Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Cantinho da Casa

Cantinho da Casa

22.10.14

A razão do post anterior

Maria Araújo

fez-me lembrar que, há cerca 15 anos, decidi encher o meu lábio superior.

E aqui ao lado, neste prédio, existe um consultório de três irmãos médicos, um deles cirurgião plástico, que havia feito uma rinoplastia aqui à "je", decidi,  mais tarde, encher o lábio superior (nasci com fissura labial-palatina).

Foi-me injectado ácido hialurónico, Restylane, em vários pontos do lábio superior.

Boca com pequenos hematomas, lábio inchado, fiquei super feliz porque, finalmente, iria ter uma boca mais sexy.

Mas o médico havia dito que, provavelmente, teria de fazer mais do que uma aplicação. Dependeria da reação da boca ao ácido.

O resultado foi: uma semana depois, à excepção de uma nodoazita negra, o lábio estava como dantes. Não fizera efeito, teria de aplicar muito mais ácido hialurónico até ficar com  a espessura desejada.

E como não sou rica e não podia pagar 200 euros, preço especial, a multiplicar por, pelo menos, duas  a três vezes só nesse ano, arrumei com o assunto de vez.

Por que pensei que esse desejo de ter uma boca mais espessa, tonar-me-ia dependente do ácido hialurónico, também depressa esqueci o assunto.

Alguns anos depois, e quando a Bárbara Guimarães apareceu com toda a sua sensualidade na estação de Carnaxide, voltei a pensar na minha boca, mas não no Restylane, e procurei um criurgião plástico algures numa clínica perto do mar.

E quando perguntei ao médico quais eram as probabilidades de sucesso em fazer um enchimento com gordura do meu corpo, lipoenxertia,respondeu-me: "A sua boca está muito bem. Não queira isso. Vai ficar com os beiços carnudos( e fez o gesto com as mãos, pormenor que não esqueço) e isso não vai ficar bem. Deixe estar como está."  

Entretanto, há sete anos, numa clínica da capital, chamaram-me para fazer o cálculo do IMC,e sem que eu falasse em alguma coisa, pois a consulta era de outra especialdidade, perguntaram-me se gostaria de fazer uma correção às minhas eternas rugas: da testa, dos olhos e do lábio. "Pense no assunto", disseram.

Mas eu nunca pensei nisso. As rugas estão cá, sãs e bem, acompanhando o correr do tempo.

esta notícia, foi a razão de contar a estória dos beiços carnudos e das "forever" rugas.

 

2 comentários

Comentar post