Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



Inevitável

por Maria Araújo, em 17.05.12



 

 

A cada dia que passa somos confrontados com estas notícias

Não consegui escrever uma palavra que fosse deste jovem senhor.

Esta senhora, fez-me vibrar nas noites de discoteca, por este norte acima.

 

 


 

 

Início

Autoria e outros dados (tags, etc)

A propósito...

por Maria Araújo, em 26.07.11

desta notícia, e por que me parece que os jovens não tem noção do que é o sentido da vida, enfrentam outros desafios, que não eram os nossos, já não é a primeira vez que no cruzamento com semáforos,  aqui perto do local onde vivo,e  para quem sobe a avenida perpendicular àquela, só com um sentido, o tempo de sinal verde é superior ao tempo do sinal verde destas ruas.

Ora estas só têm um sentido,  logo para ir para o centro ou para a rodovia, tenho de passar por estes semáforos.

Um belo dia, estava eu à espera do sinal verde para avançar, quando no exacto momento que este abre, surge-me um jovem em cima de um skate e atravessa o cruzamento, no momento em que eu arranco. A seguir, passa outro jovem, quase colado à frente do meu carro.

O susto foi grande demais. Nem queria acreditar no que via. Buzinei. Óbvio que a reacção foi zero.

Mais tarde, nos mesmo sinais, com um carro à minha frente, o sinal passa a verde, e eis que surge um jovem numa bicicleta, passa à frente do carro e sobe o passeio do lado oposto de onde surgira.

Tinha ouvido comentários sobre estes desafios dos jovens, não em touradas, mas com os skates. Segundo dizem, estes jovens ficam à espera que o sinal verde abra de um lado, para atravessarem-se à frente dos carros, sem que estes os vejam. A acção é tão rápida que o condutor não dá por nada. E fazem-no sempre na diagonal, porque o trajecto entre os passeios é maior, o  desafio também.

Desde então, qualquer cruzamento que passe, arranco uns segundos depois do sinal verde abrir.´

Faz-me lembrar aquele ditado que diz "onde há uma bola, há uma criança". Abrando sempre quando a vejo.

Mas a criança vai atrás da bola porque não tem a noção do perigo.

Estes jovens sabem o que fazem. Querem mostrar ao amigos que são capazes, mesmo que o desafio leve à morte.

Lamentável.

 

 

 

Queria fazer um filme para o YouTube e acabou por morrer (SAPO)

Início

Autoria e outros dados (tags, etc)

Gilberto Gil

por Maria Araújo, em 09.11.09
 

 

Ontem fui, pela primeira vez, à Casa da Música ver o espectáculo de Gilberto Gil.

A menina  Emília, num comentário que fez a um dos meus posts, lançou o repto e eu, entusiasmada com um convite tentador, consegui comprar o bilhete online.

Ontem fui ter com ela, a amiga Hermínia, e os maridos de cada uma.

Simpáticas e divertidas lá fomos nós a caminho do Porto.

O espectáculo era na sala Guilhermina Suggia.

Chegámos cedo, pois eu ainda tinha de adquirir o bilhete.Ainda deu tempo para tomarmos um café e convivermos um pouco.

Por volta das 22 horas, entrámos para a sala.

Fiquei deslumbrada.

 

 

Fiquei na primeira fila em frente ao palco e elas/eles, duas filas atrás.


Gilberto Gil entrou sozinho, no palco.Os aplausos soaram em uníssono.

 

 

A  primeira canção ( dedicada à esposa).

 

 

 

 

 
 Flora
Imagino-te já idosa
Frondosa toda a folhagem
Multiplicada a ramagem
De agora

Tendo tudo transcorrido
Flores e frutos da imagem
Com que faço essa viagem
Pelo reino do teu nome
Ó, Flora

Imagino-te jaqueira
Postada à beira da estrada
Velha, forte, farta, bela
Senhora

Pelo chão, muitos caroços
Como que restos dos nossos
Próprios sonhos devorados
Pelo pássaro da aurora
Ó, Flora

Imagino-te futura
Ainda mais linda, madura
Pura no sabor de amor e
De amora

Toda aquela luz acesa
Na doçura e na beleza
Terei sono, com certeza
Debaixo da tua sombra
Ó, Flora.
 

Entram em palco os músicos,  Bem Gil, seu filho,  e Jacques Morlenbaum.

Vai contando as estórias das suas letras.

Chega à que mais me tocou.

 

 

Não tenho medo da morte

 

não tenho medo da morte
mas sim medo de morrer
qual seria a diferença
você há de perguntar
é que a morte já é depois
que eu deixar de respirar
morrer ainda é aqui
na vida, no sol, no ar
ainda pode haver dor
ou vontade de mijar

a morte já é depois
já não haverá ninguém
como eu aqui agora
pensando sobre o além
já não haverá o além
o além já será então
não terei pé nem cabeça
nem figado, nem pulmão
como poderei ter medo
se não terei coração?

não tenho medo da morte
mas medo de morrer, sim
a morte e depois de mim
mas quem vai morrer sou eu
o derradeiro ato meu
e eu terei de estar presente
assim como um presidente
dando posse ao sucessor
terei que morrer vivendo
sabendo que já me vou

então nesse instante sim
sofrerei quem sabe um choque
um piripaque, ou um baque
um calafrio ou um toque
coisas naturais da vida
como comer, caminhar
morrer de morte matada
morrer de morte morrida
quem sabe eu sinta saudade
como em qualquer despedida.

 

 

 

 

E daquela voz forte saíam palavras que trespassavam o meu pensamento, até chegar à

METÁFORA

 

Uma lata existe para conter algo
Mas quando o poeta diz: "Lata"
Pode estar querendo dizer o incontível

Uma meta existe para ser um alvo
Mas quando o poeta diz: "Meta"
Pode estar querendo dizer o inatingível

Por isso, não se meta a exigir do poeta
Que determine o conteúdo em sua lata
Na lata do poeta tudonada cabe
Pois ao poeta cabe fazer
Com que na lata venha caber
O incabível

Deixe a meta do poeta, não discuta
Deixe a sua meta fora da disputa
Meta dentro e fora, lata absoluta
Deixe-a simplesmente metáfora

 

 

 

 

Início

Autoria e outros dados (tags, etc)

A morte e os familiares

por Maria Araújo, em 18.09.09

 

No humano e belo blog Vida De Enfermeiro foi publicado, no passado dia 14 de Setembro,  um post sobre "A morte e os familiares" em que não só descreve a situação do profissional de saúde no momento que  dá a notícia da morte, mas também define quatro tipos de familares.

Ontem à noite, mais uma vez,ela bateu à porta deste cantinho.

 

Em memória de todos os que nos deixaram, ficam estas frases.

 

 

 

 

Quando a morte vem chegando, parece que as pessoas ficam em paz. Param de lutar contra ela e se entregam com uma docilidade quase incompreensível."  (Zevi Guivelder)

 

 

 

"Morrer é apenas não ser visto. Morrer é a curva da estrada."  (Fenando Pessoa)

 

 

 

 

 

 

 

 

"Quando morremos, deixamos atrás de nós tudo o que possuímos e levamos tudo o que somos."  (Autor desconhecido)

 

 

 

"Aqueles que amamos nunca morrem, apenas partem antes de nós."  (Amado Nervo)

 

Início

Autoria e outros dados (tags, etc)


foto do autor



o meu instagram


1º desafio de leitura - 2015 2º desafio de leitura - 2017 3º desafio de leitura - 2019

desafio


10 anos




Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2012
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2011
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2010
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2009
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2008
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D


Encontros - eu fui

IMG_2230 (2).JPG MARCADOR