Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Cantinho da Casa

Cantinho da Casa

08.04.14

A Madame do batom vermelho, take 2

Maria Araújo

 

 

 

As pontas de cigarro continuavam, e continuam,  a "acumular-se" junto à porta da minha garagem e, um belo dia, peguei na vassoura. Uma a uma, varri-as para o apanhador e guardei-as num saco de plástico, que ficou junto ao caixote do lixo que tenho na garagem. (devem cheirar mal, mas não as pus no lixo até...)

Por vezes, e se a madame do batom vermelho está por casa e vê a "cena" que propositadamente faço quando abro a garagem para tirar o carro, qual jogador de futebol, chuto as que estão ali ao meu alcance para o lado da escadas dela.

Sou paciente, mais dia menos dia eu descobria quem as lança para o chão.

O marido da madame do baton vermelho trabalha na Agere, não se me punha a hipótese de o casal poluir o ambiente (se bem que ouço coisas que não agradam ao ambiente, nem ao vizinho que vive na cave).

E já lá estão umas quantas, recentes, fresquinhas,  porque eu vou todos os dias tirar o carro.

"Quem será?", perguntava-me, olhando para os andares do outro lado do prédio onde, no 3º andar vive um moço cinquentão, fumador, que raramente está em casa.

Ora há minutos atrás, depois de lavar a loiça, fui à janela das traseiras. Com uma temperatura tão agradável, deixei-me ficar. Subitamente, olho para baixo e vejo alguém sentado(a) nas escadas com o telemóvel na mão esquerda e o cigarro na mão direita.

Rapidamente desliguei a luz da cozinha e fui para a janela. O braço era de mulher, não se via a cabeça.

Uns minutos depois,  pessoa levanta-se e vejo a madame do batom vermelho. Entrou em casa.

Como estava às escura, ela também, não vislumbrei o lançamento da ponta acesa.

E pensei: "será que apaga o cigarro dentro de casa e lança-o para o exterior?"

Os vizinhos são pessoas serenas, boa gente.

Falar com a madame do batom vermelho, não quero. Falar com o marido, nem pensar (parece-me ser controlado pela esposa)!.

Pôr um letreiro na porta da garagem, como pensara aqui: " parece-me que neste prédio não há cinzeiros dentro de casa", não tenho como afixar/prender.

Então, vou repetir o que fiz antes, mas num dia que eu pressinta que ela está em casa.

Vassoura na mão, vou juntar as pontas todas que estão prostradas em frente à garagem, junto as que tenho dentro do saco e vou depositá-las nas escadas dela.

E que não me chateie a beleza. 

Não sou mulher para discutir com os vizinhos.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.