Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Cantinho da Casa

Cantinho da Casa

O título do Sapo faz alarido

Maria Araújo, 30.09.15

 

Hoje, na barra lateral da página do Sapo tinha esta pergunta:

benfica.png

 

e como se pode ver pelo gráfico, os votos foram para o Atlético de Madrid.

Eu também votei no clube espanhol.

Soube que o jogo não ia ser transmitido por nenhum canal de televisão.

Entrei aqui e vejo o resultado.  2-1 para o Benfica.

Pois é, eu que nem sou benfiquista fiquei boquiaberta e comentei: " Quem diria, hein?Afinal o Benfica venceu! Grande lição para os votantes, ahahahah!"

Amanhã, temos o SCP e o meu Braga!

"Que lata!"

Maria Araújo, 30.09.15

 

eager-for-more-money.jpg

 

depois de duas aulas bem puxadas, no ginásio, depois de um merecido relaxante jacuzzi, vou para o duche, fechei a porta e ouço alguém: "Olá, L".

Abri a porta e deparo com uma senhora que me olhava. E perguntou-me várias vezes se e não a conhecia.

Eu, provavelmente, com ar de palerma, respondi que não estava a ver quem era.

Vota à carga, repete várias vezes, até que, pela voz, cheguei lá.

A pessoa está mais magra, madeixas no cabelo, digamos que até bem conservada, e quando eu digo  que, pela voz,  acho que sei quem é, comenta ela :"Não me conhece, ou não quer conhecer-me?"

Fiquei lixada com o comentário, pois na verdade só percebi quem era quando reconheci a voz: "Ah" É a dona A".

"Sim, sou eu. Está tudo bem consigo?"

"Sim", respondi com algum desprezo.

"Bem, tive prazer em a ver", responde.

Fechei a porta e falei para mim mesma "É preciso ter lata! Ela sabe que a família não a suporta e tem o descaramento de me cumprimentar?! Estúpida!"

Enquanto tomava banho, relembrei muitas cenas que aconteceram na família durante 13 anos, por causa de uma mulher egoísta, oportunista, manipuladora...Na verdade, nunca lhe encontrei qualidades.

Há seis anos que não a via, tive o azar de me aparecer no ginásio para onde mudei há tão pouco tempo.

Mas a minha atitude será sempre a mesma: ignorar.

que dores!

Maria Araújo, 29.09.15

 

zápěstí-zhora-bolí.jpg

 

hoje não me apeteceu ir ao mercado municipal, fui comprar alguma fruta e legumes (acabei por trazer pouca coisa, não gostei da sua frescura) num mercadinho perto de casa.

Na esquina da rua, estava uma senhora a vender marmelos, figos, nozes e ovos. Com intenção de a ajudar e porque gostei do aspecto dos produtos, comprei marmelos e nozes. Pedi para os guardar enquanto ia fazer as compras no mercadinho.

No regresso a casa, na passadeira alcatroada e com faixas pintadas a branco, que sempre atravessei e atravesso, senti o tacão da minha sandália escorregar e, pimba! Caí e bati com o pulso direito no chão!
Duas senhoras vieram socorrer-me. Os sacos das compras caídos, levantei-me e disse: "que dores! ano passado fracturei este pulso, não é nada bom que isto aconteça". E contorcia-me de dor.

Agradeci às senhoras o apoio, os sacos das compras vieram para a mão esquerda e segui caminho com a mão direita encostada ao peito. Apesar das dores, movimentava-a bem, fiquei descansada. 

Cheguei a casa, pus gelo.

Julho passado, em casa da minha irmã, não vendo uma cadeira que estava perto da porta do quarto, a minha perna esquerda bateu num canto e o este pulso foi chocar na parede. Fiquei com um grande hematoma na perna e fortes dores no pulso. Dei um grito...mas os meus sobrinhos não deram por nada. Depois gozaram comigo, os sacanas.

Uns dias mais tarde, voltei lá e bato com a perna na cadeira. Reparei, então, que encostado a um móvel e junto à cadeira, estava o aquecedor.

Lixada, entrei no quarto do meu sobrinho, que vive no Porto, vem só de fim de semana, e procurei um lugar onde pudesse arrumar o aquecedor sem estorvar ninguém (não sei se o aquecedor continua onde o arrumei).

Hoje,  a primeira coisa que me veio à ideia quando senti as dores, foi: " Caramba, logo hoje que quero aliviar o cesto cheio de roupa para passar a ferro! Não quero voltar ao que passei há um ano e espero que não seja nada que me impeça de ir às aulas de antigravity." 

Agarrar o hammock com as mãos e os pés, é fundamental. Não caímos de certeza, e eu já me sinto muito segura no que faço.

O pulso já não me dói, está um pouco inchado, ainda não peguei no ferro, e amanhã vou às minhas aulas.

 

 

 

Pág. 1/11