Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Cantinho da Casa

Cantinho da Casa

# diário de gratidão

03.01.19, Maria Araújo

Sou uma pessoa grata pelo que me fazem, pelo que faço a mim própria e a quem está perto de mim, por vezes, até,  de quem não conheço.

Percebo que, actualmente, as pessoas têm alguma dificuldade em dizer obrigada, em estar grata por algo que fez ou lhe fizeram, por mínima que seja a dádiva ou reconhecimento.

Tendo eu própria lançado um desafio para o ano de 2018,  a foto da semana, ponderei  num no novo desafio para 2019, mas as ideias não surgiram, também não me levei a sério, tinha tempo, até que hoje, li no blog da  Maria das Palavras  o que me suscitou interesse, e que tem a ver com coisas boas, como : " Comer uma coisa que gosto. Conseguir mudar um pneu. Ouvir um elogio. Ler mais um capítulo do livro que gosto. Saber de uma novidade boa. "

(...) A ideia é rever as coisas boas das últimas horas para me lembrar que aconteceram e valorizá-las.

Ora, muitas pequenas coisas boas acontecem no nosso dia a dia, que esquecemo ou deixamos para segundo plano, porque as outras menos boas já  nos invadiram a mente e o coração.

big_95a661ab9418ad365755.jpg

Por que a palavra GRATIDÃO faz parte do meu vocabulário, resolvi participar neste desafio, embora não o faça diariamente, pois tenho ocupações que, actualmente, me impedem de vir ao blog, e à noite já não me apetece andar por aqui, e  a primeira gratidão está aqui:

Dia 1

IMG_20190101_170100.jpg

Estou grata pelo Sol que me fez ir auto-estrada fora, até à praia, receber a vitamina D, sentir a terapia da  água do mar nos meus pés e, no final do dia, proporcionar-me  tirar a primeira fotografia do ano.

 

 

 

 

 

 

coisas das "minhas" crianças

02.01.19, Maria Araújo

Último dia do ano, os meus sobrinhos netos luso-brasileiros vieram cá para casa, precisava de fazer umas pequenas compras, foram comigo ao Continente aqui da zona.

Já na saída, no parque de estacionamento, pedi ao mais velho que desse a mão ao mais novo, e eu do outro lado dava-lhe a mão, também.

Na passadeira do recinto, os três de mãos dadas, diz o pequenote no seu brasileiro carioca puro ( o mais velho  fala português de Portugal) :

- Nós parecemos A Garota do Ipanema.

- Como assim, F, A Garota do Ipanema?!

Repete a frase ao mesmo tempo que  trauteia um pouco a música.

Acompanhei-o na canção, até que ele diz:

- Você não entendeu, tia L. Não é a canção.

- Como assim, F, não é a canção?!

- Nós parecemos os meninos do teatro A Garota do Ipanema.

O mais velho tenta explicar, e foi então que me lembrei das fotografias que recebera na altura.

Na festa do colégio que frequenta, na  dança de A Garota do Ipanema, duas meninas davam as mãos ao menino, faziam a coreografia e dançavam ao som da canção.

IMG_20190104_141745.jpg

 E foi assim, que o F nos comparou às meninas que dançavam com ele. 

Contrariamente ao irmão, que não fala brasileiro e não dança, o F é malandro, adora dançar e está sempre a falar em " bunda".

Mais à frente, e já perto de casa, o F trauteia a música de uma canção que eu só tive conhecimento desta quando eles chegarem do Brasil. 

Cantava, então, " Explosão", ao mesmo tempo que erguia as mãos e arrebitava o rabo para trás e saracoteava-o : " olha a explosão, quando ela bate com a bunda no chão".

Volta a trautear, eu e o irmão ríamos com a brincadeira, passa por nós um homem que, quando o F repete: " olha a explosão", ele acaba o verso a cantar, " ela bate com a bunda no chão". O F desata a rir, vira-se para trás, e digo eu: " olha que o senhor é brasileiro".

E ria-se. Mas não repetiu a dose, contra minha vontade pois estava a preparar o telemóvel para gravar o seu espectáculo.

Tão malandro e feliz, este meu sobrinho neto.

 

 

 

 

 

 

e como foi o teu primeiro dia de Janeiro

01.01.19, Maria Araújo

e do ano 2019, Maria?

Pois é. Ontem, prometera que iria molhar os pés na água do mar, como sempre o faço desde que o tempo esteja a favor, neste primeiro dia do ano, como fiz em 2017, já que em 2018 choveu e andei por  aqui.

Saí de casa em direcção à A11, paguei mais 5 cêntimos de portagem, parei em Apúlia para levantar dinheiro ( antes de sair de casa contei todas as moedas, tinha 1,80€ em moedas pequenas ), fui registar o euromilhões nesta localidade, entreguei 10€ , teria de receber troco 7,50 €.  Estava perto da porta reparei que só tinha moedas na mão, deixara a nota de 5€   esquecida em cima do balcão.

