Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Cantinho da Casa

Cantinho da Casa

31.08.11

A malabarista

Maria Araújo

Onde está a minha cabeça?

Não é que tinha uma consulta de oftalmologia, marcada há 1 mês, e não era hoje?

Na 2ª Feira, recebi mensagem a confirmar a consulta. Não a li, porque não tinha intenção de faltar.

Hoje, fui mais cedo para a Póvoa de Varzim a fim de conseguir uma consulta de clínica geral, uma vez que a médica estava de urgência, o que consegui logo após a hora do almoço. Teria de regressar às 17:30 h para a consulta de oftalmologia.

Andei a "queimar" 3 horas, entre as 14:30 e as 17:30. O tempo estava agradável, fui dar uma volta pela beira-mar.

Quando regressei à clínica, notei uma expressão esquisita da funcionária a olhar o computador, quando, de repente, me diz: "A consulta não está marcada para hoje, mas para ontem".

Não queria acreditar no que ouvira.

Então tinha o registo da consulta afixada na porta do frigorífico, confirmei a hora e não me apercebi da data?.

Perguntei: "Tenho de pagar a consulta?" (em tempos, a regra da clínica era que, em caso de ausência do utente, este teria de pagar a consulta por inteiro).

Pelos vistos, as regras mudaram. Não tinha de pagar nada (espero que não me mandem a conta por correio).

Nunca tal me acontecera. Aliás, eu não me esqueci. Eu convenci-me que a consulta era dia 31 de Agosto. E nem dei importância ao registo.

Tentaram a consulta para hoje, mas era impossível. Uma  regra da clínica, não marcar quando o médico tem cirurgias.

Então, fui falar com a assistente. Como tinha feito o laser há 1 mês e o médico queria ver como estava a vista, perguntei se não seria tempo de mais sem ser observada (a consulta ficou marcada para 15 de Outubro).

E regressei a casa chateada comigo mesma, pois nunca faltara a uma consulta.

Quando não posso ir, desmarco com tempo.

E, quando cheguei a casa, saindo do carro para abrir o portão que dá acesso à garagem, encontrei a minha vizinha do andar de cima. Parou um pouco a falar comigo, sobre as férias e o tempo que tem feito neste Verão, quando olho para a minha varanda, pego na máquina fotográfica, que por acaso a tinha no saco, e "click!":

 

 

 

 

 

 

A Kat malabarista! Não queria acreditar.

E segundo a minha vizinha, não é a primeira vez que ela faz isto.

A minha gata é uma atrevida, selvagem, desafiadora.

 

 

 

30.08.11

O vinil

Maria Araújo

Nos anos em que o meu pai adorava comprar tudo quanto as Selecções do Reader's Digest lhe enviava, íamos usufruindo de alguns produtos, que não deixavam de ser interessantes.

Tinhamos um móvel rádio e gira-discos que mais tarde nos desfizémos dele porque já não se usava.E os discos de 33 rotações? Nem existem. E eram muitos (que grande asneira!).

Nunca mais se ouviu discos de vinil aqui em casa.

Os anos passaram e o meu irmão mais novo casou. A prenda dos amigos foi um gira-discos.

Os CD deram lugar ao vinil, novos aparelhos foram comprados e o gira-discos ficou arrumado...até há alguns anos.

Pedi ao meu irmão que me desse o aparelho pois com os discos de vinil que o meu pai tinha coleccionado, gostaria de recordar algumas músicas.

Só que o aparelho não funcionava.

Mas eu trouxe-o.

Esteve guardado numa das prateleiras da estante do meu escritório, até há 2 anos, quando descobri um senhor que arranjava este tipo de aparelhos.

Contente por realizar o meu desejo, quando pus o aparelho a funcionar, "nada".

Faltava a agulha. E o senhor não me informara.

E ficou aqui no móvel, junto ao televisor, até que me lembrasse de tentar encontrar uma agulha.

Um belo dia, fui à loja onde habitualmente compro os electrodomésticos e falei no assunto.

Não tinham, mas conheciam alguém no Porto que vendia.

E lá veio ela.

Experimentou-se. Ouvia-se mal, mas o meu sobrinho fez uma ligação às colunas da aparelhagem e "boa, conseguimos!"

O meu pai tinha uma colectânea de música Brasileira e lembrei-me de pôr um dos LP.

Mas a colectânea não estava/está junto das outras.

