Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



bem-vindos à escola

por Maria Araújo, em 14.09.17

a S, a jovem de 40 anos  que nasceu nesta rua onde vive (mos), pertence a uma geração de putos, agora pais, que no Verão brincavam na rua até à meia-noite, ou quando os pais os chamassem porque já eram horas de regressar a casa, tem uma filha de 6 anos.

ontem encontrei-a à porta de casa.

está de férias, parou para conversarmos um pouco.

falou-se da escola do 1º ciclo, em frente às nossas casas, que está parada há um ano à espera de obras ( parece uma escola abandonada há muitos anos, uma tristeza) e desde então o 1º ciclo tem aulas nos contentores num espaço da escola EB 2/3 que fica a cerca de  500m.

quando lhe perguntei como reagiu a filha a este primeiro dia de escola, respondeu-me que estava excitada e ansiosa.

e contou que, estando pais e filhos na sala de aula para a recepção aos alunos, de repente ntra na sala um grupo de candidatos à Câmara, de um determinado partido.

os pais ficaram estupefactos com a presença do grupo nas salas dos miúdos do 1º ano.

quando perguntei pelo menos tinham alguma coisa ( lápis, borrachas, autocolantes)  para oferecer às crianças, e ela respondeu que não tinham nada, apenas entraram cumprimentaram os miúdos com o " bem-vindos à escola", e saíram.

crianças de 6 anos que estavam ansiosas por conhecer a professora e a escola, era inadmissível, dizia ela, que a direcção permitisse que grupos partidários andassem a fazer propaganda dentro das escolas.

 

Imagem relacionada

 

 

 

 

Início

Autoria e outros dados (tags, etc)

Vila Real

por Maria Araújo, em 17.06.17

O calor que não me deixava dormir, a partir das 3h levantava-me de hora em hora. Parecia uma criança que vai fazer o primeiro passeio da sua vida de estudante. Acabei por adormecer, acordei antes de o relógio despertar, preparei as minhas coisas, despachei-me para chegar a horas ao encontro que faço por chegar primeiro ( sou british nas horas). E cheguei.

À porta da escola os quatro autocarros já nos esperavam, os alunos também.

Os colegas foram buscar as listas, fizeram a chamada, partimos para Vila Real por volta das 8h45.

Chegamos ao Parque Aquático por volta das 10h45. Antes de  sairmos do autocarro, o colega responsável por cada um dos autocarros,  faz os avisos necessários para as regras de educação e de respeito no/do recinto, e a marcação da hora de regresso. A partir do momento que entrassem no parque, os alunos dos 8º e 9 anos ficariam  por sua conta.  E era vê-los pegar nas mochilas e nos sacos térmicos com  o farnel espalharem-se pelo parque à procura de um bom lugar, se  possível com sombra.

Outros alunos de outras escolas ocupavam já o espaço superior do recinto, escolhemos o inferior, estavamos mais à vontade. De imediato os funcionários foram montar os guarda-sóis para nós.

IMG_20170616_111437_2CS.jpg

A partir daqui, foi desfrutar do parque. Uma das colegas comentou que, comparado com os parque aquáticos do Algarve, este era muito pobre.

IMG_20170616_111444_1CS.jpg

Nunca fui adepta de parques aquáticos, também nunca experimentara, pela confusão que me parece haver. Estava lá, tinha que aproveitar o convívio e a água. A escassos metros de nós uma queda de água era a diversão de muitos dos nossos miúdos.

IMG_20170616_111600_1CS.jpg

Quando comentei que queria deliciar-me nela, as minhas duas amigas seguiram-me. Entramos na água, com uma excelente temperatura. Os miúdos deliravam com a força da água que batia no corpo. E nós também.

IMG_20170616_120617.jpg

Ora na toalha a gozar o sol e a conversa, ora debaixo daquela água maravilhosa, passamos bons momentos. E o tempo parecia que tinha parado. 

