Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



uma história

por Maria Araújo, em 25.09.17

IMG_3735.JPG

 

Feito o "check-in" na organização do Passeio da Memória, e enquanto não chegavam as pessoas, estava eu a conversar com a minha irmã sobre a doença, e da nossa amiga Alice, quando, ao meu lado, vejo uma ex-colega de trabalho, que faz parte do grupo "Café Memória", na Brasileira, entra na conversa e aponta-nos algumas senhoras doentes de Alzheimer que, com os familiares, participavam na caminhada.

Contou, então, a história de uns vizinhos seus: um casal com filhos, a mãe de um dos conjuges e um cão.

Tendo a mãe Alzheimer, a minha colega visitava a senhora, dava-lhe algum apoio, e à família. O cão, já velhinho, e sem que a doente lhe desse mais atenção, levou-o para sua casa e cuidaria dele.

O tempo  foi passando, a minha colega visitava-a quase diariamente, até que um dia, com a autorização da família, decidiu levar o cão e verem  a reacção de ambos.

O cão saltou, brincou no seu colo, farejou a casa como se nunca tivesse saído de lá, mas a senhora não o reconheceu.

Levou-o de novo para casa. Nesse mesmo dia, à noite, estava tudo sossegado, não se ouvia o cão. Foram dar com ele morto debaixo da mesa da sala.

O cão morrera de paixão.

E as lágrimas da minha colega foram as nossas lágrimas, também.

 

IMG_3737.JPG

Antes de a caminhada iniciar, fez-se o aquecimento com algumas coreografias de Zumba, partimos, então devidamente equipadas, para o nosso passeio pelas ruas da cidade.

 

IMG_3755.JPG

 

Um gesto que me emocionou foi quando soube por uma das participantes que alguns turistas que passavam pelo local do encontro, quiseram participar neste Passeio da Memória. Vi e fotografei duas senhoras, mas haviam mais.

IMG_3766.JPG

O final foi junto à Brasileira, o local de encontro do grupo "Café Memória"  cuja missão consiste em:

A missão do CAFÉ MEMÓRIA consiste em reduzir o isolamento social em que muitas das pessoas com demência e os seus familiares e cuidadores se encontram, contribuindo para a melhoria da sua qualidade de vida. Pretende ainda sensibilizar  a comunidade para a relevância crescente do tema das demências, diminuindo, assim, o estigma que lhe está associado.

 

Acabou a caminhada, junto à Brasileira, com o rufar dos tambores executado por um grupo de jovens que também já nos habituou à sua encantadora exibição.

IMG_3771.JPG

 

Início

Autoria e outros dados (tags, etc)

Passeio da Memória

por Maria Araújo, em 24.09.17

hoje, em Braga.

Lá estaremos para mais uma caminhada, desta vez vou dedicá-la à Alice, a minha amiga que já falei também aqui.

Para ela vai a minha amizade, carinho e solidariedade.

 

20369905_10159107301005181_6848671607074377313_o.j

 

Início

Autoria e outros dados (tags, etc)

Fui visitar a Alice

por Maria Araújo, em 10.03.17

Dois meses e meio depois de visitar a Alice, hoje, voltei à Casa de Saúde.

Quando entrei no corredor onde fica a sala da Alice, estavam várias pessoas sentadas num banco, não vi quem eram, dirigi-me à porta quando ouvi uma voz atrás de mim que me chamava.

Olhei para trás e estava ela, sentada nesse banco, com mais duas senhoras.

Fiquei super feliz porque ela viu-me e lembrou-se do meu nome. Da primeira vez ela reconheceu-me mas não conseguiu dizê-lo. 

Uma das senhoras perguntou-lhe quem eu era. Respondeu que era uma prima.

Não me manifestei. Uns minutos mais, a senhora aproveitou  para despedir-se. E foi convicta que eu era prima da Alice.

Fomos dar uma volta pelo pátio.

