Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Cantinho da Casa

Cantinho da Casa

Banco

Maria Araújo, 02.12.12

Acordei cedo, hoje. Precisava de compas de supermercado.

Há alguns dias atrás, comprei na H&M um vestido/túnica de manga comprida, para uma ocasião especial, cujo tecido finíssimo e transparente mais parecia uma camisa de noite. Como a marca, de quando em vez, faz umas promoções para convidar o cliente a comprar, a peça que custava 25,90,trouxe-a pelo preço de 10 euros.

E por que fui trocar a peça?

Porque não a vesti na loja. Hoje, decidida a experimentá-la para ver se tinha coragem de a vestir num evento qualquer, depois de olhar o espelho, achei que não. Só com leggings, que eu não gosto, ficaria bem.

Fui à loja, dei umas voltas, vi o que queria e o que não queria, mas como não estava disposta a comprar o que poderia ficar guardado no armário e não estamos em tempo de extravagências, optei por uma malha preta (embora não seja adepta desta cor, faz sempre jeito para combinar com qualquer outra cor). Só que a malha custava 19,90, isto é teria de pagar mais 9,90 euros.

E trouxe. As malhas que comprei na H&M são confortáveis e têm um corte/modelo que gosto.

Fui ao supermercado. Entrei e lá estavam eles, os jovens/senhores/senhoras do Banco Alimentar, que chamam contra (não gosto destes nome) a fome. Mais suave seria Banco Alimentar de Erradicação da Fome.

Comprei carne, polvo, frango, pão.

Ofereci arroz e massas.

Quando lá voltar, será leite (existem os vales nas caixas de supermercado  que são uma ótima maneira de continuar a ajudar).

À saída, estava uma jovem junto a uma mesa com uns bonecos, ou outras coisas quaisquer, que não percebi. Aproximou-se e perguntou-me  se queria colaborar com um donativo para...

Respondi que ajudo com donativos em vários locais. E saí.

Lamento. Prefiro dar de livre vontade, uma moeda ou nota, a impingirem-me, quase sempre com o valor acima dos 3 euros, objetos sem préstimo algum e que eu não gosto.

Amanhã, será na escola. Também conta com todos para ajudar famílias carenciadas.

Todos os anos damos aquilo que podemos.

Hoje por uns, amanhã por outros, sabe-se lá quem (eu).