De quando em vez, os  colegas davam uma volta para ver como estavam os rapazes e as raparigas, que diga-se, estas não paravam de desfilar ( ai as hormonas ao rubro).

Os vigilantes sempre atentos às brincadeiras excessivas, e proibidas na água, sopravam o apito.

A verdade é que sendo um parque pequeno, tem o suficiente para miúdos e graúdos se divertirem.

IMG_20170616_142349_1CS.jpg

Há colegas que se divertem com os escorregas, bora lá vê-los aliviarem a carga de um ano de trabalho ( por mais que evitem a conversa vai sempre para a escola) agora com as avaliações e os exames à porta.

IMG_20170616_141549_1CS.jpg

 Ao princípio da tarde alguém fala no jacuzzi. 
- Jacuzzi?! Onde? - perguntei.

Um pequeno espaço cheio passara-me despercebido, pensando eu que seria um confortável "sofá" dentro de água.

E quando entrei e senti o delicioso ondular da água que batia no corpo, na barriga, nos pés, hummm, percebi o que levava a malta  a procurar aquele espaço redondo.

IMG_20170616_111633_1CS.jpg

O parque tem um bom espaço, tem restaurante e bares, está bem apetrechado para servir as delícias dos visitantes, bem vigiado, funcionárioas atentos e simpáticos.

O balneário é muito espaçoso e limpo. Tem bastantes cabines com chuveiros e casas de banho.

Os aspectos negativos a apontar, tem a  ver com o ruidoso megafone fixo na parede do café restaurante, na entrada do parque, que não nos deixa sossegados a deliciarmos do nosso café e da conversa descontraída.

Também  o do grupo de jovens que anda pelo parque com um falcão no braço e uma tartaruga de porte pequeno que são motivo de curiosidade dos adolescentes e crianças, aliciam-nos a pegar nos pobres bichos e tirar uma fotografia.

À saída, expõem as fotografias, perguntam-nos se temos alguma que queiramos levar. A pagar, com certeza.

Não gosto disto. Não concordo com isto. 

No portão de entrada do parque uma placa mostra as proibições do recinto.

Uma delas é de animais de estimação...

Já em Braga, a minha amiga Mafalda perguntou-me: "Gostaste? Valeu a pena?"

Claro que sim - comentei - Adorei!

 

Início

Autoria e outros dados (tags, etc)

O calendário judoca da UM

por Maria Araújo, em 11.02.15

 

 

Ora se os Bombeiros Sapadores de Setúbal despiram a roupa e mostraram meio corpo musculado e sexy,  os judocas da Universidade do Minho despiram-se de preconceitos e foram mais longe. Fotografaram os seus corpos  NUS, e fizeram um calendário, com objectivo de angariarem dinheiro para ajuda aos estudantes com dificuldades económicas.

"Todas as fotos foram tiradas num contexto relacionado com o judo ou com a personalidade de cada estudante"

umaa.png

 

ss.png

 

O total da venda dos calendários, que foram hoje postos à venda nas instalações da UM , oh!, será entregue ao Fundo Social de Emergência.

 

ummumaa.png

 Se queres ler mais, clica aqui

cal.png

 

Início

Autoria e outros dados (tags, etc)

Hat Parade

por Maria Araújo, em 28.02.14

Tive um convite das minhas colegas da escola para ver hoje o "Hat Parade" (a primeira vez que se fez um desfile de chapéus). Teria de levar um chapéu (olha eu de chapéu! Gosto de ver nos outros, porque em mim, ui, um terror!) e, não levei.

Cerca de 200 alunos desfilaram com os seus chapéus, e garanto que alguns estavam fantásticos.

Esquecera-me da máquina fotográfica, a solução era mesmo o telemóvel.

Alguns miúdos fizeram os chapéus em casa mas a maioria foi com a ajuda dos professores.

Com certeza que foi difícil o júri escolher os melhores.

E foi um sucesso.

Gostaria de mostar as muitas fotos que tirei, mas não devo.