Procurei, perguntei... Nada.

Há pouco, decidi ver o que tenho em vinil e descobri que de facto os discos existiram porque tenho algumas das capas, mas os discos são outros.

Esqueci o assunto, porque não sei quem a levou daqui de casa, e abri as outras colectâneas.Músicas dos anos 50, 60 e 70, música clássica, música de Artur Rubinstein, além de discos que não pertenciam a meu pai.

Liguei o gira-discos e escutei o LP de músicas dos anos 50.

Li  a lista de cantores. Alguns nomes esquecidinhos! (Johnny Cash, "A boy named Sue"; Neil Sedaka, "Oh!Carol";  Petula Clark, "Sailor";  The Marmalade,"Ob-la-di, Ob-la-da"; Los Bravos," Black is black";   Mungo Jerry, "In the summertime"; Status Quo, "Caroline"; The Carpenters, "Yesterday once more"...), entre muitos outros que já nem sei quem são.

Vejamos então as capas dos Golden Hit Parade (está em falta o LP de 1966-1967, que emprestei a um dos meus sobrinhos).

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Fui procurar no Youtube alguns destes cantores e:

 

http://www.youtube.com/watch?v=WOHPuY88Ry4&ob=av2n

 

http://www.youtube.com/watch?v=aHm7PnCCd4E

 

http://www.youtube.com/watch?v=Tqgwnv0HCk8 (adoro, ainda)

 

http://www.youtube.com/watch?v=ERy5sp3-jf0

 

http://www.youtube.com/watch?v=6BM3j9pKXJ8&ob=av2n    (adorava esta)

 

http://www.youtube.com/watch?v=_Kev9hhI7V8  ( esta, ainda mais)

 

http://www.youtube.com/watch?v=jZHH7gsKbE0

 

http://www.youtube.com/watch?v=YTaWayUE5XA

 

 

 

Recordar é (re) viver, nos LP da família.

 

29.08.11

Os animais

Maria Araújo

Os 3 dias que passei em Monção foram agradáveis, mas poderiam ter sido melhores se o tempo ajudasse. Valeram as termas, com a sua
bela piscina de jactos, onde eu passava lá o final das tardes.

Sempre com a preocupação na minha Kat, que ficara sozinha aqui em casa, mas não abandonada, as noites foram mal dormidas.

E quando amanhecia, pensava nela. Ficava mais tranquila durante o dia.

Na 4ª feira a empregada esteve cá a tarde toda, e na 5ª feira, o Duarte, meu sobrinho, veio fazer-lhe alguma companhia e cuidar dela.

Ontem, soube pela minha irmã que a empregada lhe contara que a bichinha vomitou, na 4ª feira, quando veio cá arrumar a casa.

E na primeira noite pensei nisso. Tive um pressentimento que a Kat estaria com saudades minhas e não estava bem.

Quase sempre ela me espera no hall, quando sente que estou a chegar.

De regresso a casa,  chamei-a : “Kat, minha ratuxa, onde estás?”

Fui à sala, à varanda, e nada. Procurei-a nos lugares mais óbvios, onde ela gosta de estar.

Estava deitada em cima da tábua de passar a ferro. Fiz-lhe umas festinhas, falei com ela. E ela olhava-me com ar de zangada.

Ontem à noite, escondia-se para não ir para a marquise, onde dorme.

Chamei-a, pus-lhe comida, fugia de mim, escondia-se debaixo do armário, no hall.

Desisti. Deixei tudo aberto, fui para o meu quarto, fechei a porta e deitei-me.

De noite, pareceu-me ouvir um ruído de objecto que caiu.

Levantei a cabeça, tentei escutar passos. Silêncio, apenas.

Teria sonhado?!

De manhã, saí do quarto e estava tudo direito, nada no chão. Olhei para a sala de estar e deitada no banco predilecto, estava a Kat, sossegadinha.

Hoje passou a tarde no cesto dela.

Custa muito deixar os animais. Tive  quem viesse a casa cuidar dela,mas as noites foram uma grande preocupação.

Como os animais sentem a nossa ausência!

Acho que da próxima vez, alguém vai ter de ficar aqui em casa.

E ela percebe quando saio e regresso, por pouco tempo.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

28.08.11

Acabamentos

Maria Araújo

Um fim de semana monótono. Não apetece fazer nada.

