Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



760 200 600

por Maria Araújo, em 18.06.17

Apesar de algumas críticas que li  sobre a linha aberta, chamada de valor acresentado (0,60 €, cobrança do iva, operadoras a ganhar), fiz a chamada.

Quem não pode ajudar com alimentos, água, roupa, porque não ajudar fazendo uma simples chamada?

Há, também, uma  conta aberta com 50 000 euros,  CGD 

 

CONTA SOLIDÁRIA CAIXA
IBAN: PT50 0035 0001 00100000 330 42

 

Quero confiar que o dinheiro chegará lá e o meu/nosso dever de cidadãos é ajudar a população e o país.

 

 

 

 

 

Início

Autoria e outros dados (tags, etc)

Liga dos Campeões

por Maria Araújo, em 03.06.17

Por falar em Liga dos Campeões, vou ver e torcer pelo Real Madrid.

Ao almoço, em família, lembrei-me de contar que em criança, e não entendia nada de futebol nem sequer tinha preferências de equipas, ter visto várias finais em casa do meu avô paterno.  

A família apoiava o Real Madrid. E quando percebia que estavam perto da baliza adversária, chorava  e pedia a Deus que  o RM metesse um golo e ganhasse a taça.

Já lá vão muitos anos.

E quando fui a Madrid, tive o prazer de visitar a bela catedral, Santiago Barnabéu, onde passei quase 4 h perdida nas fotografias, nos troféus e no campo, a admirar a grandeza do clube.

Portugal está hoje, com os olhos postos no Real Madrid.

Espero que seja campeão. 

page.jpg

 

Santiago Barnabéu, Agosto de 2014

 

 

Início

Autoria e outros dados (tags, etc)

Eu vou

por Maria Araújo, em 11.06.15

 

11115712_452592484900657_6258752905076023135_o.jpg

 

Início

Autoria e outros dados (tags, etc)

Onde todos ajudam, nada custa

por Maria Araújo, em 02.05.15

 

18339905_VriPE.jpg

(imagem do blog MdM)

 

E se o Médicos do Mundo precisam de ajuda para apoio às vítimas do Nepal, divulgar aqui não custa nada.

Em solidariedade com a Delagação Portugesa de MdM fazendo uma transferência bancária para este NIB  0035 0551 00007722130 32, custa muito menos. (eu já contribui).

Como diz o ditado, "Onde todos ajudam, nada custa".

Início

Autoria e outros dados (tags, etc)

Estacionamento proíbido

por Maria Araújo, em 30.01.15

sem nome.png

Todos os dias, desde setembro, que duas senhoras que trabalham no apoio domiciliário a idosos, vêm fazer a higiene a uma vizinha do prédio do lado.

A hora de elas chegarem é por volta das 11:00h e saem 30 minutos depois.

Mas estas duas senhoras têm o hábito de estacionar o carro mesmo em frente ao portão de acesso às garagens do prédio(as casas ao lado não têm garagem).

Acontece que, e para já à sexta-feira, vou à aula de bodybalance e chego por volta das 11:20h a casa. Como é de esperar, o carro impede a minha entrada para a garagem.

Nos primeiros dias, buzinava, buzinava, e elas não queriam saber.  "Qem quiser que espere. Estamos a prestar um serviço, não vamos largá-lo agora" , penso eu que elas deviam pensar e/ou comentar uma para a outra (mulheres são lixadas umas para as outras, acreditem)

A primeira vez, fui tocar à campainha do meu vizinho da cave, porque elas andaram algum tempo a cuidar da esposa, mas agora esta vai para o lar de dia, deixaram de lá ir. Ninguém me abriu a porta, e foi quando mais tarde soube que vão para a vizinha do lado.

Até que uma das vezes, depois de buzinar e de 15 minutos à espera delas, saí do carro e disse-lhes: "Eu não posso estar aqui à espera que as senhoras acabem o serviço. Por que razão uma das senhoras não vem tirar o carro?"

"Desculpe" foi a palavra da condutora.

