Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

cantinho da casa

cantinho da casa

Qui | 01.07.10

671 - Boy(i)s!

Hoje fui vigilante de um exame nacional e de equivalência à frequência de 9º ano.

Dos quatro alunos presentes, três frequentaram o 8º ano. Estes alunos, fora da escolaridade obrigatória e sem aprovação no final do 3º período, também podem candidatar-se aos exames do 9º ano, tendo de o fazer a todas as disciplinas.

Se estes alunos ficarem aprovados nos exames automaticamente completam o 9º ano, propondo-se à frequência do 10º ano.Aquela “história”  que referi no post 651.

“Passeando” pela sala, eu e a colega vigilante verificámos que o  boy do 9º ano acabou a prova antes do tempo. Respostas muito curtas para um exame que exigia desenvolvimento de  texto, imagem e gráfico.

Dos restantes alunos do 8º ano, duas tentavam escrever o que sabiam . O outro boy esteve cerca de 20 minutos com a cabeça quase deitada em cima da mesa, mais preocupado em  pentear o cabelo com os dedos que em ler o que tinha à sua frente.

De repente, começa a escrever. Pouco.

Todos limitaram-se a copiar o texto dado como informação. Construção de frases sem sentido, muitos erros de ortografia.

Uma das raparigas ainda pediu a segunda folha.

No final do exame, eu e a minha colega comentámos: “como é possível estes alunos proporem-se a fazer exames do 9º ano, sem terem conhecimento dos conteúdos? Ou, tendo-o, com a ajuda de colegas que emprestaram os livros, como podem abarcar todo as  disciplinas em tão poucos dias?”

 E estes alunos têm duas provas por dia.

Pois muito bem, temos então as tais mentes brilhantes que conseguem “saltar” um ano de escolaridade e seguir o para o 10ºano sem perda de tempo! Note-se que têm 15 anos, estão fora da escolaridade obrigatória, e não ficaram aprovados no final do 3º período!

Sucesso! Sucesso! Sucesso!

Mas sucesso tive eu logo de manhã, quando estava a chegar à escola. O trânsito que vinha em sentido contrário, estava parado. “Estranho”, pensei, “ a esta hora não é costume, nesta vila, haver fila de carros!” E, ao fazer a curva, eis que deparo com dois valentes bois. Sim, BOIS, animais! Um, na berma da estrada, olhava o trânsito, lol; o outro no meio da estrada, parado à frente de um autocarro, não sabia por onde se meter. Travo, e, antes que o gajo se lembre de correr ,  tresloucado, para a faixa que eu seguia, passei rentinho a ele.Rodas para que te quero! Acelerei em direcção à escola, dando sinais de luzes para  que quem seguia do lado oposto  moderasse a velocidade.

Que sorte! Que alívio!

O que aconteceu, não sei. Até porque no lugar onde estavam, há habitações. Do lado que eu seguia, sim, há um campo.

Teria o dono aberto a corte e os boi(y)s saíssem à deriva?

Estariam no repasto e foram andando, andando…

Ou será que era um casal e, enfim, se perdessem em carinhos …!

 

 

 

 

 

 

 

7 comentários

Comentar post