Porém, subi e desci os escadórios do Bom Jesus do Monte e fui jantar com os meus irmãos e os filhotes, que não páram de jogar a bola para onde quer que vão.

Hoje, fui caminhar.Lá estavam eles, no campo de jogos, a jogar futebol.

Passei pelo Aki para ver puxadores para o móvel que recuperei. Nada de especial.

Vi também os preços dos agrafadores. Estou a pensar forrar as cadeiras da sala.

Preciso de ir ao Leroy Merlim e ao Ikea. Com certeza que encontro tecidos e  puxadores mais bonitos e em conta.

E gostaria de o fazer antes do regresso às aulas.

4ª feira é o dia ideal. Tenho uma consulta na Póvoa de Varzim.

Os planos estão feitos. Se vou cumprir, a ver vamos.

 

 

26.08.11

O que penso...

Maria Araújo

quando um "pedinte" está junto aos semáforos...

O e-mail que recebi.

Agora imaginemos os arrumadores.

Fui ver o valor da moeda real:

 

 

 

considerando o valor médio do real, em euros

 

MÉD           0,43027 0,43147

 

 

{#emotions_dlg.meeting}

 

 

MATEMÁTICA DE MENDIGO

 

Tenho que dar os parabéns ao estagiário que elaborou essa pesquisa, pois o resultado que ele conseguiu obter é a mais pura realidade.

Preste atenção...

Um sinal de trânsito muda de estado em média a cada 30 segundos (trinta segundos no vermelho e trinta no verde).

Então, a cada minuto um mendigo tem 30 segundos para faturar pelo menos R$ 0,10, o que numa hora dará:

60 x 0,10 = R$6,00.

 

Se ele trabalhar 8 horas por dia, 25 dias por mês, num mês terá faturado: 25 x 8 x 6 = R$ 1.200,00. (516,00 euros)

 

Será que isso é uma conta maluca?

Bom,6 reais por hora é uma conta bastante razoável para quem está no  sinal, uma vez que, quem doa nunca dá somente 10 centavos e sim 20, 50 e 
às  vezes até 1,00. Mas, tudo bem, se ele faturar a metade:

 

R$ 3,00 por hora terá R$600,00  no final do mês, que é o salário de um estagiário com carga de 35 horas semanais ou 7 horas por dia.

Ainda assim, quando ele consegue uma moeda de R$1,00 (o que não é raro), ele pode descansar tranquilo debaixo de uma árvore por mais 9
viradas do  sinal de trânsito, sem nenhum chefe pra 'encher o saco' por causa disto.

 

Mas considerando que é apenas teoria, vamos ao mundo real.

De posse destes dados fui entrevistar uma mulher que pede esmolas, e que  sempre vejo trocar seus rendimentos na Panetiere (padaria em frente ao  CEFET ). Então lhe perguntei quanto ela faturava por dia. Imagine o que  ela respondeu?

É isso mesmo, de 35 a 40 reais em média o que dá (25 dias por mês) x 35  = 875 ou 25 x 40 = 1000, então na média R$ 937,50 (403, 12 euros) e ela disse que 
não mendiga 8 horas por dia."

 

Moral da História :

 

É melhor ser mendigo do que estagiário (e muito menos PROFESSOR), e pelo  visto, ser estagiário e professor, é pior que ser Mendigo...

Se esforce como mendigo e ganhe mais do que um estagiário ou um  professor.

Estude a vida toda e peça esmolas; é mais fácil e melhor que arrumar emprego.

 

E lembre-se :

Mendigo não paga 1/3 do que ganha pra sustentar um bando de ladrão.

 

Viva a Matemática!

 

Que país é este/ esse?

 

 

 

 

23.08.11

Deu-la-deu

Maria Araújo

Pelas terras de Deu-La-Deu, cá estou eu no hotel , depois de um jantar agradável e um vinho da casa com mistura de Alvarinho, digo-vos que este 1º dia foi demais!

As termas são fantásticas, jactos de água por todos os cantos da piscina, camas especiais de massagem, e um lugar de relaxe, onde , no tecto, se vêem luzes minúsculas, que ora são brancas, ora passam a vermelhas, onde a música completa o ambiente sossegado.

Adorei!

Amanha de manhã, vou caminhar e ver o que há por estas terras do Norte de Portugal.

Ah! Estas pessoas são muito simpáticas.

 

Pág. 1/4