Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Cantinho da Casa

Cantinho da Casa

25.04.20

Liberdade

Maria Araújo

até 1974, a palavra liberdade não existia. Existia o dever à Nação, ao Estado,a Deus.

Jovem que era, vivi este dia na escola, do outro lado do quarteirão desta rua onde ainda vivo, quando por volta das 11:00h ,talvez mais, mandaram-nos sair da escola e regressar a casa,não sabíamos bem porquê, só cá fora, na rua, é que se sentia uma grande agitação, falava-se de um golpe de estado.

Coração apertado, a mãe agitada, via-se na televisão, ainda a preto e branco, as inacreditáveis imagens do Golpe dos Capitães, a Revolução dos Cravos.

Quarenta e seis anos de liberdade, interrompidos neste Abril por um vírus que nos fez parar da agitação que vivemos todos os dias.

A natureza, sofocada, libertou-se do mal que o homem lhe fez, quer a mesma  Liberdade, respira, agora, também.

 O mundo está frágil.

Saibamos respeitar a nossa Liberdade, respeitaremos a dos outros também.

Festejo este dia 25 de Abril de 2020, para celebrar 46 anos da Revolução dos Cravos, na Liberdade "enclausurada" da minha casa ( e porque adoro a praia, o mar, que são a minha Liberdade) com este  poema de Sophia de Mello Breynar.

 

Liberdade


Aqui nesta praia onde
Não há nenhum vestígio de impureza,
Aqui onde há somente
Ondas tombando ininterruptamente,
Puro espaço e lúcida unidade,
Aqui o tempo apaixonadamente
Encontra a própria liberdade.

 

main-qimg-c556edd00787c0bb16b2484b6110c801.jpg

 

24.04.20

"Cada um come onde quer e repete se quiser!"

Maria Araújo

Éramos crianças. 

Os tempos eram outros, apesar de haver algumas dificuldades,  não faltava comida em casa.
Costumava ir ao sábado com a minha mãe, comprávamos carne, peixe,fruta e legumes para toda a semana.Aminha mãe fazia sopa todos os dias ( hoje faço para uma semana).

Quando havia visitas cá em casa, a minha mãe, que tinha umas mãos de ouro para cozinhar, dizia: 

" Primeiro servem-se as visitas, depois sirvo-vos o suficiente para ficardes bem. Mas se quiserdes mais, só pedis quando as visitas tiverem acabado".

Diz o tema deste desafio que " cada um come onde quiser e repete se quiser".

Na verdade, cada um de nós tinha o seu lugar à mesa. Repetia se quisesse,sim,mas  só depois de todos se servirem.

No dia-a-dia,era diferente.

E nunca quebrámos as regras.

la-familia-en-la-mesa_1318978588_img.gif

 

 

24.04.20

#fiqueemcasa 38

Maria Araújo

Hoje cumpri a rotina de confinamento; uma aula de Pilates, e a de alongamentos, que segui no canal do Yout Tube do HP.

Fiz almoço ( chili ), depois do almoço, fiz uma leitura em alguns blogs, aspirei a casa,com o pormenor de tirar os livros da estante da sala easoirá-los,também, serviço que a empregada não faz (os do escritório serão limpos um dia destes).

Precisava de fazer compras de azeite,óleo, uma esfegona, mas não me apetecia , arranjei coragem, saí de carro.

Numa rotunda à saída de cidade a GNR era de mais, mandavam parar os carros, sobretudo os que iam para a via rápida que dá acesso à auto-estrada A11.

Passei pelo Lidl, só porque queria pão, trouxe o suficiente, e fatiado, para congelar, e comer durante uma semana, fiz aqui as compras que precisava.

De regresso a casa, conversei com um vizinho, a uma distância considerável, a esposa é enfermeira, já não a vê desde que começou esta estória do Coronavírus, quando tal falei  que não tenho  as máscaras que queria, embora hoje tivesse feito uma encomenta online, falei das luvas,  que estão esgotadas, que não arranjo nada, eis que interrompeu a conversa e diz: " queres luvas? Espera que já te arranjo".  Entrou em casa dos falecidos pais e trouxe uma caixa cheia de luvas. Pediu-me para tirar as que quisesse.

Uma mãozada na caixa, trouxe umas quantas." Quando acabarem, há mais", disse-me ele.

Acabou mais um dia, preciso de comprar legumes e peixe fresco, mas custa-me sair à rua, sobretudo porque  evito  comprar estes produtos no supermercado. 

Bom fim-de-semana.E fiquem em casa.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

23.04.20

#fiqueemcasa 37

Maria Araújo

Hoje fiz tudo ao contrário,isto é, o dia não começou com a aula de treino, fui passar a ferro, já me fazia nervos ver a montanha de roupa no cesto (com esta saga da pandemia, mudo mais vezes as toalhas das mãos e, mesmo dobradas no cesto para as passar, criam a ilusão de que a roupa é muita), o meu plano era fazer a aula depois de passar a ferro,mas quando olhei o relógio da cozinha, pensei adiantar almoço e enquanto este cozinhava, fazia os meus exercícios.

Mas,o que almoçar?!

Tenho a mania de pensar em cima da hora o que vou cozinhar e tendo tudo congelado, nem sempre dá tempo descongelar, lembrei-me de fazer uma lasanha de bacalhau.

Fazer o molho béchamel, pôr o bacalhau a cozer, desfazê-lo em lascas,  preparar o refogado para o alho francês, fazer a mistura com o bacalhau, preparar a lasanha, quando  estava pronto para ir ao forno, já passava das 13:00 horas.

Não tenho pão,nem tenho saído de casa para ir à padaria, mas amanhã terá que ser, não tenho azeirte,  preciso de fruta, também. E decidi aproveitar o forno para fazer um bolo para o lanche

Lembrei-me do bolo daqui, deparei-me com um bolo de laranja mas como só tinha uma pequena,comi-a na hora, fui procurar o de maçã.

Por acaso, tinha açúcar amarelo, que gosto muito para bolos.Preparei a massa, quando a lasanha saísse do forno,entrava a forma.

Almocei por volta das 14:00 horas, a lasanha estava boa ( a repertir) . Lavei a louça, entretanto,o bolo ficou pronto.

Estou habituada a fazer os bolos em forma com abertura, cheirava muito bem, apetecia comê-lo quente.

bolo.jpg

O treino estava-me na cabeça e eu perdera a vontade.

Está sol, decidi arrumar a garagem que já estava a precisar. 

À entrada acumula-se a erva daninha, irrita-me, não é fácil de tirar. E a lama que se acumula  com a água que sai da máquina de lavar da madame do r/c, que gera ali,também, um matagal bem alto, nesse não pus as minhas mãos.

Munida de máscara e luvas,consegui tirar alguma erva daninha, arrumei tudo, lavei o chão.

Mal entrei em casa, sapatilhas fora da porta, tirei a roupa, que foi directa para a máquina de lavar, meti-me debaixo do chuveiro.

Fiz uma infusão de cidreira para acompanhar com uma fatia de bolo, que estava delicioso!

IMG_5974.JPG

E porque hoje é o Dia Mundial do Livro e não tive tempo de mais para ler as cinquenta ou mais páginas que prometi ler todos os dias, dediquei alguns minutos a ler um capítulo, está na hora de fazer o jantar.

Previsto está,para depois do jantar, ver mais dois capítulos da série " As Telefonistas".

Passou mais um dia deste confinamento, tem corrido bem cá em casa.

Fiquem em casa, fiquem bem.