Muitas famílias visitavam as raparigas e mulheres internadas. A Alice está lá há cinco meses.

Desde que cheguei até me despedir dela, nunca esqueceu o meu nome.

Mas ela não consegue lembrar-se das amigas que a vão visitar e quando vai contar alguma coisa, diz: " já não me lembro".

No nosso passeio pelos jardins, aproximou-se uma senhora. Baixa, curvada, aparentava uns 70 anos.

Abraçou a Alice.

E dizia que gostava muito dela. Abraçava-a e beijava.

E a Alice retribuia-lhe o carinho.

Às tantas, a senhora conta que costuma limpar o chão, sua tarefa diária.

Ao que parece, há umas quantas senhoras internas que fazem limpeza. Recebem um valor em dinheiro ( penso que deve ser uma pequena  retribuição para os pequenos prazeres delas) . 

Queixava-se, então, que não lhe pagaram o serviço. Pagaram às colegas e ela foi fechada numa sala onde lhe foi dito que lhe davam comida, não recebia dinheiro.  E queixava-se que era injusto trabalhar e não lhe pagarem. E que trabalha muito.

Perguntei-lhe o nome.

Alice, também.

E abraçava a minha amiga Alice e dizia: " Eu sou Alice e gosto muito desta Alice".

Depois perguntou-me o nome. Disse que gostava muito da Alice e se eu sou amiga da Alice, também gosta muito de mim.

Decidi pagar-lhes o lanche.

A minha amiga não quis, tinha lanchado com a amiga que a visitara.

A outra Alice disse que não podia ir ao bar, não tinha autorização de lanchar lá.

Perguntei porquê.

É interna desde os 15 anos. Tem agora 60. E estava ansiosa por sair dali. A família deixara-a lá e nunca mais quis saber dela. Não me soube dizer de onde é. Mas que é de muito onge.

Não fiz mais perguntas.

Dizem-me elas para lancharmos no café.

"Café?!" perguntei.

"Sim", responderam as duas.

Seguia-as.

Depois de passarmos a porta que dá acesso a um longo corredor, percebi logo o que era o café.

Duas máquinas, uma de café, outra de chocolates e sandes, era o café de todas as internas.

Ali ninguém controla nada. A outra Alice pode ter o que quiser, desde que tenha dinheiro.

Pedi que escolhesse o que quisesse.

Escolheu um pacote de cookies.

Meti a moeda de 1 euro. O pacote ficou preso.

Umas simpáticas funcionárias passavam perto, comentaram que com um empurrão aquilo caía. E  empurraram à máquina, mas o pacote não cedeu. Teria que pedir na recepção a devolução do dinheiro.

Disse à minha amiga para escolher alguma coisa.

Não queria. Aliás, ela nunca quer nada. 

Sempre foi uma rapariga de trabalho, honesta, humilde, divertida, a Alice.

Introduzo uma moeda de 1 euro e  carrego nas teclas com o mesmo número do pedido da outra Alice. Talvez o pacote preso caísse.

"Que bom", disseram elas. Caíram os dois pacotes.

Um pacote  para cada uma, a outra Alice agradeceu-me, deu-me um beijo e um abraço. Repetiu: " Gosto muito da Alice. Gosto muito de si " e seguiu por onde entraramos.

Eu e a minha amiga fomos corredor fora. Voltamos ao jardim.

A Alice vê a Ana, uma jovem nos 20, que estava com os pais.

Foi ter com ela.

Aproximei-me sem dizer nada. Ela olhava, desconfiada, para mim. E para a Alice, que lhe fazia festas no rosto.

De repente, a mãe fala do cabelo da Ana, que é bonito e muito comprido. Quando a senhora vai à carteira e tira o passe da filha que se via o cabelo mais curto, a Ana levantou-se e diz para a mãe: " Que nojo. Estás a ver porque não queria que guardasses as minhas coisa? Que nojo".