Isto aconteceu mais duas ou três vezes, até que voltei à carga e disse-lhes: "Isto já é demais. Amanhã, por favor deixem o carro estacionado em frente à árvore porque além de não impedir a entrada para a garagem não pagam multa (a minha rua tem parcómetros).

Não sei se para que "tenhamos consideração",  um dia destes e pela primeira vez, vi que tinha uma folha A4 no tablier virado para fora e que dizia qualquer coisa como "Ao serviço do apoio domiciliário".

O que teria acontecido foi que deviam ter dito alguma coisa aos superiores e pensaram que resolviam o assunto, isto é, estacionam como querem  e quem quiser que espere, porque pagar estacionamento, não. Dá prejuízo à instituição.

Mas estacionando o carro em frente à árvore a coisa é idêntica. Porquê?

Porque elas estacionam-no mal e a traseira ocupa metade da saída do acesso à garagem e quem entra e/ou sai, depara-se com o mesmo problema.

A sorte delas é que eu nem sempre chego à mesma hora do ginásio e as coisas têm corrido bem, e o vizinho de cima só sai de carro depois do almoço.

Ora hoje, já nem me lembrava das senhoras, mal dou sinal para entrar para a garagem lá estava o carro estacionado, mas não junto à árvore, estava, sim, em frente ao portão. Olhei o relógio: 11:30h

Decidi não buzinar e esperar algum tempo. Nada.

Buzinei uma vez. Nada.

Passados cerca de cinco minutos ouvi uma porta a abrir.

Não olhei para elas.

Metem-se no carro e seguem. Nem um  sinal de pedido de desculpa

Sou uma pessoa muito paciente, não gosto de arranjar conflitos, nunca chamei a polícia para rebocar o carro quando algum esperto(a) o estaciona por breves minutos, segundo eles, e não entendem que  não podem o podem fazer. E há limites.

No tempo em que a vizinha do 2º andar do prédio ao lado ia à janela e via alguém a estacionar onde não devia e/ou deixava mal estacionado, era um pandemónio. Mal educada qb (eu ficava mais envergonhada que ela). E não tinha paciência. Chamava a polícia e resolvia o problema.

Essa senhora faleceu, mas deixou uma herdeira que é igualzinha a ela ... ou talvez pior. Tem a mania que é a dona do prédio. Mas não é.

 

 

 

 

Início

Autoria e outros dados (tags, etc)

famílias tradicionais

por Maria Araújo, em 11.07.14

(imagem da web)

 

 

Ontem, regressando do ginásio,  ouvia as notícias no carro. Uma que me chamou a atenção foi que Portugal teve a taxa de natalidade mais baixa da Europa, no ano de2013.

Com muitos jovens fora do país, muitos não tencionam voltar, com a falta de emprego e condições de vida para constituírem família, como pode a natalidade aumentar?


Tenho duas sobrinhas fora do país. A mais velha está no Rio de Janeiro, vem duas vezes por ano a Portugal (segunda-feira estará por cá a passar férias) tem um filho que faz dois anos no final deste mês; a outra, grávida de cinco meses, vive há oito anos na Irlanda.

 

Há cerca de uma hora, liguei à sobrinha do Brasil. Queria saber a que horas chega a Portugal e mais umas coisinhas sobre o meu sobrinho neto.

A sobrinha da Irlanda vem sempre a Portugal em junho. Nunca passa o Natal cá. O bebé dela nascerá em outubro.

 

Ora tendo eu onze sobrinhos, seis destes nos trintas, com idade para ser pais, os que vivem cá não querem ter filhos porque acham que não têm condições para isso.

 

Os que vivem fora do páis, não os temos nós aqui e isso deixa-nos com alguma tristeza por não podermos acompanhar o crescimento dos nossos sobrinhos netos.

Eu peço aos que vivem cá, embora estejam fora de Braga, que dêem o seu contributo para o aumento da natalidade, mas o pedido não pega.

 

Vendo o número de reformados que param no centro da cidade, os idosos que aumentam nos lares, as escolas que fecham por falta de crianças e a idade que avança a passos rápidos, dentro de alguns poucos anos, será este o país com mais idosos na Europa.