Bom Carnaval.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Início

Autoria e outros dados (tags, etc)

O ministro que diz

por Maria Araújo, em 12.09.13

não conhecer o caso específico da escola x, mas que não sabe dar as respostas corretas e pertinentes às perguntas que lhe são feitas, é um ministro sem competência e sem perfil para ocupar um lugar tão importante e crasso como o da educação.

 

Início

Autoria e outros dados (tags, etc)

Os professores da luta/a luta dos professores

por Maria Araújo, em 22.06.13
 
A nossa sensibilidade vai muito para além da sala de aula. Tudo fazemos pelos alunos e pela comunidade escolar.

Há cerca de 12 anos que fazemos um arraial, uma das muitas atividades de final do ano letivo, em que os pais também participam, com a sua presença.

Sempre com muito sucesso, estamos lá para dar alegria, mostrar o que se faz pelos seus filhos e o que estes fazem para lhes mostrar que a escola não é só ler, escrever, fazer testes, brincar.

Este ano não foi exceção. No último dia de aulas, mais um arraial com muitos professores e menos pais (a crise não os faz vir à escola comer a sardinha assada com todos e/ou a febra de churrasco). Estes vêm depois de jantar para verem as marchas (de professores e alunos).

O meu departamento está encarregue de fazer as sobremesas. Cada professor traz o que quiser.

Por conseguinte, a mesa dos doces faz  sucesso.

Este ano, foi impecavelmente decorada com todo o género de bolos, inclusive o da moda: os cupcakes.

A semana que passou foi de incertezas,  preocupação, cansativa. As greves têm dominado o nosso quotidiano nestas últimas semanas... e para continuar.

Mas há minutos, recebi um e-mail da coordenadora de departamento que me sensibilizou e fez pensar que vale sempre a pena dar o que de melhor temos para construirmos uma sociedade com valores e mais justa, mesmo que a maioria não o reconheça.

Li o e-mail, ouvi o vídeo : "O esforço, a luta, o valor do nosso trabalho estão nos nossos alunos, naqueles que serão os homens e mulheres, os vencedores de amanhã".

 

 

"Olá!

Gostaria de agradecer a todos os que, de uma forma ou de outra, contribuíram para que a tendinha das sobremesas, no arraial minhoto, fosse um sucesso.
Apresentámos, com muito bom gosto e animação, uma variedade de doces de "fazer crescer água na boca".
Muito obrigada pela vossa dedicação.
Bom fim de semana.
Deixo-vos um link com um vídeo dos Muse ( já sabem que sou fã) cuja música é um hino à esperança e à união - valores que me parecem essenciais no nosso trabalho.

 

 

 

 

 

 

Início

Autoria e outros dados (tags, etc)

Hoje fiz

por Maria Araújo, em 13.09.12

uma caminhada de uma hora e vinte minutos.

Ao som da rádio, no meu telemóvel, (trauteando baixinho uma ou outra canção que conheço),uma caminhada sem paragens.

Logo de tarde, vou receber os meus alunos (este ano não sou DT, mas secretária) .

Vem por aí um ano cheio de trabalho (fui nomeada coordenadora grupo), tenho mais 2 turmas que o habitual, e tenho 10 alunos repetentes numa turma. Que dose!

E esta caminhada de hoje,  foi o relaxar de quase duas semanas de trabalho de preparação para o novo ano letivo.

Não sou a Clara Schuman, mas esta imagem está tão ternurenta...!

 

 

 

 

Início

Autoria e outros dados (tags, etc)

 

 

 

"Tempo de exames no secundário, os meus netos pedem-me ajuda para estudar português. Divertimo-nos imenso, confesso.

E eu acabei por escrever a redacção que eles gostariam de escrever. As palavras são minhas, mas as ideias são todas deles.

Aqui ficam, e espero que vocês também se divirtam. E depois de rirmos espero que nós, adultos, façamos alguma coisa para libertar as crianças disto.