Afastou-se e foi sentar-se na relva de um dos canteiros.

Os pais foram ter com ela.

A Alice diz-me que é melhor irmos embora e seguimos na direcção da sala.

Despedimo-nos com a minha promessa que vou reunir o grupo de amigas e fazermos uma visita e um lanche nos jardins da casa de saúde.

Saí de lá com o coração apertado. Uma mulher cheia de vida, com Alzheimer, parece-me impossível.

Não sei se a Alice virá a sair de lá.

 

 

Início

Autoria e outros dados (tags, etc)

Alzheimer é uma despedida que leva anos...

por Maria Araújo, em 28.12.16

uma frase que li aqui.

Cheguei do ginásio, estacionei o carro em frente à minha garagem.

Saí do carro, deparo com a minha vizinha da cave, a Glorinha.

92 anos, uma senhora que sempre conheci magra, com uma ligeira corcunda dos anos árduos de trabalho no campo e de levantar cedo para ir vender o que plantava para o mercado, às terças e sábados. Foram muitas as vezes que acordei com o ruído do motor da carrinha que os levava para o mercado, às 6h da manhã.

Nunca teve uma conversa fluída, o vocabulário não era de mais, mas é uma senhora querida e amada por quem aqui vive.

Foi-lhe diagnosticada a doença de Alzheimer há cerca de 6 anos.

Não conhece ninguém, não fala, não reage a nada.

No início do ano, visitei-a.

A filha mais velha estava desesperada porque a Glorinha não queria comer.

Falava com ela : " O que te dói, mãe? Vê quem aqui está! Quem é esta?"

E eu pedia para não massacrar a mãe. O olhar perdia-se na mesa que tinha à sua frente. Não levantava a cabeça. Emita breves sons.

O marido da Glorinha tem 87 anos, um homem corpulento, cuidava do jardim do prédio até há 2 anos.

Começou a definhar, "os ossos não ajudam", dizia ele. Cai, está frágil, também. Quem diria que aquele homenzarrão ficaria tão frágil!

O que lhe vale é a força de vontade que tem para andar a pé, apoiado na bengala. 

Mas já não consegue cuidar da Glorinha, durante a noite.

Decidiram contratar duas pessoas. Uma cuida dos dois durante o dia, à noite vem a outra.

As duas filhas mais velhas, nos 60, professoras do 1º ciclo, reformaram-se cedo.

O mais novo terá 53 anos, um rapaz muito paciente, uma jóia. Todos os dias, depois do trabalho, passa  em casa dos pais. Por vezes, dorme lá.

Hoje vi a Glorinha sentada numa cadeira de rodas, muita mais magra, sonda no nariz, cabeça tombada para o ombro esquerdo. Apanhava o sol das 13h.

Saí do carro e aproximei-me.

"Quem a viu e quem a vê!", pensei.

A empregada chamava-a para ela olhar para mim. Tentava levantar-lhe a cabeça tombada sobre o ombro.

Pedi para não a forçar.

A Glorinha faz 93 anos em Fevereiro, tem Alzheimer. A despedida da vida está a levar anos...Parece que a  morte, que seria  seu alívio, não a quer levar.

Dói-me ver a Glorinha neste estado.

Uma vida num corpo sem vida.

Fiquei chocada.

 

E a minha amiga Alice?

Hei-de falar nela brevemente. Quando vi este fime , jamais me passaria pela mente que a minha amiga, 56 anos,  tem Alzheimer. Está internada numa casa de saúde. 

Preciso de me despedir de 2016 com a consciência tranquila de que a Alice está, tanto quanto seja possível, bem.

 

 

Início

Autoria e outros dados (tags, etc)

uma pequena participação

por Maria Araújo, em 21.09.15

 

pm2015.jpg

A propósito deste post, ontem, participei no Passeio da Memória, do Dia Mundial da Pessoa com Alzheimer.

Lamentavelmente, o número de pessoas era muito pequeno, não estariam mais de 30 participantes.

