Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Cantinho da Casa

Cantinho da Casa

Na página do Sapo

Maria Araújo, 11.12.13

está esta notícia, cujo link acabei de deixar neste blog em destaque, e a propósito de nos supermercados não se encontrarem os legumes tão frescos quanto desejaríamos.

Não sou fã de comprar legumes e frutas nos supermercados e grandes superfícies, salvo raras excepções, quando não tenho tempo para ir ao mercadinho.

Então, em finais de outubro, decidi increver-me aqui.

Escolhi, online, o cabaz mais pequeno (pago 7 euros), de 15 em 15 dias, para experiência.

No 1º cabaz ,as laranjas eram fracas e muito azedas. Reclamei via internet e pedi que enquanto estas não estivessem boas para consumo, substituíssem por um legume.

No cabaz seguinte, as laranjas eram melhores.

Já vai no 3º , gostei dos produtos, o aspecto é muito bom. Os legumes frescos e tenros, a fruta não é a mais bonita e perfeita, mas é boa e a variedade é a da época.

Pelo que tenho apreciado, os clientes vão satisfeitos com os cabazes que levam para casa.

Na semana passada, perguntei se havia a possibilidade de no próximo cabaz, antes do Natal (vou aproveitar a lembrança e fazer já a minha encomenda extra), aumentar os produtos e pagar à parte.

A resposta foi afirmativa. Pediram-me para  enviar um e-mail com a quantidade e os produtos que pretendo.

A experiência tem sido muito positiva.

Sinto-me satisfeita em ter aderido e ajudar os nossos produtores.

 

 

 

A leste do país

Maria Araújo, 11.07.13

é como estou.

O trabalho tem sido intenso, as noites são mal dormidas (calor e não só), que me esqueço das notícias e que há um país que precisa da salvação.

Entretanto, a vida passa a correr, amanhã tenho as  Bodas de prata de uma amiga (vai ser a desforra da semana).

O que decidi oferecer, perguntam?

O casal tem tudo.

Decidi que isto vai ser, com certeza, uma bonita prenda.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Estou com falta de paciência e...

Maria Araújo, 25.10.12

cansada, saturada, sem paciência, devido a vários factores, um deles, o que mais me está a massacrar, contando com os chicos espertos destes pais, a burocracia, um funcionário que diz isto, noutro dia ou outro diz aquilo, e mais tarde, outro acrescenta mais qualquer coisa que, depois de reclamação minha e farta disto tudo, me manda para o diretor :"ai que bom, é mesmo o diretor que eu queria". e este, que não acabou (pára com uma medicação e toma-se outra nova, mais 20 euros na farmácia, e daqui a 12 dias um exame aos ouvidos).

O caso com o diretor, que é uma diretora, está a ser resolvido. Serei contactada, em breve.

Finalmente!

 

 

A (in)esperada reação

Maria Araújo, 01.05.12

E antes de ver um filme para aproveitar o descanso deste dia do trabalho/trabalhador, e já trabalhei aqui em casa, espreitei o SAPO e li isto .

Leia-se este comentário de uma cliente:

 

"Otávia Brito contou à Lusa que estava à espera que as portas reabrissem para ir fazer mais compras, depois de já ter gasto perto de 700 euros, valor que, sem o desconto, se cifraria em 1.400.

"Comprei sobretudo bebida, desde cerveja, a água, bebidas espirituosas, leite, mas também produtos de higiene e carne", refere, sublinhando que enquanto foi ao carro colocar as compras, as portas encerraram.

A cliente chegou ao supermercado cerca das 09:00, altura em que "estava ainda mais gente", mas não sabe se esperará até perto das 15:00 para fazer mais compras, hora estimada para a reabertura da loja."

 

Boa tática do grupo PD!

 

Parece que estamos num país dos subúrbios mais recônditos do 3º mundo, oh Deus!

 

 

 

(imagem retirado do FB, blogue da minissaia)