Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

cantinho da casa

cantinho da casa

alguém que te inspira

do desafio da abelha

 

A minha mãe tinha dois anos quando a sua faleceu. Não a conheceu, portanto.
Foi criada, mais os quatro irmãos que tinha, pela mulher com quem o meu avô casaria. Vieram mais três irmãos.
A minha mãe, severa na educação que deu aos filhos, e porque o meu pai estava meses ausente a trabalhar em Angola e Moçambique, era pai, também.
Para que nada nos faltasse, arranjou emprego dentro de casa: comprou uma máquina de tricotar e passou a fazer camisolas para fora.
Tinha quatro filhos, mais tarde vieram mais dois. Com seis filhos, mais um dInheirinho que entrasse em casa, e para que tivéssemos roupa, calçado, livros, e um belo mês de férias na praia, eu e a minha irmã éramos as sua ajudantes nas tarefas domésticas. Mas era eu que mais a apoiava na sua "profissão", porque ia entregar as encomendas a casa das clientes.
Os anos passaram, os dois irmãos mais velhos casaram, tiveram filhos, eu trabalhava, ela deixou a máquina de tricotar, passou a viver para os netos.
Veio a doença, e deixou-nos.
Foi ela a minha inspiração na vida. O modelo que segui para que a minha vida fosse de luta pela família, sobretudo os irmãos mais novos, que precisavam dela, ela não estava mais connosco, procuravam o meu apoio, mesmo depois de casados; nos meus sobrinhos que por aqui passavam.Tomava contas deles, dava-lhes de almoçar no tempos da escola; e agora os sobrinhos netos a quem dou o que posso, sobretudo àquele que está mais perto de mim, o rapazinho de quatro anos e meio que nasceu na capital e veio viver para esta cidade.
Todos os outros têm tudo de mim, sempre que estão por cá. Nesta altura, e com muito orgulho, tenho sete sobrinhos netos, vem mais um menino ( os rapazes estão em maioria) para Agosto.
Dou muito valor ao que a minha mãe nos deixou. E falo muitas vezes nela.
Os seis filhos que teve foram, e são, dignos dos valores que receberam. Vejo pelos meus sobrinhos, todos adultos, homens e mulheres educados, que se respeitam, que se dão muito bem.
E eu fico feliz quando estamos todos juntos e vejo que os filhos deles adoram as brincadeiras que têm com os tios e tias dos pais.
Aminha mãe inspirou-me muito, e, como escrevi aqui  "a minha mãe "olhou" muito por mim", corrijo e acrescento: "Acho que ela está a olhar por mim...pelos filhos e pelos e netos."

 

 

11 comentários

Comentar post