IMG_20150920_102542.jpg

Dou os parabéns às jovens da organização pela simpatia com que nos receberam, e pela sua participação, que era, sem dúvida, em maior número que os adultos.

No percurso fomos congratulados com um jovem grupo de bombos, muito aplaudidos pelos estrangeiros que pararam para os ver e do qual faziam parte duas das jovens da organização deste "Passeio da Memória".

IMG_20150920_102617.jpg

IMG_20150920_103202.jpg

IMG_20150920_103225.jpg

IMG_20150920_102519.jpg

 

 

 

 

 

Início

Autoria e outros dados (tags, etc)

Meu nome é...

por Maria Araújo, em 18.02.15

 

Poster do filme O Meu Nome é Alice

 

Cinco mulheres colegas e amigas de trabalho,  no cinema.

Em silêncio as lágrimas saltavam do olhos.

No final,uma delas chorava abraçada a outra.

Quando me foi lembrado que sua mãe teve Alzheimer, dei-lhe um forte abraço.

E chorei.

Qualquer uma de nós pode ser uma Alice.

 

Início

Autoria e outros dados (tags, etc)

Angústia

por Maria Araújo, em 04.02.09

Vou escrever o que se tem passado aqui no meu prédio há já um ano algo que me tem posto angustiada, triste e revoltada. 

O meu vizinho do 1º andar, que terá 52 anos, é único filho, demasiado inteligente, muito culto (tomara eu ter a capacidade que ele tem de conhecer óperas, livros, falar Inglês e Alemão) mas com perturbações de nível psicológico profundos, embora nunca tivesse admitido.
Há anos a mãe dasabafava comigo as manias dele, as desistências em tudo o que tentava meter-se.

O pai,  que faleceu há uns anos, tinha também perturbações psicológicas, embora fossem controladas.

Quando havia alguma obra no prédio, este  quase ia abaixo com reacções do gajo, desculpem-me a expressão.Subia as escadas e dava pontapés na porta, insultava os inquilinos, eu estava incluída, porque também fiz obras em casa, era o fim do mundo. Chamava-se a polícia, mas nada se resolvia. A mãe pedia aos trolhas que fizessem pouco  barulho, mas obras são obras, eram feitas durante a hora normal de trabalho, logo tinha que as aguentar.

O gajo dorme de dia, e mal, e à noite deita-se muito tarde, por vezes a ouvir ópera, incomodando os vizinhos, que têm de se levantar cedo para o trabalho. Por vezes eu não preciso de ligar a TV porque ouço cá em cima, o que ele está a ver/ouvir.

Bom, mas como ia dizendo, há cerca de uma ano comecei a ouvir insultos. Como na rua passam muitos estudantes para a escola secundária que fica ma rua oposta, pensava eu que seria lá fora. Até que o gajo começou a subir o tom de voz  e percebi que era ele que insultava a mãe.

No dia 7 de Junho do ano passado estava eu a chegar  da praia, seriam 15 horas, ouvi berros, insultos e gritos seguidos de choro.

Meu coração quase me saltava do peito! Tremia, não sabia o que fazer.

Subi ao 3º andar, vivo no 2º,  e fui pedir ajuda à vizinha, para que telefonasse ao marido e este à PSP para vir em auxílio da senhora,que já conta 83 anos.

A minha vizinha queria descer e acudir a senhora, mas sabendo eu o tipo de homem que ele é, adverti-a a não se meter.

Chamou-se a polícia. Ele tinha agredido a mãe, embora esta não tivesse sinais visíveis, pelo que nem foi preciso pedir o INEM.

Óbvio que eu não me meti no assunto. Isto foi relatado pela PSP, depois de eu ter ido testemunhar o que ouvira.

Desde então tem sido um forró, desculpem-me, porque o gajo descarrega na pobre senhora, toda a sua loucura.

Nunca mais houve sossego no prédio e no meu coração.

