Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Cantinho da Casa

Cantinho da Casa

29.11.18

deixem ficar o homem

Maria Araújo

a pergunta do dia de hoje, na página do Sapo, refere-se a Rui Vitória.

captura de ecrã.png

O Benfica é uma equipa conhecida no mundo, está a passar uns momentos menos bons, mas todos sabemos que o auge não dura para sempre.

E quando as épocas menos boas são evidentes, trata-se de imediato de despedir o treinador. Não concordo. 

Se foi o melhor durante várias anos, se está em baixa nesta época, caramba por que deve ser despedido?!

As estrelas caem... e das quedas se levantam.

Deixem ficar o homem. 

 

 

22.11.18

o estrondo

Maria Araújo

5:45h da manhã, acordei com um estrondo tão forte, que demorou uns quantos segundos, que pensei ter havido uma explosão algures na cidade.

Depois de passar o ruído, levantei-me. 
Poderia ser trovoada, não houve nada de mais, entretanto. 

Voltei para a cama, Uns minutos depois, o som  menos intenso ouviu-se, era da trovoada.

Passou, não ouvi mais nada.

Acordei com o despertador, dormia eu muito bem, a vontade de me levantar era pouca.

Fui à fisioterapia, falou-se no estrondo, as opiniões eram unânimes, mais parecia o de  uma explosão.

Uma das senhoras comentara que a maioria dos pára-raios das igrejas desta cidade estão desactivados.

Felizmente, que não foi uma explosão, foi trovoada.

 

 

 

 

20.11.18

coisas do meu dia

Maria Araújo

Tinha marcado para hoje deixar o carro na oficina para fazer uma revisão, antes de ir à inspecção, desmarquei tudo,  o carro da minha irmã avariou, foi rebocado, emprestei o meu para ela ir trabalhar.

Fui levar o carro, aproveitei para, finalmente,  marcar uma consulta na clínica de fisioterapia  que fica em frenta à casa da minha irmã.

O médico dá consultas neste dia, tive sorte, alguém tinha cancelado a sua consulta da manhã, ficou para mim.

Depois desta,  foram marcadas as horas do tratamentos, a funcionária perguntou se queria fazer, nesse momento, o primeiro tratamento. 

Com certeza que sim,  ao meio-dia estava a sair da clínica.

A caminho de casa, decidi mudar o trajecto e passar no mercado municipal para comprar fruta, trouxe maçãs, tangerinas, bananas, romãs, castanhas e nozes.

Pensara fazer  lasanha de courgette e espinafres, para o almoço, aproveitava o forno para comer  as  primeiras castanhas deste ano.

Enquanto a lasanha estava no forno, na parte de baixo as castanhas assavam no tabuleiro, duas teriam escapado à faca, dois morteiros ouvi, fui ver o forno ( não o abri), a lasanha estava intacta e tostadinha, o forno cheio de padaços de castanha.

A lasanha estava deliciosa, as  castanhas de Trás-Os-Montes souberam muito bem, comi-as todas.

Sem carro, e com aula no ginásio às 17h15m,  fui para a paragem de autocarro  na expectativa de chegar a horas de conseguir uma senha para a aula das 16h30, estive trinta minutos à espera, já não chegava a tempo, quando  parou e perguntei ao condutor qual a hora do autocarro seguinte: "dentro de cinquenta minutos" - respondeu  -" mas saia daqui  por que as pessoas querem entrar", saí, este condutor não foi simpático,  passei pelo supermercado para comprar detergentes, a empregada vem amanhã, não quero que lhe falte nada ( a ela falta mais eficiência na limpeza da casa), voltei a casa, liguei o pc para ver os horários do autocarro que devia apanhar e que pára muito perto do ginásio.

A aula correu bem ( a D põe-nos KO) pergunta-nos: " meninas, estão bem?" e respondemos "sim", ela é excelente e um amor.

Desci a rua até ao Continente. Na paragem em frente a este, há um autocarro que passa de vinte em vinte minutos, leva dez a chegar onde ao centro e muito perto da minha casa, aproveitei para ir à padaria  minha preferida.

Fiz um jantar leve.

Sem notícias da minha irmã, se tinha chegado bem,  o que foi "diagnosticado" ao carro, enviei sms, tive resposta uma hora mais tarde.

Tinha chegado bem, o carro só fica pronto na quinta-feira, precisava do meu para amanhã, na quinta-feira vai com uma colega.

Amanhã, tenho duas aulas no ginásio. Não vou à primeira,  o autocarro não chega a horas, vou para a segunda, noutro autocarro que não passa perto do ginásio,  tenho de fazer a pé uma rua íngreme, mas são só cinco minutos.

Nunca pedi, nem peço, um carro emprestado.

Sempre que deixava o carro na oficina e tinha de ir trabalhar, ia de boleia ou na camioneta da carreira, como se diz cá no norte.

Não fosse a chuva, vinha a pé para casa.

O carro faz falta, oh, se faz!

 

 

 

 

 

 

 

Pág. 1/3