente, homens. Num breve inquérito, a sondar as miúdas, percebi que os requisitos que procuram são: decente, inteligente, trabalhador e de bem com a vida. As miúdas encalhadas não pedem muito nem pedem o homem perfeito: pedem os mínimos olímpicos.

Curiosamente, tenho no meu círculo de amigos o mesmo número de homens encalhados. Não necessariamente giros, não necessariamente independentes (dois terços vive com a mãe, que lhes trata da comida, cama e roupa lavada), mas igualmente divertidos e desempoeirados que assumem estar à espera de uma "mulher como deve de ser" (citando). Quando lhes falo das minhas amigas encalhadas, a primeira pergunta é sempre a mesma: "Está no teu facebook para eu ver a fotografia?", o que significa que para os encalhados, que deviam ter um ego menos inflamado que o que têm, uma mulher "como deve de ser" deve ser "boa". De preferência gira e boa. O resto é paisagem. Aos homens encalhados não chega uma tipa decente e porreira: tem que ser a miss Universo.

E, quando lhes mostro as fotografias das minhas amigas encalhadas, a opinião geral é que nunca são suficientemente giras e elegantes para tão garbosos machos que, regra geral, de uma forma objectiva, não chegam aos pés das tais amigas.

E, de repente, o que eu acho que falta à minhas amigas encalhadas é o ego que sobra aos meus amigos encalhados. Enquanto umas pedem o mínimo, os outros querem o máximo e, vai na volta, e nunca se irão encontrar, que grandes parvos.

Às minhas amigas encalhadas faz falta serem mais exigentes. E o que faz falta aos meus amigos homens é meterem-se com gajas giras e boas mas sem o mínimo de decência e inteligência. Para depois poderem valorizar o muito e bom que ainda está disponível no mercado das relações. É que, parecendo que não, é tudo uma questão de pré-requisitos: as mulheres "como deve de ser" andam aí, podem é não ser modelos de capa de revista aos trinta e muitos anos nem terem a paciência para substituir as mulheres perfeitas... que são as mãezinhas deles.

Orientem-se, pá."

 

 

Um excelente post de uma grande mulher.

 

Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.