 

Redacção – Declaração de Amor à Língua Portuguesa

 

Vou chumbar a Língua Portuguesa, quase toda a turma vai chumbar, mas a gente está tão farta que já nem se importa. As aulas de português são um massacre. A professora? Coitada, até é simpática, o que a mandam ensinar é que não se aguenta. Por exemplo, isto: No ano passado, quando se dizia “ele está em casa”, ”em casa” era o complemento circunstancial de lugar. Agora é o predicativo do sujeito. “O Quim está na retrete” : “na retrete” é o predicativo do sujeito, tal e qual como se disséssemos “ela é bonita”. Bonita é uma característica dela, mas “na retrete” é característica dele?
Meu Deus, a setôra também acha que não, mas passou a predicativo do sujeito, e agora o Quim que se dane, com a retrete colada ao rabo.

No ano passado havia complementos circunstanciais de tempo, modo, lugar etc., conforme se precisava. Mas agora desapareceram e só há o desgraçado de um “complemento oblíquo”. Julgávamos que era o simplex a funcionar: Pronto, é tudo “complemento oblíquo”, já está. Simples, não é? Mas qual, não há simplex nenhum, o que há é um complicómetro a complicar tudo de uma ponta a outra: há por exemplo verbos transitivos directos e indirectos, ou directos e indirectos ao mesmo tempo, há verbos de estado e verbos de evento, e os verbos de evento podem ser instantâneos ou prolongados, almoçar por exemplo é um verbo de evento prolongado (um bom almoço deve ter aperitivos, vários pratos e muitas sobremesas). E há verbos epistémicos, perceptivos, psicológicos e outros, há o tema e o rema, e deve haver coerência e relevância do tema com o rema; há determinante o modificador, o determinante possessivo pode ocorrer no modificador apositivo e as locuções coordenativas podem ocorrer em locuções contínuas correlativas. Estão a ver? E isto é só o princípio. Se eu disser: Algumas árvores secaram, ”algumas” é um quantificativo existencial, e a progressão temática de um texto pode ocorrer pela conversão do rema em tema do enunciado seguinte e assim sucessivamente.

 

No ano passado se disséssemos “O Zé não foi ao Porto”, era uma frase declarativa negativa. Agora a predicação apresenta um elemento de polaridade, e o enunciado é de polaridade negativa. No ano passado, se disséssemos “A rapariga entrou em casa. Abriu a janela”, o sujeito de “abriu a janela” era ela, subentendido. Agora o sujeito é nulo. Porquê, se sabemos que continua a ser ela? Que aconteceu à pobre da rapariga? Evaporou-se no espaço?

A professora também anda aflita. Pelo vistos no ano passado ensinou coisas erradas, mas não foi culpa dela se agora mudaram tudo, embora a
autora da gramática deste ano seja a mesma que fez a gramática do ano passado. Mas quem faz as gramáticas pode dizer ou desdizer o que quiser, quem chumba nos exames somos nós. É uma chatice. Ainda só estou no sétimo ano, sou bom aluno em tudo excepto em português, que odeio, vou ser cientista e astronauta, e tenho de gramar até ao 12º estas coisas que me recuso a aprender, porque as acho demasiado parvas. Por exemplo, o que acham de adjectivalização de verbal e de adjectival, pronomes com valor anafórico, catafórico ou deítico, classes e subclasses do modificador, signo linguístico, hiperonímia, hiponímia, holonímia, meronímia, modalidade epistémica, apreciativa e deôntica, discurso e interdiscurso, texto, cotexto, intertexto, hipotexto, metatatexto, prototexto, macroestruturas e microestruturas textuais, implicação e implicaturas conversacionais? Pois vou ter de decorar um dicionário inteirinho de palavrões assim. Palavrões por palavrões, eu sei dos bons, dos que ajudam a cuspir a raiva. Mas estes palavrões só são para esquecer. Dão um trabalhão e depois não servem para nada, é sempre a mesma tralha, para não dizer outra palavra (a começar por t, com 6
letras e a acabar em “ampa”, isso mesmo, claro.) Mas eu estou farto. Farto até de dar erros, porque me põem na frente frases cheias deles, excepto uma, para eu escolher a que está certa.
Mesmo sem querer, às vezes memorizo com os olhos o que está errado, por exemplo: haviam duas flores no jardim. Ou : a gente vamos à rua. Puseram-me erros desses na frente tantas vezes que já quase me parecem certos. Deve ser por isso que os ministros também os dizem na televisão. E também já não suporto respostas de cruzinhas, parece o totoloto. Embora às vezes até se acerte ao calhas. Livros não se lê nenhum, só nos dão notícias de jornais e reportagens, ou pedaços de novelas. Estou careca de saber o que é o lead, parem de nos chatear. Nascemos curiosos e inteligentes, mas conseguem pôr-nos a detestar ler, detestar livros, detestar tudo. As redacções também são sempre sobre temas chatos, com um certo formato e um número certo de palavras. Só agora é que estou a escrever o que me apetece, porque já sei que de qualquer maneira vou
ter zero.