Entro em pânico quando ouço os insultos, embora nem sempre a senhora chore.

Desde essa data a polícia foi solicitada a intervir, mas o certo é que nada pode fazer, porque ele não põe as mãos na mãe. Deduzo que a empurra, parte vidros, louça, seja o que for, mas evita tocar nela.

Um Domingo de tarde antes do Natal, estava eu aqui sossegada a trabalhar nas minhas tarefas da escola, quando se deu mais uma das loucuras dele. Decidi não chamar a polícia, mas enviei um e-mail.

Dias depois fui à PSP saber o que fizeram do meu e-mail. Tinha seguido para o Ministério Público. Fui a esta entidade e soube que iriam abrir um processo.

Fui à Segurança Social e tive conhecimento que a senhora iria frequentar um lar de dia, mas ao que parece foi uma vez, pois o filho não se digna levar a mãe.

Passa o tempo e parece-me que tudo está parado.

Esta noite, por volta das 23h45 estava eu aqui a ler blogs e escuto a voz do gajo. Aproximei-me, aqui em casa,  do quarto para perceber o que ele dizia.

A mãe estava no quarto dela, e ele dizia "Mete-te na cama f* ...p*...". Durou cerca de 5 minutos esta cena, até que ouço "METE-TE NA CAMA FILHA DA P*...."  Ouço gritos e o choro da senhora. Ouviu-se um estore a subir e descer. Foi a senhora do 3º andar. Eu fiquei estática.

De repente, volto para o pc e vou ao "gmail". Encontro online a minha melhor amiga e descarrego tudo o que sinto.

Deitei-me por volta da 1:00h com a firme decisão de  fazer uma queixa no Ministério Público. Fi-lo hoje de manhã.

Há mais quatro inquilinos no prédio e sou a única que tem agido na denuncia deste caso. Os vizinhos são pessoas de bem, educadas, mas não se mexem. Dizem que se eu precisar de ajuda vão comigo. Mas eu estou nisto sozinha.

Entretanto recebo o correio, por volta das 12h00. Vejo uma carta do Tribunal. Deduzi que seria alguma informação sobre a denúncia que fiz por e-mail.

Abri o envelope. Tenho que me apresentar como testemunha, na próxima Sexta-feira, às 10h30.

Tenho testes marcados para esse dia. Vou ter de adiar o da turma da manhã. De tarde vou à escola.  Não posso faltar ao Tribunal. Este assunto é muito delicado.

Não admito violência doméstica com crianças e idosos. São  seres  desprotegidos; não sabem defender-se. Fico magoada, angustiada.

Tenho um único receio. Que o gajo, depois desta audiência, me faça frente. Para eu entrar em minha casa, tenho que passar à porta dele, pois este prédio não tem elevador.

Receio, mas vou em frente.

Para acabar, desde esse dia 7 de Junho de 2008 que ele tem a mãe em cativeiro. Ela saía todas as manhã para fazer as compras do dia-a-dia. Eram os únicos momentos de lazer e distracção dela. Descobri  que ela tem Alzheimer.

Muito mais teria a desabafar aqui, mas o essencial está dito.

Se pudesse, invadia a casa do gajo e metia a senhora num lar. Ela precisa URGENTEMENTE de apoio e serviços mínimos de higiene.

 

 Idosos  por leticialimeira2003

Início

Autoria e outros dados (tags, etc)


foto do autor


instagram@mariaaraujo



Desafio - Foto da Semana


2º desafio de leitura

desafio



desafio temático de fotografia

20396075_DY5aH.jpeg


Encontros - eu vou

eu 1..jpg encontro 3º Encontro.png 4ª Encontro.png Selo 5º Encontro.PNG 6º. Encontro Bloggers (selo v1).jpg

Encontros - eu fui

IMG_2230 (2).JPG MARCADOR


Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2015
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2014
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2013
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2012
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2011
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2010
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2009
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2008
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D