 

E  por falar  em natalidade, tenho pensado muito numa "cena" que presenciei aquando da minha última visita a Lisboa.

Passear em Lisboa e não visitar os Jerónimos e todos aqueles monumentos históricos de Belém, não é passear, pelo que nesse domingo à tarde, não havendo fila para entrar nos Jerónimos, desafiei  a minha amiga Lia a entrarmos.

 

Decorria uma cerimónia de ordenação de presbíteros, que a Lia fez questão de ver.

 

Mosteiro cheio, vi que, sentadas no chão, junto aos bancos, um grupo de crianças se entretinha a fazer desenhos. Três meninas com idades entre os 8 e os 5 anos, vestidas de igual, laços nos cabelos, um menino não teria mais de 4 anos, 2 meninas vestidos diferentes juntavam-se ao grupo.

 

Mais atrás, junto ao banco, um carrinho de bebé mostrava um menino que não teria mais de um ano. À minha frente, um homem jovem, nos 40tas, elegantemente vestido, alto, concentrava-se na cerimónia, observando de quando em vez o grupo de crianças.

 

A seu lado, sentada no banco, estava uma senhora  grávida de pelo menos 6 meses, que fazia o mesmo: deitava os olhos às crianças.

 

E eu perguntava-me "será que estas cinco crianças são filhos do casal?"

 

De repente, o menino do grupo levantou-se, dirigiu-se à senhora grávida e encosta-se a ela. Ela faz-lhe um miminho e o senhor separa-o da mãe e encosta-o a si.

 

Faltava o bebé que, no mesmo momento, solta um gemido de sono. O senhor volta-se e toca-lhe na perna para o tranquilizar.

Finalmente, uma senhora dos seus cinquenta anos, ora puxava, ora empurrava o carrinho do bebé e observava o meu quase espanto.

Não me pareceu ser familiar. Seria empregada?

 

Quando saímos do mosteiro, comento com a Lia: “Aquelas cinco crianças são filhos do casal.  Reparou como são jovens ainda? E a senhora deve estar nos seis, sete meses. Famílias com seis filhos já não se vêem. Mas percebe-se que é uma família de classe alta. Os filhos bem vestidos, o senhor também, é, com certeza, também, uma família com raízes muito religiosas.”

 

Apesar de a natalidade do nosso país ser a mais baixa da Europa, não deixei de mostrar uma grande admiração pelo casal: seis filhos em que o mais velho andaria pelos 7 ou 8 anos, e o mais novo está para nascer, fez-me lembrar as famílias tradicionais portuguesas, como os meus pais que, no mínimo , tinham seis filhos, com dezoito meses de “intervalo” entre cada um,  e algumas famílias chegavam aos 15 filhos. E eu conheço.

No meu rol de amigas, só uma delas tem quatro filhos. Todas as outras têm um ou dois.

 

Incentivem-se os jovens, proporcionem-lhes  emprego, um salário digno e um subsídio de apoio à natalidade, e Portugal terá os seus rebentos.

Início

Autoria e outros dados (tags, etc)

Benfica

por Maria Araújo, em 14.05.14

sem apetite (raro)de ir ao ginásio, liguei a TV (raro) e desliguei de imediato, e nos canais a festa é demais.

não sendo adepta de nenhum clube, apoio os Portugueses quando os derbies são com equipas estrangeiras.

"atão", o Benfica ganha e prometo um cálice de vinho do Porto (ahahahah, joga o Benfica bebo o Porto), porque gosto muito deste nosso néctar, no mundo conhecido.

Benfica, dá o teu máximo.

e para dar sorte, desculpem-me os meus amigos deste cantinho que apoiam outros clubes Portugueses mas, dedicado ao Duarte, o meu cunhado preferido, que descansa em paz há 12 anos, e tinha uma grande paixão...