E pronto, que se lixe, acabei a redacção – agora parece que se escreve redação. O meu pai diz que é um disparate, e que o Brasil não tem culpa nenhuma, não nos quer impôr a sua norma nem tem sentimentos de superioridade em relação a nós, só porque é grande e nós somos pequenos. A
culpa é toda nossa, diz o meu pai, somos muito burros e julgamos que se escrevermos ação e redação nos tornamos logo do tamanho do Brasil, como se nos puséssemos em cima de sapatos altos. Mas, como os sapatos não são nossos nem nos servem, andamos por aí aos trambolhões, a entortar os pés e a manquejar. E é bem feita, para não sermos burros.

 E agora é mesmo o fim. Vou deitar a gramática na retrete, e quando a setôra me perguntar: Ó João, onde está a tua gramática? Respondo: Está
nula e subentendida na retrete, setôra, enfiei-a no predicativo do sujeito.

 

João Abelhudo, 8º ano, turma C (c de c…r…o, setôra, sem ofensa para si, que até é simpática)."

Início

Autoria e outros dados (tags, etc)

Se

por Maria Araújo, em 12.04.12

com o minímo de 20, casos com necessidades educativas especiais e/ou com dificuldade de aprendizagem,isto é um problema; se há uma maioria desinteressada, com falta de hábitos de trabalho, regras e valores, nos 26/28 máximo, imagine-se com 30, que aí vem.

O estado manda, corta, risca, e nós trabalhadores portugueses não dizemos "ai, ui".

Se o currículo vai sofrer cortes/alterações e com este aumento para 30, imagine-se quantos profissionais ficarão dispensados.

Coincidência, TV ligada no canal onde passa "I like this" , aqueles dois "inteligentes" de «Vais para o Canadá», os Homens da Luta que,  verdade seja dita, estão a safar-se muito  bem da crise,cantam neste momento: "Portugal, e salve-se quem puder".

Pudesse eu!

 

 

 

 

 

 

 

Início

Autoria e outros dados (tags, etc)

A trick or a treat?

por Maria Araújo, em 31.10.11

A chuva veio dar as voltas a quem está com intenção de gozar o Halloween.

Entretanto, ficam aqui algumas fotos que tirei hoje, numa actividade executada pelos alunos.

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Início

Autoria e outros dados (tags, etc)


foto do autor


instagram@mariaaraujo


desafio temático de fotografia

20396075_DY5aH.jpeg

2º desafio de leitura

desafio



Encontros - eu vou

eu 1..jpg encontro 3º Encontro.png 4ª Encontro.png Selo 5º Encontro.PNG 6º. Encontro Bloggers (selo v1).jpg

Encontros - eu fui

IMG_2230 (2).JPG MARCADOR

Outro cantinho





Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2011
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2010
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2009
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2008
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D