Na altura do registo, estava a meu lado um homem que também ia pagar o seu jogo, achei estranho nenhum deles me chamar para me avisar da nota esquecida.

Voltei para trás e diz o homem detrás do balcão e com a nota na mão: " é sua?".

"Sim. Obrigada", respondi, pegando nela,  e saí.

Pensei para o meu decote " O gajo ia ficar com a nota se eu não voltasse atrás. Não foi honesto".

Comentais vós: " Como assim, não foi honesto?!, e perguntais: "E por que não a daria?"

Porque quando entrei no carro e guardo o troco das moedas, reparei que me dera apenas 1,50€ quando deveria ter dado 2,50€.

Fui confirmar o valor de moedas que contara antes de sair de casa, confirmei que as únicas moedas de 1 euro e de 0,50€  fora ele que as dera.

Ainda pensei  voltar atrás, de novo, mas o homem poderia dizer que  dera o troco certo, e era a minha palavra contra a dele, já que eu não verifiquei o troco na hora que ele o deu.

Fiquei chateada pela falta de hosnetidade do homem. Não se faz. 

Esqueci o assunto ( tenho de estar mais atenta ao troco das compras que faço, já aconteceu não conferir e mais tarde perceber que não estava certo), lá fui eu estacionar o carro, pronta para  passear pela beira-mar, quando me lembro de tirar o telemóvel da carteira para o fotografar o mar, que estava lindo... e qual não é o meu espanto que não o encontro. Trouxera um livro para ler na praia, o telemóvel não aparecia, tirei tudo da carteira e nada.
Votei ao carro, não fosse estar caído, mas não me lembrava de o ter metido na carteira, em casa. 

"Que decepção", comentei para mim mesma, " não vou fotografar os meus pezinhos na água do mar".  Que cabeça a minha", murmurava.

Alguns pares dormiam agarradinhos (provavelmente sairam de dia do Pacha) nas dunas, as pessoas que iam na direcção do mar olhavam-os, pensariam o mesmo que eu.

Casais com filhos andavam pelas rochas, outros casais passeavam os seus cãezitos, dei um pequeno passeio pela beira-mar até que aproximei-me de um rochedo, sentei-me, tirei as sapatilhas e as meias, deixei a carteira junto ao rochedo e fui molhar os pés.

Garanto que a água não estava demasiado fria. Soube-me bem senti-la nos pés. Era a única pessoa que estava descalça com os pés na água.

A poucos metros de mim, um jovem casal observava-me, tirava  fotografias ao mar e a si próprios. 

Não tendo a minha máquina fotográfica e o telemóvel, deixo a fotografia do primeiro dia de 2017, porque descobri que as calças que vestia na altura, eram as mesmas que usei hoje.

20154694_94z0G.jpeg

Sentei-me no rochedo onde estavam as minhas coisas, deixei-me ficar com os meus pensamento e que o meu olhar se perdesse no sereno azul e branco do mar.

Hora do almoço, pensei almoçar num dos bares de Ofir, mas decidi vir  para casa.

O regresso é sempre feito pela N 103, cheguei a casa, fui de imediato procurar o telemóvel, lá estava ele em cima da mesa da sala, e com várias chamadas da minha irmã, que estava preocupada. E liguei a dizer o que acontecera.

Depois do almoço, lembrei-me de ir visitar a Alice, mas ela não estava na Casa de Saúde, tinha ido passar o ano com a família. Há um ano que não vejo esta amiga, não imagino como estará a sua saúde mental.

Passei em casa do avô dos meus sobrinhos netos cariocas, saímos para dar um passeio pelo centro da cidade, que estava cheio de gente. A Brasileira estava fechada, assim como todos os cafés do centro, mas descobrimos que a Casa dos Pasteis de Chaves estava aberta, queríamos tomar um chá. 

Esta casa fez um bom negócio neste dia 1 de Janeiro. Não costuma ter clientes que encham a casa, mas hoje ganhou o dia.

E comenta a minha sobrinha, mãe dos meus sobrinhos netos carioquinhas: " se tivesse um negócio destes garanto que abria neste dia. Já repararam como está cheio?"

E o McDonald's estava à pinha, também.

Passei na única padaria do centro, também cheia de clientes, estavam a sair baguetes de pão quentinhas, comprei, e pelo caminho de casa consolei-me a comer os pedaços de pão que ia cortando com os meus dedos.

1º dia de Janeiro de 2019 muito tranquilo, como eu gosto. Que seja um  bom augúrio.

 

 

Feliz Ano Novo

01.01.19, Maria Araújo

Resultado de imagem para feliz 2019 gif animados

Sonhos, planos, decisões, metas, desejos, são decididos no dia-a-dia, por vezes num momento de reflexão, de conversa, de convívio.

E se 2018 foi um ano positivo, espero que 2019 seja  um pouco mais frutífero na realização de alguns planos de anos transactos, e que não consegui cumprir, quiçá a minha viagem ao Rio de Janeiro.

Uma coisa garanto: hoje, primeiro de Janeiro de 2019, vou molhar os pés na água do mar.

 

Pág. 4/4