Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Cantinho da Casa

Cantinho da Casa

limpezas da páscoa ?

Maria Araújo, 31.03.15

imagesK2ZIQ1HF.jpg

 

Tenho uma empregada que vem de 15 em 15 dias, o trabalho dela é apenas aspirar, limpar os vidros, quando ela acha que deve  limpar, lavar a casa de banho, limpar o chão da cozinha e das escadas do prédio.

Algum extra que precise, tenho de lhe pedir para fazer, como limpar os parapeitos da janelas da marquise.

O trabalho mais difícil sou eu que faço, por exemplo, limpar os azulejos da cozinha e da marquise, de cima a baixo.

Gosto muito dela, é uma senhora de confiança, é mais nova do que eu, tem problemas nos joelhos, já foi operada e continua a ter dificuldade em trabalhar, mas como precisa de trabalhar, tem os dias da semana todos ocupados e no final do dia ainda vai limpar escritórios.

Não tenho coragem para lhe pedir que faça este tipo de serviço, quem se lixa sou eu.

Amanhã é o dia de vir para cá, vou pôr-me na alheta (já decidi, vou à praia, aproveito e compro peixinho fresco) porque quando estou em casa, perde uns bons minutos na conversa enquanto eu lavo a loiça e/ou faço outra coisa.

Ontem à noite as cortinas da sala foram para a máquina, estão prontas a ocuparem o seu lugar, hoje lavei as do quarto, do escritório e da marquise, à mão. As  cortinas não são pesadas, fiz uma sabonária, deixei-as a pingar e estão agora a secar lá fora.

Hoje tinha um café com uma amiga, que não podia ir, combinei com outra, não lhe dava jeito, o tempo estava bom, resolvi pôr mãos à obra e, com calma,  limpei toda a cozinha e a marquise, os vidros dos armários da cozinha, os vidros das janelas, os azulejos e o chão.

Mas não pensem que são as limpezas da Páscoa, não! Eu faço estes serviços sempre que acho que é preciso fazer.

E depois fico cansada, pois claro. 

Procissão dos Passos

Maria Araújo, 29.03.15

Há muitos anos, acho até que desde miúda, que não ia à procissão dos Passos.

Hoje fui ver, aqui perto de casa, e fiquei decepcionada. Um cortejo pequeno.

Ou as pessoas não têm dinheiro para vestir as crianças de anjos e/ou outras figuras bíblicas, ou as crianças não querem (eu nunca quis), ou a tradição já não é o que era e as pessoas preferem ser espectadoras.

Também, se não me recordo há quantos anos não vou, posso estar a exagerar e esta procissão ser de facto pequena.

Passaram os GNR, que abriam a procissão, alguns estandartes que voavam quando o vento soprava ais forte e quem os levava fazia um grande esforço para os segurar.

E de repente a procissão parou em frente à Igreja da Santa Cruz . Dos altifalantes saía a voz do Arcebispo Primaz que, durante cerca de meia-hora, fez a pregação.

A temperatura não era de primavera, o sol fraquito ia sorrindo sem aquecer os corpos e a paciência não era muita. Viam-se alguns anjinhos fora do cortejo a brincar no jardim em frente. Pudera! Quem aguenta meia-hora com a brisa fria que fazia?

Alguns idosos  que se sentavam nas escadas da Igeja de São Marcos, onde arranjei um lugar para poder tirar algumas fotografias, comentavam "não há anjos? as pessoas estão a guardar-se para as procissões da Semana Santa?"

E os transeuntes que já tinham visto a procissão noutra rua passavam pelo meio do cortejo parado, sem respeito por quem estava ali à espera que a pregação acabasse e pudesse seguir o seu caminho.

Habituada que estou a ver muitos andores, passaram apenas dois, mais alguns anjinhos, grandes e pequenos, os seminaristas e a banda.

E eu  que pensara que ia ver um grandiosa procissão.

E as fotografias não foram as melhores, também.

procissao 015.JPG

procissao 017.JPG

procissao 021.JPG

procissao 022.JPG

procissao 025.JPG

procissao 030.JPG

procissao 032.JPG

procissao 035.JPG

procissao 038.JPG

procissao 043.JPG

procissao 044.JPG

procissao 046.JPG

procissao 047.JPG

procissao 049.JPG

 

 

Pág. 1/12