 

Início

Autoria e outros dados (tags, etc)

Uma Portuguesa Extraordinária

por Maria Araújo, em 14.05.14

 

 

neste evento., organizado por esta blogger, conheci a Sónia Sá.

uma mulher que não tem papas na língua quando as verdades são para ser ditas, simpática, bondosa, solidária, lutadora. 

uma mulher moderna, mãe, esposa, filha, neta ( o que não faz ela pela familia?)

uma Portuguesa Extraordinária.

e tudo começou em novembro com a Árvore de Natal da Blogosfera.

depois deste sucesso, a pensar no  Projecto Solidário Mãos Unidas Pelo Sorriso das Crianças, foi um passinho.

não mais parou e resultou num grande passo, passo este que tem recebido a colaboração de muitas famílias, de muitas bloggers, de muitas amigas...

é  no Face Book que todos tomamos conhecimento dos pedidos, acção e gestão do projecto que a mentora e suas colaboradoras partilham connosco.

como a solidariedade é um gesto que fica bem a todos nós "onde todos ajudam nada custa" o projecto chegou à comunicação social e os Portugueses  Extraordinárias(os) têm a mererecida entrevista.

Sónia Sá teve a sua e está aqui,no DN, Noticias Magazine.

leiam e se quiserem ajudar, cliquem aqui, enviem mensagem privada, partilham, façam tudo o que estiver ao vosso alcance e façam mais famílias felizes.

 

O Projecto

 

- apoio ás famílias carenciadas da zona de Lisboa, Sintra, margen sul...

- recolha de donativos (roupas, alimentos, medicamentos, electrodoméstidos, produtos de higiene...)

- donativos

- ovos de Páscoa para as Crianças

- passatempos

- sorteios

- Dia Mundial da Criança

 

 

Início

Autoria e outros dados (tags, etc)

"Achar querido não chega"

por Maria Araújo, em 27.11.13

"Solidariedade é o ato de bondade com todas as pessoas à nossa volta, com prioridade das pessoas com mais dificuldades alimentares,financeiras e físicas."

 

 

 

"Ai, que fofinho, que bebé querido! São palavras que nos saem da boca quando vemos um bebé. Mas achar querido não chega.

 Neste blog, a solidariedade está sempre presente em qualquer altura do ano.

Um dos posts que publicou diz que, até ao dia 19 de janeiro, a campanha "Banco de Bebé" recebe roupas e produtos de bebé para serem doados a 1 400 famílias com carências nos bens mais necessários para os seus bebés.

A vossa oferta é bem recebida e todos juntos podemos agasalhar os bebés de Portugal.

Só tens de juntar a roupa que o teu bebé, o teu sobrinho, o teu neto, não usa e levares a uma estação dos CTT, pedires uma embalagem solidária  CTT para o Banco do Bebé, colocares as tuas roupas os produtos (se quiseres podes deixar o teu nome e morada para que a instituição possa dar-te um feedback de que a embalagem chegou lá) que os CTT encarregam-se de enviar para a isntituição Banco do Bebé, a custo zero.

Se quiseres saber mais sobre o assunto, clica  aqui.

Se há gestos que nada me custam, e não é só no Natal, é ser solidária. Por isso, vou comprar algumas peças de roupa, papas, e entregar nos CTT.

O vídeo aqui:

 

 

 

Início

Autoria e outros dados (tags, etc)

652 - Os meninos Talibãns

por Maria Araújo, em 14.06.10

Ontem fui à livraria Bertrand procurar este livro, mas não encontrei.

Visitei novamente o blog cheiro a pólvora e, mais uma vez alerta para ajuda a estas crianças Guineenses.

Então, fui espreitar o site da  Porto Editora , e encontrei o livro. O valor é simbólico. E a compra online tem desconto de 10%,(10,71 euros).

Vamos colaborar?

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Início

Autoria e outros dados (tags, etc)



desafio temático de fotografia

20396075_DY5aH.jpeg

6º Encontro Bloggers

6º. Encontro Bloggers (selo v1).jpg

2º desafio de leitura

desafio



Outro cantinho



Encontros - eu fui

IMG_2230 (2).JPG MARCADOR


Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2011
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2010
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2009
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2008
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D